domingo, 22 de abril de 2012

São Paulo e Santos duelam nas semifinais; com goleiros frangueiros, Corinthians e Palmeiras caem


PAULISTÃO 2012 - MATA-MATAS

 Reprodução
Roger, o 9 da Ponte, comemora
Ao invés de derby em São Paulo, derby em Campinas. A Ponte Preta surpreendeu e, jogando melhor, bateu o Corinthians no Pacaembu por 3 a 2. Pelo mesmo placar, o Guarani despachou o Palmeiras em Campinas. Com a classificação do bugre para as semifinais do Paulista, mais uma vez não haverá uma final Santos x Palmeiras – e a aposta que fiz com um palmeirense fica para outra oportunidade.

Sem surpresas, o São Paulo bateu fácil o Bragantino no Morumbi (4 a 1) enquanto o Santos não teve dificuldades para fazer 2 a 0 no Mogi Mirim na Vila.

Assim, as semifinais do estadual, no próximo fim de semana, terão:

São Paulo x Santos no Morumbi
Guarani x Ponte Preta - teoricamente no Brinco de Ouro, local a se confirmar devido à violência que tem cercado o clássico campineiro.

Observações:

Foto: Divulgação/ Santos FC
Santistas comemoram primeiro gol, de Maranhão
San-São - O título, que estará virtualmente nas mãos do vencedor do clássico, seja contra Bugre ou Macaca, tem sabor especial para Santos ou São Paulo: para o Alvinegro porque será o primeiro tricampeonato na história do estadual desde 1969, quando o próprio Santos o conquistou; para o time do Morumbi, porque desde 2008 o clube não ganha nem campeonato de pebolim e seu último “Paulistinha” (como preferem dizer os são-paulinos) foi conquistado em 2005.

Embora seja na casa do adversário, o Peixe historicamente joga à vontade no Morumbi, onde cansou de ser campeão e de bater o Tricolor. Não há favorito.
Reprodução
Júlio César ficou com as penas na mão no 1° gol

Troféu Frango - Numa roda de amigos meses atrás eu disse que os goleiros de Palmeiras e Corinthians dariam muitas alegrias às torcidas rivais este ano. E, de fato, já no Paulistão (ou Paulistinha, como queiram) o corintiano Júlio César deu dois gols de presente para a Macaca (sendo o primeiro gol do jogo um frango e o terceiro uma saída errada), enquanto o palmeirense Deola conseguiu a proeza de falhar nos três tentos do Guarani (o primeiro, gol olímpico de Fumagalli). Péssimos goleiros (e não é de hoje), autênticos frangueiros que não honram as tradições das respectivas camisas 1. As torcidas devem ter vergonha de arqueiros desse nível defendendo suas metas.

Reprodução
Felipão – O treinador estava bastante abatido na entrevista coletiva (foto ao lado) depois de mais uma desclassificação. Até quanto Felipão agüenta no cargo?

Corinthians - O presidente do clube, Mario Gobbi, disse após a eliminação: “É hora de esfriar a cabeça e focar exclusivamente na Libertadores, que será para nós muito apetitoso”. Qual será o sabor? Caldo de frango? Com esse goleiro que tem, talvez seja bom a Fiel ir se acostumando. À comissão técnica alvinegra, resta tentar recuperar o moral do goleiro, que saiu de campo chorando após suas lambanças terem custado a vaga nas semifinais.

Para assistir aos gols dos quatro jogos das quartas-de-finais, clique nos respectivos links:

São Paulo 4 x 1 Bragantino

Santos 2 x 0 Mogi Mirim

Corinthians 2 x 3 Ponte Preta

Guarani 3 x 2 Palmeiras

9 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Não concordo. Julio César é um goleiro instável. Se apequena em decisões. Mas é um bom goleiro. Se até goleiros como Marcos e Rogério Ceni, ídolos absolutos de suas torcidas, já falharam feio em decisões, por que um goleiro que está começando tem que sair com a pecha de frangueiro? Sobre Deola não opino, pois raramente assisto jogos do Palmeiras.

Acho que não podemos crucificar o goleiro. O Corinthians com um time C foi a Campinas e derrotou esse mesmo time da Ponte de hoje. O time todo esteve muito mal. Até o primeiro gol, era ligeiramente melhor, tentava tomar conta do jogo como tem feito ultimamente. Depois do gol, o time se abalou. Não reagiu bem psicológicamente após sair atrás no placar e, nervoso, passou a errar muitos passes. Depois do segundo gol, o time se perdeu completamente e passou a jogar na base do desespero. As mudanças do intervalo não surtiram efeito. Douglas foi uma nulidade, perdeu bolas bobas, errou passes, e Alex só se salvou porque achou um gol no final.

Ou o Corinthians aprende com essa amarga derrota ou vai passar mais um vexame na Libertadores. Dois erros individuais do Julio César determinaram o placar, mas o conjunto do Corinthians não funcionou como vinha funcionando. Sem ilusões, creio que esse conjunto já deu provas de sobra de que é consistente, competitivo, e que tem liga para ganhar campeonatos, como provou levando o campeonato brasileiro (e o time, apesar de alguns desfalques nesse momento, é rigorosamente o mesmo). Acho que levantar a cabeça nesse momento não passa por fritar o goleiro e ignorar os outros problemas - e o Tite já mostrou que tem cabeça para superar esses momentos delicados.

Toda derrota tem um lado positivo (o ruim é quando só tem derrota, como no caso do Palmeiras dos últimos anos he he). No caso, acho ótimo o time voltar a ser desacreditado pela mídia. Nossa história mostra que o Corinthians quase nunca consegue alguma coisa quando tem muito oba oba em cima do time. E com a goleada sobre o Táchira, a coroação de uma excelente campanha na primeira fase da Libertadores, o segundo lugar na classificação geral, eu já estava percebendo novamente ares de oba oba pela mídia, como vi nas Libertadores de 1999, 2000 e 2006. Isso é zica para o Corinthians. Creio que só podemos ter alguma esperança de ganhar essa Libertadores se o time voltar a ficar desacreditado. Tira os holofotes. Tira a pressão. Tira a obrigação de ganhar. É isso que desestabiliza os times. É uma merda.

Leandro disse...

O JC foi revelado no sacrossanto Terrão, mas nunca chegará nem perto do Ronaldo Giovanelli, embora concorde que ainda (ainda) é um pouco (só um pouquinho) cedo para fritá-lo.
E se não chega perto do Ronaldo Giovanelli, já ultrapassou o Doni, que foi o goleiro que mais xinguei nos últimos trinta anos por conta de atuações bizarras. A atuação do goleiro na tarde de hoje está entre as três mais bisonhas da minha vida de torcedor corinthiano.
E o Tite é tão sortudo que mesmo tendo defecado e sentado em cima (perdão pelas expressões chulas), especialmente com a entrada tardia entrada de William, do apagado Douglas e do outra vez inútil Alex, ninguém vai ressaltar isso porque os frangos de JC terão todas as primazias nas análises da mídia especializada.

Gabriel Megracko disse...

Senhores, com algum perdão, mas só por cavalheirismo, sinto dizer que para as semis do paulistinha, sobraram os melhores.
Do Palmeiras, nenhuma surpresa. Agora, dos comentários, percebo um desespero corintiano, quase uma busca da luz no fim do túnel (que, justiça seja feita, é a grande paixão corintiana), do corintiano Cabañas e uma revolta bem justificada do corintiano Leandro. Senhores, futebol é assim mesmo; jogo é jogo. Por isso mesmo vejo uma possibilidade de o Corinthians levar a Liberta esse ano. Mas, fazendo uma análise fria, pode-se dizer que o Timão é um time de fato estável, mas, que é difícil crer num potencial para os jogos complicados dos mata-matas da vida, é.
Para justificar a minha resolução por "tirar uma casquinha", lembro a todos do meu passado macambúzio como santista, quando corintianos, palmeirenses e sãopaulinos menosprezavam o Leão do Mar como se Este fosse um reduzido cardume. Grande, grande erro.
Beijos e Paz!

Leandro disse...

De fato, jogo é jogo, e clássico é clássico.
Conforme já escrevi aqui, Timão e Ponte é um clássico e desta vez os campineiros levaram a melhor. Seria melhor ter pego o Braga, mas parabéns para eles.
E menos mau que levaram a melhor agora, e não no super clássico de 77, este sim um super clássico (Real e Barça? Dispenso…) e maior conquista da história corinthiana, aconteça o que acontecer nos próximos cinquenta anos.
Mas não sei se sobraram os melhores para as semifinais. Os números dizem que não, afinal, o time de melhor campanha acabou de sair.
Mas futebol não é filme hollywoodiano. Não tem que vencer o melhor, o mais bonito ou o bonzinho, necessariamente. Tem que vencer quem tiver que vencer, "haja o que hajar", como diria um ex-presidente nosso.

Paulo M disse...

Legal o derby "trocado" nas semi. O Corinthians tomou de seu próprio veneno: marcação implacável e contra-ataques eficientes da Ponte Preta, que surpreendeu o Timão com passes rápidos e um bom futebol. Já o Palmeiras não ia ser campeão mesmo, e perdeu num jogo chato, pelo menos no primeiro tempo, duro de ver. O Palmeiras tem que começar do zero. De novo não jogou nada, contra um Guarani pouco melhor que isso. Aliás, naquele terceiro do time de Campinas o bandeirinha, a dois metros e de frente pro lance, conseguiu não ver (?) o puxão que o Marcos Assunção levou do rapaz do Bugre, que o tirou da jogada! Foi pra rir aquilo... Que o Palmeiras tá uma merda é uma coisa; que arbitragens estejam (sempre contra) é outra coisa. Faz favor!
Quanto ao prosseguimento da competição, acho também que a final é domingo que vem mesmo. A menos que a caixinha de surpresas do futebol guarde alguma lembrancinha lá dentro. Mas em dois jogos... Impossível...

Só pra engrossar o coro: FORA FELIPÃO!!

Edu Maretti disse...

Ô, Paulão! O goleiro do teu time entrega o jogo pra disputar o Troféu Frango com Júlio César e você reclama do juiz!!!! Que que isso! Se tivesse sido uma falta clamorosa, vá lá. Mas o Sportv esclareceu muito bem o lance. Se vc prestar atenção, verá que foi o Assunção que primeiro usou o braço direito contra o adversário, que se defendeu. Depois o palmeirense bisonhamente parou pra reclamar em vez de ir pra jogada e o resultado foi o que se viu.

Em vez de arbitragem, o que está pegando nos bastidores da Academia (o coro do qual você fala no fim de seu comentário) é que Scolari "perdeu a base política após a eliminação no Paulista diante do Guarani", diz matéria do Uol. Fala Seraphim Del Grande: "ele e toda a sua comissão técnica, incluindo o Galeano, já deveriam ter saído daqui desde o meio do ano passado (...) para mim, chega".

No link:

http://esporte.uol.com.br/futebol/campeonatos/paulista/ultimas-noticias/2012/04/23/para-tirar-felipao-do-palmeiras-conselheiros-torcem-por-queda-de-mano-menezes-da-selecao.htm

Paulo M disse...

Como disse no outro comentário, acho que erros de arbitragem não podem desculpar maus desempenhos em campo, como não desculpam a desclassificação do Palmeiras, nem sua performance em campo, nem a derrota pro Guarani, nem nada disso. Mas essa incompetência do time também não pode "desculpar" os erros de arbitragem. Absurdo não fazer 5, 6 a 1 no Comercial, em pleno Pacaembu, com dois jogadores a mais? Sim. Mais do que isso: foi ridículo. Mas o terceiro gol saiu e foi anulado (havia dois atacantes 1 m atrás da zaga) e o mando de campo foi invertido. O argumento do "chororô" muitas vezes é procedente, mas não pode virar lugar-comum até servir de amuleto pra acharmos que um erro capital de arbitragem não tem a importância que ele tem. Acho mais do que legítimo reclamar. No Brinco de Ouro, vi o Assunção proteger a bola, não empurrar. Quanto ao Felipão, gosto de sua figura (ótimo esse trecho de entrevista no link abaixo, após o jogo), mas, até por desgaste, ele não rende mais no clube (mas quem rende? rs). Esse negócio de base política acho que nem existe mais no Palmeiras. Eles não reclamam de juiz porque, como disse o Felipão, não estão nem aí com o clube. Bem, nesse caso, o que se há de fazer?

http://terratv.terra.com.br/Esportes/Futebol/Estaduais/Paulista/4993-411426/Felipao-da-nota-zero-e-revela-fofocaiada-no-Palmeiras.htm

Felipe Cabañas da Silva disse...

Olha, não querendo meter a colher na crise alheia, mas já metendo, é nítido que a atitude da diretoria do Palmeiras é procurar bodes expiatórios para não assumir os seus próprios pecados. Desde 2000, o Palmeiras só ganhou um paulista e o Brasileiro da série B. É muito pouco para a grandeza do nosso maior rival. Será fácil fritar a comissão técnica - uma ótima comissão técnica, diga-se - pelos sucessivos fracassos, mas colocar em campo jogadores como Cicinho, Fernandão, Tinga, Luan, Deola, etc etc, que estão muito abaixo das necessidades de um clube grande, e esperar que uma comissão técnica faça milagre é ridículo. Quem tem de bom no time do Palmeiras? Três ou quatro jogadores, no máximo? As categorias de base, por sua vez, estão às traças, e não se pode esperar muita coisa delas. O clube se apequena na hora de contratar patrocínio, jogadores, e agora até para discutir direitos de arrecadação e contratos de transmissão. O jogo do Palmeiras nas quartas foi parar no último horário do domingo. Alguém reclamou? Alguém pode dizer que a Sociedade Esportiva Palmeiras tem um comando forte, que briga pelo clube? Quem é Arnaldo Tirone? Até agora, ninguém sabe, ninguém viu...

Vão dinamitar a comissão técnica, contratar um técnico mediano, porque não tem ninguém de peso no mercado disponível e pronto a comandar um time fraco e segurar essa bucha, por um tempinho os palmeirenses até verão o time jogar um pouco melhor, brigar por primeiras posições, e no final das contas vai tudo acabar exatamente desse jeito, um fiasco. É o velho jeitinho que nós brasileiros damos no futebol. Frita-se a comissão técnica, finge-se por um tempo que o problema estava nela, quem tem o poder mantém o seu poder, e um tempinho depois tudo volta a ficar exatamente do jeito que estava.

O Palmeiras precisa de uma revolução política. Se modernizar. Profissionalizar as estruturas de poder do clube. Entrar no século XXI - infelizmente ou felizmente, os clubes grandes estão precisando passar por grandes transformações para manter a sua grandeza. O Palmeiras não se transformou. Parou no final do século XX, quando ganhou seu último título expressivo...

Gabriel Megracko disse...

O São Paulo tem uma política que dá títulos pra engrandecer seu futebol pragmático. O Corinthians tem uma política que dá lucro para incrementar seu futebol raçudo. O Santos tem um futebol que dá lucro e conduz a sua política. O Palmeiras ultimamente só tem política. Isso explica até a dificuldade do Santos em jogar com ele. Rs...