quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Jobim, o homem que falava demais

Ministro das Relações Exteriores do governo Lula, Celso Amorim será o substituto do agora ex-ministro da Defesa Nelson Jobim, que caiu depois de novas declarações dignas da oposição (Atualizado às 20:31)

Para os muitos que se espantaram com a manutenção de Nelson Jobim no governo Dilma, e mais ainda após a insistência dele em falar de sua intimidade com o ninho tucano, finalmente o ministro da Defesa caiu (até o momento deste post, ainda não oficialmente).

Foto: Antonio Cruz/ ABr
Depois de dizer, no fim de julho, ser “amigo íntimo do Serra” e que votou em no tucano* em 2010, Jobim disse à revista Piauí que "A Ideli é muito fraquinha", referindo-se à ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti (a informação foi adiantada pela coluna da Mônica Bergamo, da Folha desta quinta-feira).

Nelson Jobim era um ministro da cota do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mesmo com um padrinho desse porte, era ininteligível sua continuidade no governo após a declaração de voto em Serra, e, para quem não se lembra, depois de outras demonstrações de sua “competência” e suas “virtudes”. Por exemplo, em novembro do ano passado, o WikiLeaks revelou que Jobim prestou serviços de informação ao embaixador dos Estados Unidos no Brasil. Na seara de suas atribuições, não conseguiu fechar as negociações para a compra do caça francês Rafale.

O agora ex-ministro disse que as informações divulgadas na imprensa são "parte de um jogo de intrigas" e uma tentativa de desestabilizá-lo. Curioso raciocínio de quem é bastante conhecido nos bastidores de Brasília justamente por ser um exímio plantador de intrigas.

É muito estranho tudo isso. E fica um grande ponto de interrogação. Por que ele ainda era mantido? Essa é a típica situação que provoca muitas especulações mentais e faz pensar no título de um filme de Alfred Hitchcock, O Homem que Sabia Demais, embora seja para consumo público o homem que falava demais.

Sabendo demais ou não, caiu.

*Atualizado às 18:03 (o texto dizia erroneamente que Jobim votou em FHC em 2010, o que é obviamente impossível).

7 comentários:

Mayra disse...

Acabei de ver no Terra que já acertaram o Cardozo.

Edu Maretti disse...

Acebei de atualizar o post - hehe -, para dizer que Celso Amorim é o novo ministro da Defesa.

Paulo M disse...

O Jobim chutou o balde. Conseguiu o que queria, sair do governo Dilma. Adiós. Já vai tarde.

Mayra disse...

Edu, deixei recado no seu cel.!

Felipe Cabañas da Silva disse...

Parece aquele funcionário que quer ser demitido e começa a se auto-sabotar pra não ficar sem FGTS...

Nelson Jobim, o "político camaleão", é a cara do PMDB. Rapidinho arruma outra boquinha em algum governo desse nosso mundão...

Mas, companheiros de blogosfera, sou só eu que acho que quando o honorável ministro disse que "os idiotas perderam a modéstia" era na realidade uma autocrítica inconsciente? Não sei não, mas como sabemos e provou um certo Dr. Sigmund Freud, o inconsciente passeia por aí, fazendo dos homens o que bem entende...rsrsrs...

Sobre o novo ministro, ele já começou o mandato com um ponto positivo a seu favor: foi DURAMENTE criticado por... Demóstenes Torres... Demóstenes Torres chiou, criticou, esperneou??? Então Celso Amorim deve ser o homem certo... rs.

Olavo Soares disse...

"Parece aquele funcionário que quer ser demitido e começa a se auto-sabotar pra não ficar sem FGTS"

Perfeito!

Edu Maretti disse...

Mais do que o monumento Demóstenes Torres, quem não gostou da nomeação foram os próprios militares hahaha, o que confirma a tese de que Amorim é mesmo o homem certo.

É plausível mesmo que exista uma "autocrítica inconsciente" na fala do magnânimo ex-ministro...