segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Cristina Kirchner deve ser reeleita em outubro

E já que estamos em América do Sul (post abaixo), não custa registrar que a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, conseguiu arrasadora vitória nas eleições primárias realizadas pela primeira vez no país, neste domingo.

Capa do diário La Nación desta segunda, 15

As primárias definirão as listas de candidatos para executivos e legislativos nas eleições gerais de 23 de outubro. Se houver segundo turno, ele será em 10 de dezembro. Cristina (Frente para a Vitória) obteve 50,2% dos votos. O deputado Ricardo Alfonsín (União Cívica Radical), muito longe, ficou em segundo, com 12,4%. Eduardo Duhalde (União Popular) vem em terceiro (12,1%) e Hermes Binner (Frente Ampla Progressista) em quarto (10,4%).

Como no Brasil em 2010, com Dilma, a força de Cristina é também alavancada pela falta de discurso da oposição. A vitória da presidente nas primárias foi tão significativa que, segundo observou o jornal El Clarín, a presidente deu sua primeira coletiva de imprensa “em mais de 18 meses” nesta segunda-feira.

Para Cristina Kirchner, o triunfo nas primárias (e a provável vitória em outubro) se deve a sua gestão ter sido aprovada pela população. “Creio em uma sociedade que votou uma gestão que vem desde 2003, com erros e acertos. Aprendi mais com as derrotas do que com as vitórias”, disse.

Ela indicou que, apesar da massiva votação, pretende investir no diálogo: “Necessitamos da unidade de todos os argentinos. Não esperem de mim nenhuma palavra que ofenda”.

Dilma Rousseff e Cristina Kirchner governarão os dois mais importantes países da América do Sul ao mesmo tempo, a brasileira com a herança de Lula; a argentina, com a de Néstor Kirchner.

E Oxalá a rivalidade entre Brasil e Argentina seja cada vez mais reduzida ao folclore do futebol.

4 comentários:

Mariana disse...

É isso, Edu! A vitória arrasadora da presidenta Cristina demonstra que a pesar dos esforços desmesurados dos monopólios midiáticos para acabar com este projeto (inédito na Argentina) de crecimento com justiça social e memória histórica que o kirchnerismo representa, a sabedoria popular pode triunfar!!!! Fico constrangida vendo como no Brasil a mídia só reproduz as mentiras de Clarín e La Nación... criando-se uma espécie de muro informativo, que dificulta qualquer compreensao da conjuntura argentina e latinoamericana... É importantíssimo esse trabalho de formiga de vcs nos blogs!!! Força com isso, companheiro!

Edu Maretti disse...

Legal, Mariana, a opinião de uma argentina legítima - hehe.

Lá, como cá, os impérios midiáticos tentam, mas não conseguem impedir as conquistas populares e o caminhar da história, "que atropela indiferente todo aquele que a negue"...

Mayra disse...

Edu, procura frequentar o Página 12. É um baita jornal de esquerda.

Victor disse...

Muito legal mesmo. Isso mostra que a Ley de Medios não provocou danos irreversíveis para a candidatura da Cristina. Quem sabe Dilma entenda isso e mande bala no Marco Regulatório da Comunicação e reveja a questão da Banda Larga. Agora foi aprovada o projeto de lei que abre a TV a cabo para as teles e libera a participação do capital estrangeiro, por outro lado tem cotas para produções brasileiras infelizmente com prazo de 12 anos. Avanços e retrocessos, o próximo passo é fiscalizar a aplicação da lei.