sábado, 3 de dezembro de 2016

Interestelar: ficção inteligente, apesar de Hollywood



Anne Hathaway: cenas espetaculares, atuação medíocre

Sou apaixonado por filmes de ficção científica. Infelizmente, são poucos os que se salvam. Dos que vi, 2001: Uma Odisseia no Espaço (direção de Stanley Kubrick de 1968 - baseado no livro de Arthur Clarke), é o melhor. Não à toa, já que Kubrick é um gênio que soube usar as benesses de Hollywood para fazer uma obra definitiva no cinema. Blade Runner (Ridley Scott - 1982) é outro. E podemos pôr um etcétera aí.

Mas quero falar, brevemente, do filme Interestelar (no original, Interstellar), de 2014, dirigido pelo obscuro Christopher Nolan, o tipo de diretor que não faz diferença, já que, se não fosse ele, outro faria a mesma coisa -- mais ou menos melhor ou pior.

Mas o filme, como resultado, é interessante e inteligente, descontando os hollywoodianismos (a tendência ao happy end, a necessidade do vilão, da luta física etc.).

Interestelar traz à ficção científica no cinema abordagens que a ciência dominante, a ciência canônica, não considerava comprováveis há apenas algumas décadas, como o buraco de minhoca, que em inglês é wormhole (este termo, na legenda do canal HBO, não é traduzido - o termo inglês worm significa mais "verme" do que "minhoca"). O buraco de minhoca continua sendo uma teoria contestada, mas já é considerada mais do que mera teoria. Outro conceito abordado pelo filme é o do buraco negro.

De fato emociona a maneira como o filme mostra o passado como uma dimensão irrecuperável, inclusive considerando Albert Einstein e sua Teoria da Relatividade. Não há na física a possibilidade de você mudar o passado. O filme Interestelar joga fora abordagens tolas como a do filme De Volta para o Futuro (filme fascinante, mas tolo, do ponto de vista da Física). 

Interestelar é um filme antropocêntrico, como a visão do cientista Marcelo Gleiser, por exemplo. Ou seja, incorpora a concepção de que o ser humano é a única entidade comprovadamente (mas comprovada pelo homem) inteligente do cosmos e está destinado a povoar o universo. É  uma tese hoje contestada. Há setores na Ciência que discordam de que o ser humano seja o único inteligente no cosmos. O problema é que não há provas de que não estamos sós. Mas há muitas indicações de que está prestes a ser comprovado que não, nós não somos os únicos: o ceticismo de Marcelo Gleiser está ultrapassado.

Para finalizar, a produção de Interestelar resolveu muito mal o papel da astronauta dra. Brand, interpretada pela péssima Anne Hathaway, que mais parece uma coelhinha da Playboy do que uma cientista ou uma astronauta. Mesmo assim, ela protagoniza cenas espetaculares, como quando a missão da Nasa chega a um planeta estranho coberto por água, e os astronautas são surpreendidos por... Mas não vou contar.

Já o galã Matthew McConaughey, como o astronauta Cooper, foi uma aposta vencedora. Está muito bem no papel do comandante da missão destinada a encontrar um destino para a espécie humana para além de nossa galáxia. De resto, o desempenho de Jessica Chastain (no papel de Murph como filha adulta de Cooper) é muito superior ao da medíocre Anne Hathaway como a protagonista dra. Brand. No filme, o excelente Michael Caine faz o pai da dra. Brand.

Infelizmente, como é Hollywood, os pecados se sucedem. Por exemplo: o filme tem um elenco estelar, com o perdão do trocadilho. Além de Michael Caine, traz como coadjuvante Matt Damon, uma real estrela da nova geração de Hollywood (junto, por exemplo, com Leonardo DiCaprio). Um luxo, ter Matt Damon como coadjuvante. Só que, ao invés de aproveitar o personagem de Matt Damon, a produção-direção, na minha modesta opinião, desperdiça a chance. Porque Hollywood precisa de heróis e vilões, precisa do bem e do mal, e jogam fora o luxo de ter o ator em seu elenco.

Seja como for, Interestelar é um filme bastante interessante. Merece ser visto. Assista.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Os cátaros, a política, o espiritismo

"Renegar a política é renegar a humanidade"
(Marco Ferreira, por e-mail)



"Quem sabe estudando as razões pelas quais tanto se matou por mera discordância ideológica possamos alcançar mais adiante um estágio evolutivo, em que se discorde tolerantemente."

A frase não é sobre o Brasil de Michel Temer ou sobre alguma ditadura latino-americana. É do livro Os Cátaros e a Heresia Católica, de Hermínio C. Miranda, que estou lendo.

Cátaros (do grego καϑαρός - katharós - "puro" ou "limpo") são um povo cristão que, em torno do ano 1.200, principalmente no sul da França, foi perseguido e exterminado pela Igreja Católica e suas Cruzadas, sob todas as formas de massacres, torturas e execuções, incluindo fogueiras em que se queimavam dezenas de pessoas de todas as idades.

Acusados de hereges, os cátaros foram perseguidos por pregarem um cristianismo não contaminado pela doutrina católico-romana, corrupta, defensora dos interesses terrenos, que destruiu incalculável patrimônio histórico e todo conhecimento (livros, culturas e povos) que de alguma forma ameaçava seu império. O cristianismo dos cátaros seria uma doutrina mais próxima de Cristo, personagem do qual, de resto, pouco se sabe.

Esse Cristo na realidade é uma entidade dual, contraditória - considerando as diferentes versões ou interpretações. As histórias em torno dele expressam posições antagônicas: ao mesmo tempo em que recomenda, a quem levar uma bofetada, oferecer a outra face, ele declara, segundo Mateus (10:34): "Não penseis que vim traz paz à Terra; não vim trazer paz, mas espada".

Qual é o verdadeiro Jesus? O construído por Roma com certeza não é o de Pier Paolo Pasolini, diretor do belíssimo Il Vangelo secondo Matteo (1964), cujo Cristo veio trazer a espada.

Se, de acordo com a igreja romana, Jesus foi concebido por uma mãe virgem, os relatos históricos a que se tem acesso (filtrados por 2 mil anos e quase totalmente apagados pela genocida "Igreja de Pedro") dão margem a interpretações bem menos fantasiosas. Por exemplo: Maria Madalena, mulher reduzida a uma prostituta pela "Tradição", teria sido, na verdade, companheira e amante de Jesus, e inclusive mãe de descendentes seus. Tomé, presumem intérpretes, era irmão de Jesus. Ou, pelo menos, um outro, como diria Borges.

*******

Papa Gregório IX instituiu a "Santa Inquisição"
"A campanha militar (contra os cátaros) encerrou-se tecnicamente com a tomada de Montségur, em 1244, onde foram queimados vivos mais de 200 cátaros, numa só fogueira gigantesca, que iluminou os céus com as chamas do ódio e deixou espalhadas no chão da história 'as cinzas da liberdade', na expressão que Michel Roquebert colocou no título de um de seus livros", escreve Hermínio C. Miranda.

A "Santa Inquisição" foi instituída pelo "santo" Papa Gregório IX, em 1233, ou seja, 11 anos antes do extermínio definitivo dos cátaros.

Os Cátaros e a Heresia Católica é pois uma interessante abordagem histórica. Como o autor é espírita, sua análise do tema passa por associações que, segundo ele, estranhamente começaram a ser percebidas na Europa, particularmente na Inglaterra, sete séculos depois do extermínio dos cátaros, em meados do século XX. Essas associações apontariam para evidências espiritualistas relacionadas à reencarnação.

Os cátaros também são conhecidos como albigenses, em referência à cidade francesa de Albi, onde se considera que se originou esse movimento.

Ao pesquisar questões relativas aos cátaros, é também muito interessante saber que havia sinais de inegável familiaridade entre esse povo e os Cavaleiros Templários, também perseguidos pela Inquisição de "tenebrosa memória", como diz o autor do livro.

As pessoas fazem confusão entre Templários e Cruzados. É preciso pesquisar um pouco. Suas histórias se imbricam, mas não se confundem.

*******

Todavia, as sombras do passado e as farsas da história oficial dos séculos não me afastam da minha própria história. Eu quase poderia dizer que prefiro ler Truman Capote, J. D. Salinger ou Graham Greene, que são mais próximos do que eu sou, embora já estejam velhos. Mas acho melhor não dizer. Nos tempos atuais, já não se sabe o que é velho ou o que é novo.


*Publicado originalmente em 26 de novembro de 2016, à 00:56

"De nossa parte, e para sempre, Chapecoense campeã da Copa Sul-americana"




O Atlético Nacional da Colômbia solicita, por meio de nota oficial em seu site, que o título da Copa Sul-Americana 2016 seja entregue à Chapecoense.

Diante da tristeza, da tragédia e da injustiça que vitimou o clube, fica uma notícia consoladora sobre tudo isso. Injustiça porque a Chape é um clube médio transformado em exemplo de gestão, e por isso ascendeu da série D à A e estava numa final internacional, o que nunca um clube catarinense havia conseguido.

E o  Atlético Nacional mostra grandeza. Abaixo a nota do clube colombiano na íntegra.

"Atlético Nacional solicita a Conmebol que el título de la Sudamericana sea entregado a Chapecoense"

"El dolor embarga rotundamente nuestros corazones e invade de luto nuestro pensamiento. Han sido horas lamentables en las que hemos estado consternados con una noticia que nunca quisimos haber escuchado. El accidente de nuestros hermanos del fútbol de Chapecoense nos marcará de por vida y desde ya dejará una huella imborrable en el fútbol latinoamericano y mundial. Todo esto ha sido completamente inesperado, por eso el dolor. Se trataban todos ellos, futbolistas, Cuerpo Técnico, periodistas y tripulación, de personas con muchos sueños, por eso el llanto.

"El lamento mundial se ha hecho extensivo también a toda la familia Verdolaga quienes desde sus patrocinadores, su Junta Directiva, su Cuerpo Técnico, sus jugadores, su parte administrativa y su afición, han manifestado el desconsuelo y la desazón por lo absurdo. La solidaridad no se hizo esperar y de nuestra parte acompañamos de forma rotunda el padecimiento de todos los hermanos que nos abandonaron quienes junto a sus familiares y nosotros, compartíamos una ilusión grande de ser campeones continentales de la Copa Sudamericana.

"Luego de estar muy preocupados por la parte humana pensamos en el aspecto competitivo y queremos publicar este comunicado en donde Atlético Nacional invita a Conmebol a que el título de la Copa Sudamericana le sea entregado a la Associacao Chapecoense de Futebol como laurel honorífico a su gran pérdida y en homenaje póstumo a las víctimas del fatal accidente que enluta nuestro deporte. De nuestra parte, y para siempre, Chapecoense Campeón de la Copa Sudamericana 2016
."

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

São Paulo em imagens – Viaduto Santa Ifigênia


O documentário abaixo, de Alexandre Maretti, em pouco menos de dez minutos, conta uma vasta história. Grande como a de um livro com seus personagens a compor a cena brasileira. História revelada em sucessão de quadros da cidade imensa, concentrada em um viaduto, mergulhada em amor e injustiça, em desigualdade, mas também em fraternidade e esperança.

Movimento. Som dialogando com as imagens. Meio Cinema Novo, meio expressionismo.

sábado, 29 de outubro de 2016

Grandes atores (6): Anthony Hopkins


Fotos: Reprodução
Como o imortal Hannibal Lecter
Já comentei sobre esse monstro da arte dramática num post em que juntei outros monstros (Gene Hackman, Marlon Brando, Rod Steiger). Mas Anthony Hopkins merece um post à parte. Claro que os outros aqui citados também. É que vi anteontem um filme totalmente descartável, que entretanto me remeteu diretamente à infância: A Máscara do Zorro (1998, dirigido pelo medíocre Martin Campbell, diretor hollywoodiano encarregado apenas de executar roteiros pré-fabricados), no qual Hopkins interpreta Don Diego de la Vega/Zorro. Na infância, o Zorro da série de TV que tinha Guy Williams no papel do herói e o eterno sargento Garcia era um de meus programas favoritos na telinha.

Mas, voltando, apesar de A Máscara do Zorro ser um filme muito ruim (uma ideia boa, mas mal aproveitada), com todo tipo de soluções comerciais e clichês made in Hollywood, ver Hopkins compensa: tudo vale a pena se a alma não é pequena. Curiosamente, algo me faz sempre associar esse ator britânico nascido em Port Talbot em 1937 ao nova yorkino Jack Nicholson, coincidentemente nascido no mesmo ano. Porém, apesar da grandeza de Nicholson, acho Hopkins superior.

Enquanto o americano, de certa maneira, é freqüentemente ator de si mesmo, na medida em que seus personagens costumam ser um pouco, sempre, o próprio Nicholson, o inglês parece ser mais capaz de ser tanto um padre, com suas expressões cândidas e santas, como um irremediável romântico ou um psicopata de inteligência sobrenatural e mente fria.

É o caso do papel do serial killer Hannibal Lecter, em O Silêncio dos Inocentes (Jonathan Demme, 1991), um dos grandes thrillers da história do cinema. No filme, Hopkins incorpora o espírito de uma criatura que passa a existir graças ao talento assombroso do ator. Nesse sentido, ele opera na arte dramática o que, na literatura, apenas grandes escritores são capazes de fazer: dar vida a um personagem. Mais do que isso, dotá-lo de alma, de tal modo que é como se fosse um ser real.


Jodie Foster, como a policial Clarice, cujo mestre (e sombra) é Lecter

Hannibal Lecter é um desses personagens do qual não se esquece jamais. Como já escrevi no post citado acima, o personagem Lecter se transforma no mestre da policial Clarice Starling exatamente como o ator Hopkins se transforma no mentor de Jodie Foster, que a interpreta. Isso, de um ator (atriz) monstro parecer conduzir aqueles com os quais contracena, é comum no cinema e no teatro. É com uma fascinação ao mesmo tempo iluminada e sombria que Clarice/Foster interage com o criminoso Hannibal/Hopkins. Isso não se daria se o ator fosse outro, ou um ator menor. Provavelmente o filme sequer teria brilho ou importância.

Como também já escrevi, esse "é um filme paradigmático de uma grande atuação, porque Hopkins opera no personagem uma transformação que vai da brutalidade à doçura, da contemplação à explosão assassina, e ele expressa essas nuances em sua face como se fossem, cada uma, a face mesma da brutalidade, da doçura, da contemplação e da selvageria". É uma das maiores atuações que já vi no cinema.


Como Don Diego de la Vega/Zorro, único motivo para ver o filme

A relação mestre-discípulo da qual falei acima, que se dá entre Hopkins e Jodie Foster em O Silêncio dos Inocentes (The Silence of the Lambs, no original em inglês), acontece também em A Máscara do Zorro, entre o mesmo Hopkins e Antonio Banderas, que é muito bom ator, mas perdeu muito de seu brilho depois de deixar a Espanha (onde atuou em vários filmes sob a direção de Almodóvar) e se transformar num ator secundário de Hollywood, apesar de eu ter lido, não lembro onde, que foi como Zorro que Banderas atingiu importância internacional. Importância em bilheteria, apenas, e decadência como ator.

Como o professor Van Helsing, em Drácula
Em Drácula de Bram Stoker  (1992), do grande Francis Ford Coppola, Hopkins faz o bondoso e sábio professor Abraham Van Helsing, a antítese de Hannibal Lecter, já que é ele o portador do conhecimento capaz de combater o mal.

Em Drácula, é curioso notar que Hopkins não tem a importância dos filmes citados neste post ou em outros. Mas isso acontece por um motivo simples: é que não é possível, dada a força do personagem central, o vampiro, qualquer outro se sobrepor a ele. Gary Oldman, de resto, como Drácula, está excelente no papel, assim como Winona Ryder no papel da amada Mina Harker. O que, de resto, não é nenhuma novidade, já que Coppola é um dos maiores diretores de ator do cinema.

 Leia também, da série Grandes Atores:




sábado, 8 de outubro de 2016

Grandes atores (5): Johnny Depp



No mesmo filme, dois personagens: soldado e travesti

Johnny Depp é um ator que enriquece qualquer filme. Ou melhor, é um ator que pode fazer com que um filme medíocre ganhe vida por sua simples presença. No filme Antes do Anoitecer (2000, direção de Julian Schnabel), que não é medíocre, mas é um hollywoodiano cheio de clichês, Depp dá uma mostra do que pode fazer com a arte dramática.

No filme, Javier Bardem interpreta o escritor cubano Reinaldo Arenas, que era gay e viveu agruras no regime comunista de Fidel Castro. Johnny Depp, neste filme, interpreta dois personagens completamente antagônicos: o travesti Bon Bon e um militar tipicamente sul-americano, o  tenente Victor.

Depp não é um ator do tipo que interpreta sempre a si mesmo, característica de vários atores listados entre os grandes, como é o caso de Robert De Niro. Essa característica não necessariamente desqualifica um ator, mas às vezes cansa. Depp não é desse tipo, ele é um camaleão.

O filme que para mim é seu auge é Dead Man (1995, direção de Jim Jarmusch). Não apenas por sua atuação magistral na obra, em que faz uma espécie de reencarnação do poeta William Blake (são várias as interpretações que se podem fazer desse filme, construído sob densa poética), mas pelo filme em si, na minha opinião o melhor de Jarmusch, com a excepcional trilha sonora de Neil Young que é parte intrínseca ao filme.

Em Dead Man, a transformação do personagem William Blake se processa no desenvolvimento da história.

O inocente e tímido caipira que atravessa os Estados Unidos em busca de emprego na distante cidade de Machine...




... se torna o temível e frio Dead Man...




Depp adora fantasia. Sua parceria com o desenhista e diretor Tim Burton é uma das mais bem-sucedidas do cinema contemporâneo. Sob a direção de Burton, Depp atuou em Edward Mãos de Tesoura (1990), A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, (1999), A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005) e Alice no País das Maravilhas, ou Tim Burton's Alice in Wonderland (2010).

Fora o western poético Dead Man, Depp atuou em inúmeros filmes de vários gêneros. No gênero máfia, por exemplo, fez Donnie Brasco (1997, direção de Mike Newell).

Embora não seja um gênero de filme que eu pare para assistir, na franquia Piratas do Caribe, como o capitão Jack Sparrow, Depp dá outro show de atuação, fazendo uma espécie de anti-herói cômico com trejeitos gay.

É um ator extremamente expressivo. Sua face muda de acordo com o personagem ou a cena. Para mim é uma pena que ele dedique tanto tempo a fazer os filmes de fantasia com Tim Burton ou Piratas. Poderia fazer coisas mais interessantes. Mas o ator parece que se apegou a esse gênero de cinema e a essa forma de ganhar dinheiro.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Em minha cidade há um rio



Water Lilies and Japanese Bridge (Claude Monet)


Em minha cidade há um rio de pequeno porte onde pescava e nadava quando adolescente.
Hoje o rio está podre devido ao crescimento urbano lançando esgoto em suas águas.

Às vezes ele revive, em ocasião de grandes chuvas, ao inundar e invadir suas margens e ruas com água bastante para limpar a atual podridão.

Nas pescarias de garoto meu sonho nunca realizado era pescar um grande piau, peixe raro e bonito que pouco aparecia nas águas de Mimoso do Sul. Eis que tempos depois, já adulto, fui de novo pescar em nosso rio com meu filho Frederico ainda criança de uns 9 anos.

Levei uma bacia em que pretendia colocar vivos e nadando os peixes pescados, mais para divertir Frederico.

Eis que, surpreendentemente, pesquei o tal piau sonhado. Era grande e lindo, nunca antes visto desse tamanho, o bastante para compensar meus frustrados desejos de adolescente.

Com todo o cuidado, tirei o peixe do anzol. Levei para a bacia, onde ele permaneceu vivo e hábil, admirado por nós.

Voltei a pescar, orgulhoso, ainda sem bem saber o que fazer com o piau...

...se o levava para casa, campeão exibindo a meus irmãos esse meu fruto da pescaria conquistado ou se retornava o peixe para as águas do rio.

Frederico resolveu o impasse. Com seus nove anos de vida nascente, ao me perceber distraído de volta à pescaria, pegou o piau com suas pequenas mãos e, quando vi, lá estava o belo peixe de novo nadando vivinho em seu reino fluvial, salvo e livre, restando-me, em casa, contar prosa, numa conversa de pescador sem provas... foi o que aconteceu e o que fiz...

...hoje certo de que desde então meu filho se preparava para ser médico, pois é o que é, salvando vidas.

domingo, 18 de setembro de 2016

Os rios são lindos, mas são traiçoeiros e matam


"Viver é muito perigoso"
(Riobaldo - Guimarães Rosa, em 
Grande Sertão: Veredas)



O rio São Francisco: belo e traiçoeiro, como todos os rios

A trágica morte do ator Domingos Montagner no rio São Francisco me fez pensar em duas coisas. Uma diz respeito à condição humana na sua relação com a natureza. A outra tem a ver com uma experiência pessoal.

A condição humana
Como diz povo do interior, você nunca entra no mesmo rio duas vezes. Um rio muda. Ontem ele era um, hoje é outro. A correnteza, os galhos, as pedras e o acaso se aliam numa espécie de complô da natureza contra o qual o ego, nossa teimosia em dominar a natureza, não pode nada. O ser humano sempre terá a impressão de que a natureza está sob seu domínio, mas não está. Não existe nada mais traiçoeiro do que as águas dos rios.

Lamento pela morte de Montagner, que, pelos relatos, era uma pessoa bacana. Mas a verdade é que os rios matam. Não se esqueça disso.

Uma experiência pessoal
Tive uma experiência com rio que poderia ter me custado muito caro. Estávamos na cidade de Barra Bonita, à beira do rio Tietê, onde você pode nadar (pelo menos era assim há uns dez anos). Havia uma pequena ponte de madeira de onde os meninos mergulhavam no rio, numa algazarra alegre típica de criança.

Vendo aquilo, decidi ir até a pontezinha e também dar um mergulho. Não era uma ponte de uma margem a outra, claro, porque o Tietê é bastante largo. Era uma espécie de pinguela ligando dois braços de terra. A altura da ponte de madeira às águas do rio era bem pequena, uns dois metros apenas. Animado, cheguei à ponte onde havia vários meninos de 12 a 15 anos do lado direito. Do lado esquerdo, célere, quase imediatamente saltei pra mergulhar. Nesse momento, no lapso de uns dois segundos entre o salto e o mergulho, eu ouço a voz de um menino dizendo: 

– Aí nããããããoo!!

A frase bateu diretamente no meu corpo. Num reflexo, eu fiz o que se pode chamar de uma arremetida (como se diz na aviação), e ao invés de mergulhar estiquei o máximo que pude os braços para cima e entrei na água de barriga. 

Ao voltar do mergulho abortado, dentro do rio, um rapaz de uns 16 anos nadou até mim e perguntou preocupado:

– Tudo bem, véio? 

– Tudo – respondi. 

É que eu tinha saltado justamente do lado da ponte em que era muito raso e cheio de pedras, tipo a um metro ou menos da superfície. Não fosse aquela vozinha de criança ("Aí nããããããoo!"), eu poderia ter quebrado a mão ou os braços, a cabeça, a coluna cervical ou mesmo ter morrido. Por sorte, aquele menino agiu como um anjo da guarda.

Por isso, eu sempre digo. Cuidado com o rio, se você não o conhece. E mesmo se pensa que conhece.

Por que votar em Fernando Haddad em poucas palavras





Indo direto ao ponto: por mais respeitável que seja o voto em Erundina, a divisão dos votos de esquerda em São Paulo pode levar a um cenário digno de desespero: Dória e Russomanno no segundo turno. A cidade será privatizada e se tornará o império da polícia definitivamente. Nem é o caso de falar aqui de políticas desenvolvidas por Fernando Haddad ou por erros políticos de sua gestão. A questão de por que votar no prefeito é mais séria do que isso.

A necessidade de autoafirmação de setores da esquerda brasileira é histórica e levou o país a diversas tragédias. Para ficar num exemplo: na eleição presidencial de 1989, o orgulho do PT e de Lula e sua falta de humildade auxiliaram enormemente o projeto da direita de eleger Fernando Collor. O único candidato capaz de derrotar Collor na época era Brizola. Lula, ainda um neófito em eleição presidencial, foi presa fácil para Collor e sua madrinha Rede Globo no segundo turno.

Hoje, na capital paulista, o Psol tem papel equivalente ao do PT na eleição nacional de 1989. Os votos da brava Erundina, com seus supostos 5% (segundo o Datafolha), seria capaz de decidir a ida de Haddad ao segundo turno. Acho até que Erundina tem mais do que 5%. Seja como for, uma pena que não fecharam acordo com o compromisso de governar juntos em caso de eventual vitória petista no segundo turno.

Mas já que Luiza vai manter a candidatura até o fim, já que o que vale são as vaidades e projetos individuais, não há opção a não ser o voto útil em Haddad.

Como me disse o cientista político Vitor Marchetti, da UFABC, hoje: “Não tem muito cabimento discutir se o voto útil deve ser admitido ou não. No processo, o eleitor raciocina e começa a avaliar, no cenário, quem tem mais chance. O voto útil é sempre uma estratégia válida.”

Esta semana, o escritor Fernando Morais pediu maturidade, ou seja, união de PT e Psol para evitar que dois candidatos de direita cheguem ao segundo turno em São Paulo. “Estamos correndo o risco de entregar as duas maiores cidades do país aos golpistas. Está na hora do PT e do Psol se entenderem”, disse, em referência também ao Rio de Janeiro. Na capital fluminense, o PT não tem candidato e apoia Jandira Feghali, do PCdoB, que está na mesma situação de Erundina em São Paulo. Patina em cerca de 5%, mas seus votos seriam decisivos para levar Marcelo Freixo, do Psol, ao segundo turno. 

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Crônica sobre o golpe – a República de bananas e a esperança



Algumas sementes vão virar árvores

Comentei ontem no Facebook achar engraçado que, por ingenuidade ou falta do que falar, as pessoas perguntavam na semana passada, ironizando: “Cadê a Lava Jato?, cadê o Moro?, cadê, cadê???”

Para os incautos que parecem não compreender o que se passa no país, a resposta veio ontem, com a denúncia do procurador Deltan Dallagnol contra Lula, baseada em uma apresentação tosca de powerpoint que culminou com a já histórica frase: “Não temos como provar, mas temos convicção”.

Como disse o Kiko Nogueira , parece que definitivamente “transformaram o Brasil no Paraguai”.

A verdade é que não se pode mais prever aonde chegaremos na história desta triste República de Bananas.

Mas, realmente, só os incautos (“que ou o que não revela malícia; crédulo, ingênuo” – Michaelis) poderiam esperar algo diferente em relação a nossas instituições. Na semana passada, o escritor Fernando Morais, em entrevista, afirmou: “Só um idiota completo pode imaginar que Globo, Fiesp, extrema direita, Folha, Estado, Editora Abril, Ministério Público, Policia Federal vão fazer o que fizeram para entregar a presidência da República de bandeja pro Lula de novo”.

No mesmo dia 31 em que o espetáculo farsesco do impeachment no Senado derrubou Dilma Rousseff, conversei com o velho socialista Roberto Amaral, que vaticinou: “para se precaver, no que for possível, tentarão destruir o Lula. Destruir o Lula como imagem, como símbolo, até destruí-lo como político, com essas tentativas de processá-lo para ver se até 2018 conseguem uma condenação que o afaste do processo eleitoral. Isso é um jogo tão evidente, as cartas estão tão claramente postas na mesa que eu não entendo que possa haver qualquer dúvida”. A entrevista está neste link .

Outra figura que tem o estranho hábito de teimar em compreender a conjuntura e interpretar os sinais é o sociólogo Laymert Garcia dos Santos, de quem tive o privilégio de ser aluno na PUC-SP, lá se vão anos. Em novembro do ano passado, num evento na Assembleia Legislativa, ele disse que a sociedade está “enfeitiçada” pela manipulação da mídia. “Só as versões se tornam realidade, ao ponto de as pessoas não saberem mais o que é real e o que não é.”

Em março (mais de um mês antes de o impeachment passar na Câmara), em entrevista que fiz com ele, Laymert disse: “Não acho que o fascismo vai vir, ele já está aqui”. Acrescentou: “Estamos vivendo uma espécie de fascismo de rua, mas ele é concomitante com toda uma argumentação jurídica que está sendo construída, que é ilegal e inconstitucional, uma ruptura com o regime democrático e com os princípios da Constituição. Estamos vendo a construção disso tudo, através das violências jurídicas e do estabelecimento de uma nova jurisprudência, entre aspas, que lembra muito o tempo do fascismo” (a entrevista de março está aqui).

Precisamos deixar de ser crédulos. Eu deixei de clamar "Não vai ter golpe" em 17 de abril de 2016, quando daquele espetáculo dantesco na Câmara dos Deputados, que manchou a história do Brasil. O golpe foi ali, sob o comando de Eduardo Cunha, que só caiu quando não interessava mais.

É preciso reconhecer que a esquerda não está unida, como alguns fingem acreditar, e entender que é preciso bem mais do que a esquerda se unir pela democracia. É preciso a união de todos os democratas do país, de Jean Wyllys a Kátia Abreu, dos socialistas aos liberais progressistas. Não tem outra saída.

Em 26 de agosto, no decorrer do espetáculo de teatro no Senado, a senadora Gleisi Hoffmann, dirigindo-se ao presidente do STF que presidia a sessão, Ricardo Lewandwski, manifestou a angústia que milhões de brasileiros hoje sentem: “Não querem sequer que tenhamos direito à indignação? A quem vamos recorrer? Será que vamos poder recorrer ao Supremo Tribunal Federal quando a nossa Constituição é vilipendiada?”

O que se pode acrescentar a essa justa manifestação de indignação de Gleisi?

Talvez só haja uma esperança, e ela está dentro de uma frase que Lula disse hoje em seu discurso para se defender das acusações do Ministério Público: "Essa meninada que evitou o Alckmin de fechar escolas, que está vindo para as ruas para reivindicar democracia, essa meninada é o Lula multiplicado por milhões”.

O amigo José Arrabal, da geração que, como Laymert, sofreu as mazelas do regime militar, também vê motivos de otimismo na geração que vem por aí, e acredita numa nação simbolizada "em Dilma e em Rafaela Silva, a campeã olímpica da Cidade de Deus”, como disse no dia do golpe no Senado (aqui).
A esperança é essa: que as sementes (como o menino da foto deste post) deem frutos. “Para ver que algumas sementes chegam a árvores”, como escreveu minha amiga Camila Claro em dedicatória que fez num livro pra mim, em 2002, e lá se vão 14 anos.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Bem-vindos ao admirável Brasil novo


Anselmo Cunha / Mídia NINJA
"Neblina de gás lacrimogênio nas ruas de Porto Alegre"  (1°/09/2016)

“Prometo manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil.”

A frase é do agora não mais interino presidente da República, Michel Temer, ao tomar posse ontem, em cerimônia no Congresso Nacional. É a mesma frase protocolar proclamada por todos os presidentes. Seja Castelo Branco, seja Lula.

Mas na boca de Temer soa conforme a expressão usada por Laymert Garcia dos Santos, na entrevista de ontem: "A palavra precisa com relação ao que aconteceu com Dilma e o julgamento é: ignomínia” (leia aqui).

O professor Roberto Amaral, com quem também falei ontem, dia 31 de agosto de 2016, que vai ficar marcado como a data da ignomínia, disse: “Temer não é um sujeito do processo histórico, não é um ator, é um mamulengo. Está aí em função de uma contingência e uma necessidade”.

O professor Amaral disse mais: “Vemos o comportamento do governo de São Paulo (de Geraldo Alckmin-PSDB). Vemos as notícias de repressão às manifestações contra o golpe. Todas as aparências vão ser quebradas. Não há mais necessidade de aparências”.

Em manifestação em São Paulo contra o golpe parlamentar na noite do dia 31, a aluna da Universidade Federal do ABC Deborah Fabri, do Levante Popular da Juventude, foi atingida por estilhaços de bomba e hoje se confirmou que a jovem perdeu a visão do olho esquerdo.

Ao responder minha pergunta sobre que país espera a partir de agora, Roberto Amaral disse: “Minha expectativa é de um país em conflito”. 

E assim chegamos ao Admirável Brasil Novo.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Dilma, estadista, dá aula histórica de política e democracia no Senado



"Não esperem de mim o obsequioso silêncio dos covardes"
(Dilma Rousseff, 29 de agosto de 2016)



Marri Nogueira/Agência Senado

A defesa que a presidente Dilma Rousseff fez de si mesma no espúrio processo de impeachment no Senado Federal no dia de hoje foi histórica. O que não sou eu quem diz, mas pessoas como o jurista Luiz Moreira, para quem Dilma deu uma “aula” no Congresso. Escolhi a foto acima, apesar de haver outras melhores, porque me parece simbólica da coragem dessa mulher no contexto grotesco a que chegou o país.

Seria demasiado cansativo, para mim que estou desde o início da audiência de Dilma trabalhando, esmiuçar ou discorrer sobre o assunto. Chamou minha atenção a resposta dela a uma questão colocada pelo senador Telmário Mota (PDT-RR): “com quem a senhora vai governar (se voltar ao cargo)?”

Dilma lembrou o PMDB de Ulysses Guimarães para fazer uma análise política sobre os danos causados ao país pelo esvaziamento do centro democrático. Disse que o Brasil sempre teve um centro democrático que congregou lideranças progressistas, mas esse centro se esfacelou, o que é simbolizado pelas assombrações (termo meu) de Eduardo Cunha e Michel Temer.  

“Esse PMDB, que teve no deputado Ulysses Guimarães a sua maior força, mas não só, esse centro sofreu uma alteração profunda, deixando de ser democrático.”

“O centro democrático perdeu a hegemonia dos progressistas e passou a ter a mais retrógrada posição que o país já assistiu”, disse.

Respondendo a um senador que vai entrar para a história como alguém que jogou sua biografia no lixo, Cristovam Buarque, que ardilosamente quis saber por que ela escolheu Michel Temer duas vezes como vice de sua chapa e hoje o chama de golpista, ela lembrou o diálogo entre o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o delator Sérgio Machado, que veio a público em maio, em que Jucá afirma: “O Michel é Eduardo Cunha”.

Disse ainda: “Supúnhamos que (Temer) fosse desse centro democrático progressista, transformador. Achamos que representava o que havia de melhor no PMDB.”

“Quando (Jucá) disse que Michel é Cunha, quis dizer que Temer integra o grupo de Eduardo Cunha. Quando o centro democrático deixa de ser progressista e passa a ser golpista e conspirador, ele tem um líder. Michel Temer é um coadjuvante. O líder é, ou era, Eduardo Cunha”, continuou.

Luiz Moreira, a quem entrevistei, explicou por que o discurso no Senado foi histórico, entre outros motivos: “Ela responde com muita altivez essa onda misógina, de dizerem que ela é frágil, que estaria justificada essa violência por ser uma mulher e uma mulher frágil. Ela responde isso com muita personalidade, muito domínio técnico e político da questão. Dilma hoje deixa uma grande mensagem para o Brasil” (leia aqui)

Ela terminou a aula falando de economia, explicando à feroz advogada Janaina Paschoal questões que você pode ler aqui.

O que me pareceu muito importante – mais do que isso, digno de nota – foi a avaliação de que os atores políticos precisam de maturidade para superar as mesquinhas disputas políticas e o malfadado “quanto pior, melhor”, e a frase com que definiu essa necessidade: “Ou se entende esse processo ou vamos continuar a fazer mal a nós mesmos”.

É inquestionável que, se havia dúvidas de que Dilma é uma estadista, ela tratou de esclarecer que é. Se perder a votação, é porque o Brasil merece a tragédia.

domingo, 28 de agosto de 2016

Pequena crônica de um golpe anunciado


Por Tatiana Fernández


Lula Marques/ AGPT

O cheiro de napalm pela manhã já se sente em Brasília.

O povo brasileiro entregou seus filhos de presente para serem consumidos pelo mercado a um grande bando de criminosos organizados.

Como diz Pepe Escobar, ficam somente paralisados.

Michel Temer é o mais veloz privatizador do oeste, é água, semente, educação, energia, saúde e presídio, porque basta criminalizar os inocentes que aí os criminosos ganham escravos, negócio redondo. Eles contam com a inércia do povo.

___________________________________________________________________

*Tatiana Fernández é artista plástica, doutora em Arte e professora do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Arte da Universidade de Brasília (UnB)

sábado, 20 de agosto de 2016

Considerações sobre as andorinhas


Para Carmem, Ivani, Roseli e Tania


Fotos: Carmem Machado


Nessa época do ano, em determinadas horas do dia, tem uma revoada de andorinhas por aqui, na árvore abaixo da janela da sala, no Butantã. Dezenas e dezenas delas voando em revoada. Uma ou outra pousa na árvore desfolhada pelo inverno.

As andorinhas voando são algo lindo de se ver. Em conjunto, formam um redemoinho  no ar. Individualmente, têm as costas azul-marinho, as asas pretas e o peito branco, de modo que em voo passando perto da janela causam uma impressão forte, porque são muito bonitas. Vendo-as pousadas, como a da foto, não dá a ideia. É preciso vê-las voando - mas esse espetáculo é impossível de fotografar, a não ser que você tenha um equipamento do tipo National Geographic.

Você escuta um leve dialogar, sutil, um piado suave que vem daquele redemoinho como se viesse do éter, de todas as partes.

Vendo esse balé aéreo, fico espantado ao lembrar de ver colegas ou amigos na infância matar passarinhos como esses. Eu nunca matei sequer um, embora matar sempre tenha sido, ao longo dos séculos, uma prova de virilidade masculina e supremacia humana diante da natureza.



(Quando eu e meus irmãos éramos moleques, nós e dois de nossos amigos tínhamos uma espingarda de chumbo cada um. Eu nunca nem mesmo mirei em um pássaro. O único ser vivente que matei com aquela arma foi um rato que tinha caído na piscina do quintal da casa de um amigo: fizemos uma competição da qual participaram quatro de nós, pela qual cada um tinha sua vez de atirar no rato, de uma distância grande, creio que a uns 7 ou 8 metros dos atiradores, até que eu acertei o rato bem na espinha, e fiquei com dó, porque o tiro paralisou as patas traseiras mas ele ficava batendo as dianteiras enquanto afundava morto. Mas rato é rato.)

Eu, não. Passarinho nunca matei. Nunca me senti superior à natureza. Pelo contrário, diante dela não sou quase nada, sou apenas um fruto dela e estou sujeito a seus caprichos e belezas. 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Juca Kfouri: "Eu não acredito no quanto pior, melhor. Eu acho que quanto pior, pior"


Pedro França/Agência Senado



Conversei ontem com o Juca Kfouri, sobre Olimpíada. A entrevista foi publicada originalmente na RBA.

Ele acha perfeitamente relacionável o comportamento da torcida brasileira que vaia atletas nos Jogos Olímpicos com o dos que ofenderam Dilma Rousseff na abertura da Copa do Mundo.

“É claro (que tem a ver uma coisa com a outra). Na abertura da Copa do Mundo, diante de sei lá quantos chefes de Estado, uma presidente eleita, legítima, mandaram ela tomar no cu. Você quer mais o quê? Nesse particular, aliás, o povo carioca foi mais educado do que o povo paulista. No Maracanã, na abertura (da Olimpíada), limitou-se a um 'fora Temer', mas não mandou tomar no cu.”

Ele diz também que os ataques à nadadora Joanna Maranhão caracterizam "o homem da elite no Brasil".

E ainda: "Não interessa à elite que os excluídos se eduquem".

A entrevista:

Como você contextualiza a Olimpíada no Brasil de hoje?

Com uma sensação ambígua. É uma festa que, tenho certeza, o Rio de Janeiro jamais esquecerá, com os problemas brasileiros que não adianta a gente querer esconder, porque eles existem e são visíveis. No caminho para a Cidade Olímpica, você se depara com um Brasil que é a cara do Brasil, muito diferente da zona sul do Rio de Janeiro. Mas, enfim, na minha maneira de ver as coisas, vejo como uma Olimpíada que não estava ainda na hora de o Brasil fazer, porque uma Olimpíada deve coroar uma política de esportes e o Brasil não tem uma política de esportes até hoje, aos 516 anos. Não é nem sequer capaz de tratar o esporte como um fator de saúde pública. Mas é indiscutível, inegável que é uma festa. O carioca não vai esquecer nunca mais.

Nesse sentido de o Brasil não ter uma política de esportes, como você compara, por exemplo no futebol, os jogadores brasileiros, muitos dos quais neopentecostais e sem preparo intelectual algum, com os alemães e os uruguaios da seleção de Óscar Tabárez, que são preparados em todos os sentidos?

Aí não é uma questão que se resuma, infelizmente, ao esporte, aos nossos atletas. É fruto de um sistema educacional abafado pela elite brasileira. Não é à toa que nosso sistema educacional é o que é, porque é uma maneira que a elite encontra para subjugar a maioria da população. Não interessa à elite que os excluídos se eduquem. E todos os esforços feitos nos últimos anos nesse sentido acabam sabotados. Estamos vendo o tamanho da sabotagem.

Os ataques a Joanna Maranhão são sintoma do ódio disseminado nos últimos tempos no país, na sua opinião?

É o sintoma mais claro da intolerância a que nós chegamos, infelizmente. Desta coisa machista, homofóbica, misógina, que caracteriza o homem dessa elite no Brasil. O cara que tem acesso às redes sociais e se aproveita do anonimato para fazer esses ataques covardes a uma mulher como ela.

E as vaias a atletas estrangeiros, como no caso do francês, podem ser vistas como uma coisa simplesmente de torcedor?

Não. É outro fruto da falta de educação. O que se fez com o francês que concorreu no salto com vara é absolutamente indesculpável. Você vaiar um atleta na hora em que ele está concentrado para competir, ou no pódio, não há o que justifique. Uma coisa é você torcer para o seu, outra coisa é você tentar desequilibrar o adversário. Num campo de futebol, isso faz parte. No atletismo, na natação, na ginástica, não faz. Mas, de novo: quem está assistindo a Olimpíada (nos estádios)? É quem tem dinheiro para pagar. Que é intolerante e mal educado. É grosseiro. E cometeu-se uma grosseria com o francês, não tenho dúvida nenhuma.

Dá para relacionar esse comportamento com o que foi dirigido a Dilma Rousseff na Copa do Mundo?

É claro. Na abertura da Copa do Mundo, diante de sei lá quantos chefes de Estado, uma presidente eleita, legítima, mandaram ela tomar no cu. Você quer mais o quê? Nesse particular, aliás, o povo carioca foi mais educado do que o povo paulista. No Maracanã, na abertura, limitou-se a um “fora Temer”, mas não mandou tomar no cu.

No contexto atual, com tudo que a gente está vendo no país, você vê alguma luz no fim do túnel?

Eu sempre vejo uma luz no fim do túnel. É a coisa gramsciana: pessimista na análise, otimista na ação. Se eu não acreditasse que o Brasil pode mudar para melhor e ser um país mais justo, eu já tinha desistido de ser jornalista e ia fazer coisas que dão mais dinheiro. Mas eu acredito que são etapas. Nós temos ainda muito a fazer. Temos que fazer um sistema educacional que esteja à altura das necessidades do Brasil. E temos que ter uma política de esportes que, antes de mais nada, pense em saúde pública, não em fazer campeões. 

Raramente um jornalista esportivo citaria Gramsci. Na sua opinião, Gramsci continua atual?

Não tenho a menor dúvida. Eu acho que dos autores marxistas ele é dos mais atuais.

Por quê?

Porque ele foi um cara capaz de compreender as mudanças que aconteceram em função da prevalência do sistema capitalista, foi capaz de entender o papel das religiões, embora eu seja absolutamente descrente, e entendeu a sociedade moderna capaz de dar um passo adiante na teoria marxista, no sentido de um entendimento do que seja uma sociedade moderna. Não é à toa que o PCI foi certamente o partido comunista mais avançado de todos os partidos comunistas do mundo.

Você concorda com quem torce contra o Brasil ou a seleção brasileira?

Não. Não porque eu não acredito no quanto pior, melhor. Eu acho que quanto pior, pior. Uma coisa é a disputa esportiva. Outra é a questão política. Eu não acho que o fato de o Brasil ir mal em qualquer competição necessariamente mudará o sistema político. Não é por aí.

Mas é difícil torcer para a CBF, não?

Eu não torço para a CBF. Eu torço por Neymar, por Luan, por Gabriel Jesus. Eu torço por nossos jogadores. Eu esqueço a CBF.