quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Para onde vai o Palmeiras? – o caso João Vítor

Cinco meses atrás escrevi um post intitulado “Para onde vai o Palmeiras?”. Embora tratasse do impasse que rondava o clube na questão do contrato com a WTorre para a construção da arena, havia outra realidade: “Eliminado do Paulistão pelo rival Corinthians e virtualmente fora da Copa do Brasil após a incrível derrota de 6 a 0 que levou do Coritiba, não passa um dia sem polêmica. Sinceridade de Marcos, protestos da torcida, brigas internas no elenco e entre conselheiros, questionamentos ao antes unânime Luiz Felipe Scolari... Para onde vai o Palmeiras?”


O autoritário e o rebelde

Quase um semestre depois, a interminável crise do clube chegou a seu ápice com a covarde agressão ao volante João Vítor por marginais travestidos de torcedores. A pífia resposta do presidente Arnaldo Tirone e do clube se resumiu a uma nota oficial neutra – que só contribui para aumentar a revolta do elenco – em que afirma: “A direção do Palmeiras vai aguardar as investigações policiais para se pronunciar novamente sobre o caso”.

Como vários comentaristas já disseram, uma hora dessas vai acontecer um homicídio e aí talvez alguém tome uma providência. Vágner Love foi agredido por marginais em uma agência bancária e saiu do Palestra. Hostilizado, Diego Souza deixou o clube e hoje brilha no Vasco. Quem vai querer jogar no Palmeiras?

Veja a agressão a João Vítor:



Contratado em junho de 2010, Felipão não conseguiu nada no Palmeiras a não ser rachar o elenco, provocar revoltas com sua posição autoritária de eterno acusador e, diz-se, hoje, a maioria do elenco o detesta.

Após o episódio João Vítor, Kléber e o treinador teriam batido boca em tom elevado. Segundo o iG, o atleta “levantou a voz contra o técnico, que chamou os jogadores de covardes por não enfrentarem a torcida. ‘Vocês estão em 25 aqui e eles estão em 15 lá’”, teria dito o treinador. "Eles tentaram te agredir? Eles tentaram queimar sua casa? Esses caras andam armados", teria devolvido o atacante. "Não é possível que tudo aqui sobre para os jogadores. Sempre a culpa é nossa”, disse Kléber. Que está, nesse caso, coberto de razão. Scolari teria dito à direção que ou sai Kléber ou ele. O atacante foi cortado da delegação que viajou ao Rio para enfrentar o Flamengo.

Ainda de acordo com o iG, “a frase ‘rezem para não cair’ é ouvida nos corredores do clube”. Acho improvável que, com 40 pontos, o Palmeiras seja rebaixado, pois o time tem 13 a mais que o primeiro clube na zona da degola. Mas a pergunta que fica continua sendo a mesma: para onde vai o Palmeiras?

8 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Pode-se dizer o que for da personalidade do Scolari - eu mesmo não tenho por ele nenhuma simpatia e já disse isso aqui. Mas é fato que o Palmeiras só não está "rezando pra não cair" porque o Felipão está no banco. Jornalistas tendenciosos diziam que esse tipo de mafuá em que se transformou o Palmeiras era coisa de Corinthians. Pois bem, diga-se o que for do falastrão Andrés Sanches, mas o Corinthians entrou definitivamente nesse tal de século XXI e está modernizando e aperfeiçoando a profissionalização de sua administração. Os anos pós-segundona têm sido promissores, e com os altos e baixos normais, o time está sempre na ponta dos torneios nacionais.

Esse bando de marginais das gangues organizadas, digo, torcidas organizadas, continuam querendo tumultuar e mandar em todos os clubes. No Corinthians, no entanto, é nítido que têm cada vez menos voz. Pediram a cabeça do Tite e de mais da metade desse elenco, que hoje está aí brigando por mais um título nacional. E quem vive "dias de Corinthians", agora, é o Parmera, com um banzé que começa lá de cima.

Não sei se vai, mas o caminho que o Palmeiras está trilhando é rumo ao brejo. Espero, sinceramente, que o pior brejo de todos para os clubes grandes (a segundona) não aconteça novamente com o Palmeiras. O futebol paulista não merece isso.

Felipe Cabañas da Silva disse...

* O que falei sobre as torcidas organizadas foi uma generalização grosseira. Na realidade o bando de marginais não representa a totalidade das organizadas. Tem muita gente de bem e que quer apenas um canal para exercer a paixão pelo seu time nas organizadas. Não podemos passar a uma demonização completa.

Paulo M disse...

O Palmeiras somou pontos no começo do campeonato, e só por isso está 13 na frente do décimo sétimo. Creio eu que graças mais ao Marcos Assunção do que ao Felipão. Não tivéssemos o volante no time (vejam bem: volante!), certamente a situação seria bem pior. Cair, pelo menos este ano, não cai (acho, rsrs). Este último episódio, o do João Vítor, traz às claras a incompetência da diretoria indicada pela chapa do nefasto Mustafá Contursi. Perderam a oportunidade de fazer uma limpa e mostrar serviço: demitir o técnico e afastar o Kleber definitivamente do time. Não acho, Edu, que o jogador tenha razão. Tentar convencer o grupo a não cumprir compromisso da tabela do campeonato é no mínimo absurdo. O Kleber é inteligente e oportunista, usa bem argumentos certos em favor de causas certas, mas pra se promover. Quer parecer um Robin Hood. Ele está frustrado porque sua investida (ir para o Flamengo) meses atrás não deu certo. Quanto ao João Vítor, que o clube exija da polícia que identifique os agressores e simplesmente os processe por lesão corporal. O Palmeiras deve muitas satisfações aos seus torcedores e mínimas condições de trabalho aos profissionais que ele contrata. Se isso não for primordial, não pode jogar num campeonato brasileiro pra concorrer ao que quer que seja.

Edu Maretti disse...

Felipão, sobre Kléber, em entrevista após Flamengo 1 x 1 Palmeiras: "ele não quer jogar, eu não quero que jogue e pronto, acabou".

O treinador desmente boatos de que sairia do Palmeiras, diz que acertou sua permanência com o presidente do clube e pronto, acabou...

alexandre disse...

O kléber já vai tarde. Vem acumulando atritos no elenco há tempo. Não ganhou nenhum título no palmeiras e não lembro de nemhum título no momento de maior expressão em qualquer clube que seja, pelo menos não me lembro agora. Deixou o Cruzeiro em situação parecida qdo foi para o Palmeiras. perdeu gols incr´veis, decisivos qdo o cruzeiro caiu na libertadores, muito por sua culpa. Ora, Kleber, vá para o cinema, galãzinho de merda. Armou todo esse teatro por interesses pessoais contrariados. Não livro o Felipão também, muito menos essa diretoria arcaica, mas aí vou ficar argumentando aqui e temho coisas a fazer, mas acho que o Felipão também deve cair fora junto com outras velharias naquele antro. Mas no fim desse capítilo, o time deve ganhar algum fôlego....não tem mais o que perder e o elenco deve estar mais leve.

Fernando disse...

Prezado Edu Maretti,

Aqui quem comenta sua postagem é um palmeirense que viu a academia jogar, portanto, você que viu o Santos de Pelé jogar, deve saber como é difícil falar dos atuais pernas de pau que se dizem jogadores de futebol.
Primeiro, estou com vergonha de ser palmeirense, não apenas pela velha questão do time, do treinador, mas pelo contexto mais amplo do tema Palmeiras: uma diretoria de péssima qualidade, um clube que não se respeita, um clube que não incentiva a base, uma torcida que só vai ao campo para fumar maconha e brigar entre si mesma.
A primeira lição é simples: o Palmeiras é inimigo do Palmeiras, como o fogo amigo petista, por exemplo.
O maior inimigo do Palmeiras é ele mesmo. Não é o Santos, o São Paulo, o Corinthians, mas seus diretores, seus sócios, a relação com as torcidas ditas organizadas. Enquanto o Palmeiras não se achar no foro interno, as externalidades serão essas: jogador perna de pau, treinador que se acha mais importante que jogador, time de uma jogada só: bola parada, e mais um ano se vai, mais um campeonato se foi, mais uma grana jogada fora em camisas, tv à cabo, ingressos para os jogos......
Eu liberei meus filhos: se eles quiserem torcer para outro clube que o façam. Quando a TV anuncia jogo do Palmeiras eu compro ou alugo DVD e vou ver filme. Já não perco mais tempo com essa palhaçada chamada Palmeiras. Se o time, jogadores, dirigentes, diretoria, não me respeitam como torcedor, porque eu vou respeitar esses pivetes que estão no Palmeiras?
Sobre o Felipão: ele não tem culpa de nada. É o menor dos problemas. Por mim ele assinava contrato por 10 anos no Palmeiras. O problema do Palmeiras é bem outro.
Sobre os jogadores: tem um ditado que diz o seguinte: quando jogador quer jogar, joga. Quando não quer, sai de baixo.
Você acha que os caras treinam a semana toda para chutar a bola na arquibancada? Até eu que sou ruim de bola consigo - com treinamento - cruzar uma bola, bater um escanteio. Os caras em campo são beócios? O Palmeiras é uma vergonha, merece o timeco que tem a torcida de babacas que fica enchendo a cara nas redondezas do Parque Antartica para arrumar confusão. Recrimino totalmente a violência e a atitude dessas BABACAS que se dizem torcedores do verdão. São tudo menos torcedores.
Só estamos bem para tiração de sarro. E pelo jeito vamos nos transformar num palácio para shows de rock, só isso, porque show de bola, bem isso, é com o Santos, com o São Paulo... Para onde vai o Palmeiras? São só nove rodadas para o fim do Brasileirão. Cair não cai, mas já caiu há muito tempo no respeito, na admiração e no amor de muitos velhos palmeirenses como eu.
Abraços.

Edu Maretti disse...

Ótimo o seu comentário, Fernando. Entendo bem seu desencanto, pois tenho palmeirenses na família (eu escapei – hehe).

Só faço uma pequena ressalva: é que, na verdade, não sei se posso dizer que vi o Santos de Pelé jogar, já que, quando comecei a ir a estádios (anos 70), era molequinho e lembro de muito pouca coisa, mais videotapes, lances antológicos etc... Pelé parou em 1974.

Abraços, apareça sempre por aqui.

alexandre disse...

A verdade é que o Palmeiras é uma nau desgovernada, não há comando, isso pode ser uma catástrofe para um clube como a Sociedade Esportiva Palmeiras, se já não o está sendo. É de se chorar mesmo, mas para os que realmente são palmeirenses de verdade, aí vai uma dica; rezai para Santa Achiropita.