domingo, 21 de agosto de 2011

Com gol kardecista, Santos ganha clássico na Bahia de Todos os Santos

Ainda pela 18ª rodada do Brasileiro, São Paulo e Palmeiras ficam no 1 a 1. E no Corinthians, após a derrota por 2 a 0 para o Figueirende, a batata de Tite está assando

Um gol de Alan Kardec aos 36min do segundo tempo deu ao Santos a primeira vitória fora de casa no Campeonato Brasileiro, em Salvador, 2 a 1 contra o Bahia. Agora, são oito partidas com mando adversário: seis derrotas, um empate e uma vitória.

O triunfo teve sabor triplo: 1) a vitória propriamente dita; 2) ela ter sido em cima do técnico René Simões, aquele moralista fanfarrão e hipócrita que afirmou “estamos criando um monstro”, sobre Neymar, em setembro do ano passado, quando o Peixe bateu o Atlético-GO na Vila por 4 a 2 e o bigodudo resolveu desviar a atenção de sua derrota para uma análise comportamental de psicólogo barato; 3) o fato de Santos x Bahia ser um clássico de mais de meio século, já que ambos os times fizeram três decisões da Taça Brasil: em 1959 (quando o Bahia bateu o Santos de Pelé e sagrou-se o primeiro campeão nacional), 1961 e 1963 (em ambos, Santos campeão).

A vitória santista em Salvador hoje começou a se desenhar logo aos 2min de jogo, quando Ganso sofreu pênalti claro ao receber passe de Borges. Neymar bateu bem (ufa!), rasteiro, no canto direito de Marcelo Lomba e fez 1 a 0. Daí pra frente, só deu Bahia, que pressionou até empatar, aos 29, com Júnior, e depois manteve o Santos encurralado. Nessas circunstâncias, o Alvinegro teve no goleiro Rafael o salvador da pátria no muito bom primeiro tempo. O arqueiro se machucou (profundo corte no supercílio) após dividida com o catimbeiro Carlos Alberto (aquele mesmo) e foi substituído no intervalo por Wladimir, que não comprometeu.

Veja os gols


Na segunda etapa o Bahia tentou manter a contínua pressão, mas o Santos segurou o 1 a 1 e o Tricolor foi pouco a pouco sendo vencido pelo cansaço. Eis que, num ato de ousadia chamado popularmente de “seis por meia dúzia”, Muricy tirou Borges e colocou Alan Kardec. Após um escanteio, na chamada “segunda bola”, rebote do goleiro baiano, Henrique ganhou a dividida de cabeça e a bola sobrou para Kardec fazer um gol de oportunismo, estranho, um gol inesperado e tipicamente kardecista. (Alan Kardec é aquele mesmo jogador do Vasco da Gama de 2007 que fez o gol da vitória de 1 a 0 contra o Corinthians no Pacaembu, que começou a carimbar o passaporte do Timão para a segunda divisão naquele ano.)

Enfim, uma vitória importante do Santos hoje no clássico de Salvador. Não por ter tirado o time da zona da degola (está em 15°, com 18 pontos e ainda 2 jogos a menos). Mas porque foi uma vitória duríssima, muito valorizada pelo time baiano, e valeu como um descarrego para o time de Muricy, e logo em Salvador, a terra de Nosso Senhor, sobre o time do fanfarrão René Simões.

São Paulo 1 x 1 Palmeiras

No clássico paulista, um jogo bom, muito disputado, achei que o Alviverde foi melhor, com claro domínio territorial durante todo o primeiro tempo, embora tenha levado o golaço de Dagoberto. No segundo, o gol do zagueiro Henrique fez justiça à partida.

O Tricolor, em terceiro com 34 pontos, por enquanto briga pelo título, enquanto o Verdão, em sexto, com 29, na minha opinião luta no máximo por uma vaga na Libertadores.

Corinthians na descendente
O Corinthians, após a enganosa vitória contra o Atlético-MG por 3 a 2 (*), perdeu de 2 a 0 para o Figueirense em pleno Pacaembu, sábado, saiu vaiado pela Fiel e encara a dura realidade de, ouso profetizar, estar no rumo de uma curva descendente que pode culminar com a saída de Tite do comando do time e a perda de um lugar no G-4 em breve, não necessariamente nessa ordem.

A batata de Tite já está assando, e todo mundo sabe que ele nunca foi unanimidade nem mesmo no interior da cúpula alvinegra. Faltam só mais alguns pretextos para ele perder o cargo. Um colunista diz que Ney Franco pode pintar pelas bandas do Parque São Jorge. Domingo, tem Palmeiras x Corinthians em Presidente Prudente.

*Atualizado às 22:52 – O placar de Corinthians x Atlético-MG estava informado erradamente como 4 a 2, quando foi 3 a 2.

3 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Pra mim essa história sobre a batata do Tite é intriga de jornalista. Se o cara ficou depois de perder pro Tolima, por que sairia com o time na ponta do campeonato?

A vitória sobre o Atlético-MG foi por 3 x 2, porque o Alex perdeu um pênalti no final. E não foi enganosa coisa nenhuma. Não sei se você viu o jogo, por que ao mesmo tempo estava tendo jogo do Santos na Vila, mas o segundo tempo do Corinthians contra o Atlético foi arrasador, só não foi melhor que o segundo tempo do Majestoso, quando o Corinthians esmagou o tricoflor, com 5 gols em 38 minutos.

Perdemos pontos idiotas nessa primeira fase, mas mostramos poder de fogo contra todos os adversários fortes. E a sua suposição do Corinthians saindo do G4 é claramente exagerada, porque não vejo nenhum elenco muito melhor que o Corinthians lá em cima. O Flamengo, talvez, mas é gaúchodependente, e o professor Vanderlei hoje pra mim é uma incógnita. O Corinthians perdeu pro Figueira em casa, mas o Flamengo tomou um sarrafo do Atlétigo GO em casa, o Sáo Paulo empatou com AtléticoGO e América MG. Todos estão tropeçando contra adversários TEORICAMENTE fáceis.

Felipe Cabañas da Silva disse...

Só pra complementar. Nos últimos 18 pontos disputados, o desempenho dos três líderes foi o seguinte: Flamengo 11 pontos, São Paulo 9 e Corinthians 8. O desempenho do Flamengo pode ser considerado apenas razoáveis, e o de Corinthians e São Paulo claramente está aquém para quem quer ser campeão. No entanto, em pontos corridos esses altos e baixos são normalíssimos. O campeonato é longo, puxado, e não tem jogo fácil. Imaginar que o Corinthians fosse manter o ritmo do início não tem cabimento. Mas daí a profetizar que vai cair lá pra baixo acho uma precipitação, senão uma intriga da oposição. hehe

PS: Lembrando também que em breve teremos Adriano.

Edu Maretti disse...

Nossa, o 4 a 2 foi pura digitação errada, pelo fato de o 4 ficar junto ao 3 no teclado - hehe - e por isso vou corrigir lá, com a observação.

Agora, francamente, ganhar do Galo em qualquer lugar, hoje, não quer dizer nada, pobre Galo.

Sobre sair do G-4, não é nenhuma provocação, palavra!, é só o que eu acho. Aguarde umas 6 rodadas e depois me cobre...

abs