domingo, 30 de outubro de 2011

Corinthians lidera, Neymar dá show
e o Brasileirão virou um tédio

Finda a 32ª rodada do Campeonato Brasileiro (que não é o tema principal deste post), em que o Corinthians novamente virou líder ao bater o Avaí por 2 a 1 a duras penas em São Paulo, enquanto o Vasco mais uma vez se recusou a manter a ponta ao ficar num 0 a 0 enfadonho com o São Paulo em São Januário, tudo continua com dantes no quartel de Abrantes. Tenho a impressão que o principal trunfo do Corinthians é a absoluta incompetência dos concorrentes.

Mas eu diria que o destaque não é nem o Corinthians ter voltado ao topo (com os mesmos 58 pontos do Vasco, mas uma vitória a mais), e sim o show de gala que Neymar deu no Pacaembu sábado, fazendo os quatro gols da goleada do Santos sobre o Atlético-PR por 4 a 1, “fora o frete”, como diz um amigo meu, já que o moleque marcou outros dois tentos anulados.

Quanto ao título, vamos nos restringir a Corinthians e Vasco como os favoritos. Na sequência, o time paulista joga em Minas contra o virtualmente rebaixado América-MG e depois recebe o mesmo Atlético Paranaense trucidado por Neymar, no Pacaembu. O Vasco encara o Santos na Vila e depois faz o clássico com o Botafogo no Engenhão. Portanto, em tese, nas próximas duas rodadas o Timão tem boas chances de abrir vantagem.

Antes de mudar de assunto, vejamos os gols de Neymar e de Corinthians 2 x 1 Avaí.

Neymar: barba, cabelo e bigode:





Corinthians, líder no sufoco:





Pontos corridos ou mata-matas?

Mudando de assunto, em comentário a um post anterior, o amigo corintiano Luciano sugeriu um “tópico”: “vamos ver qual a opinião da galera a respeito da volta do octogonal?”. Ou seja, os mata-matas, o sistema de disputa do título brasileiro até 2002, quando o Santos ganhou a final do Corinthians por 3 a 2 no Morumbi.

Houve um momento, antes e logo depois de instaurado o novo modelo de pontos corridos (2003), que defender os mata-matas era uma espécie de pecado. Se você defendesse a ideia, era considerado um ignorante, quase um imbecil, contrário a tudo o que é moderno e justo, o sistema europeu (o que é bom para a Europa é bom para o Brasil). Mas, ao fim da nona edição do Campeonato Brasileiro por pontos corridos, já não há tanta unanimidade assim.


Santos de Robinho: o último campeão nos mata-matas

Em favor do modelo atual, há o argumento principal de que é mais justo. Já a fórmula de jogos eliminatórios conta com outro argumento: o de que futebol é espetáculo e emoção, e portanto que se dane o sistema politicamente correto dos pontos corridos. Confesso que tenho pensado que o segundo argumento é mais convincente, e digo isso de consciência tranqüila, já que meu Santos foi campeão tanto em mata-matas (2002) como em pontos corridos (2004), assim como Fluminense, Flamengo, São Paulo e Corinthians (sem contar os títulos anteriores a 1971).

O ideal seria não um octogonal, mas um quadrangular. Classificariam os quatro primeiros. O primeiro e o quarto fariam uma semifinal em dois jogos; o segundo e o terceiro, outra. Os vencedores (os de melhor campanha jogando pelo empate) fariam as finais. O problema é que faltariam datas (semifinais e finais seriam mais quatro rodadas). Alternativas: o Brasileiro poderia ter 18 times, o que daria ao final 34 rodadas (17 por turno); mas o Brasil é muito grande e 20 equipes me parece certo; então, enxugar os estaduais seria uma solução (é um absurdo um Paulistão com 20 clubes); infelizmente as datas da seleção brasileira, digo, balcão de negócios, parecem ser inegociáveis.

O Campeonato de 2011, “o mais emocionante da era dos pontos corridos”, corre o risco de terminar melancolicamente. Isso porque não vejo nenhum dos times que podem conquistar o título com cara de campeão brasileiro. O equilíbrio se dá pela mediocridade. Num campeonato de nível alto, nem o Corinthians de Tite, nem o Vasco do interino, nem o imprevisível Flamengo ou os oscilantes Botafogo e Fluminense seriam campeões. A interferência de um calendário horrível, da seleção (balcão de negócios), da janela européia, fazem com que o tal modelo tão incensado dos pontos corridos seja discutível e muito menos justo do que na teoria.

Claro que haverá quem diga que para corintianos, vascaínos, fluminenses, botafoguenses e flamenguistas está tudo muito emocionante em 2011. Mas para mim o Campeonato Brasileiro, e não é só o deste 2011, virou um tédio.

7 comentários:

Anônimo disse...

Cara é tão irritante esse discurso de que o Corinthians só é líder pela incompetência dos outros. pior ainda é falar que o campeonato tá morno. Isso é um reflexo claro da ótica de torcedor, que por mais que se tente disfarçar, sempre acaba aparecendo nas análises futebolísticas. Tá morno pra vc, santista, pro seu time, que não luta por nada, que fica nessa onda histérica neymarística (aliás tá muito over, o cara até parece um rockstar, ou sei lá, a Xuxa, dão um destaque desemedido para a imagem dele, comparam-no ao Messi. Pergunto: será que estes caras tem visto o que anda fazendo o Messi? O que já fez? Tudo bem falar em futuro, mas não há comparação possível no presente. Messi se enquadra na categoria gênio da bola. Neymar é craque e ainda em fase de crescimento).
Para todo pelotão da frente o campeonato tá fervendo. São pelo menos 6 times com chances de vencer. Lembre-se que no ano passado, o próprio Corinthians deixou a liderança escapar para o Fluminense na 36 rodada. Isso depois de todo mundo falar durante boa parte do campeonato que o Corinthians só era líder pela incopetência do Flu. Em termos de pontos, a exceção do campeonato ganho pelo Cruzeiro com o Wanderley, em que o time celeste chegou ou ultrapassou os 80, em todos os outros brasileirões a média de pontuação dos campeões na 32 rodada se aproximava do número de pontos que possuem Corinthians e Vasco. Ou seja, não temos um cenário diferente dos outros anos. Vai ser treta até a última rodada. Pra quem esteve ontem no Pacaembu lotado, debaixo de chuva, que viu seu time sair perdendo, ter um jogador expulso e na base do grito incessante da fiel conseguir a virada e a retomada do topo da tabela, o adjetivo "morno" não se aplica. Aliás que fique registrado tb que o Corinthians liderou praticamente dois terços deste campeonato e vem fazendo um belo trabalho de equipe, apesar do método de treinabilidade titeano. Vai Corinthians!!! É o Time do Povo.
Abs
Tiago Ferreira

Felipe Cabañas da Silva disse...

Esse foi um post de jornalista ou um post de torcedor? rs

O Corinthians ganhou "a duras penas" do Avaí, porque o time do Avaí é marrento, aplicado, raçudo e não engrossou só pra cima do Corinthians, mas também pra cima do Botafogo e do Flamengo, e deu MUITO trabalho para outros grandes.

Eu me lembro que quando o Flamengo foi campeão em 2009 concordamos que aquele campeonato não tinha sido medíocre só por causa da baixa pontuação do Flamengo, mas tinha apenas sido mais DISPUTADO. Nós tivemos 8 edições de pontos corridos, e em somente três delas o campeão se descolou dos demais: Cruzeiro-2003, São Paulo 2006 2 2007. Na minha opinião em nenhuma das três vezes os times campeões eram um "dream team", e no caso do Cruzeiro ainda tem o fato de que naquela época o campeonato era disputado por 24 clubes, portanto havia oito jogos a mais, ou seja, 24 pontos a mais em disputa.

O que acontece é que cada vez mais os clubes APRENDEM a disputar o campeonato no formato pontos corridos. Além do mais, cada setor da tabela interessa para um determinado objetivo: tem o grupo dos que brigam para ser campeões; tem o grupo dos que brigam pela libertadores; o grupo dos que brigam pela sul-americana (porque pra muitos times este é, sim, um objetivo digno); e tem o grupo dos desesperados. Todos têm algo a ganhar e algo a perder. As partidas são muito disputadas e não tem praticamente jogo fácil. A tendência é a distância do primeiro para o último diminuir cada vez mais, bem como a distância do primeiro para o segundo, a menos que surjam "dream teams" por aí, o que, convenhamos, está muito longe de qualquer time brasileiro hoje, mesmo o Santos.

Isso não significa afirmar que esses times que estão disputando o título sejam timaços. Mas o campeonato está bom sim. Esse time do Vasco é bom, bem montado, raçudo, e tem sido um oponente de peso, assim como o Botafogo. O time do Corinthians é um time muito sólido, organizado, aplicado taticamente, frio e raçudo. Eu acho que todos os que irão pra libertadores no ano que vem têm muito a melhorar, porque tem um Boca Juniors que está vindo aí que promete. Mas o campeonato está bom e, mesmo para os que estão mais preocupados com outros torneios, vai valer a pena ver até o último minuto.

Edu Maretti disse...

Felipe, esse é um post de um jornalista santista hehe.

Tiago, tb acho tão irritante o complexo de vira-lata, como dizia Nelson Rodrigues. Brasileiro não pode ver um gringo, principalmente argentino, que tem orgasmo. O Messi joga muito mesmo no campeonato espanhol, quando enfrenta Bétis, Real Sociedad, Levante, Osasuña e outras potências do futebol mundial. Já na Copa do Mundo, o "melhor do mundo" viu a Alemanha humilhar a Argentina e não marcou um mísero golzinho sequer em todo o Mundial. O gênio passou em branco. Aliás, Messi nunca jogou nada na seleção de seu país. O time dele, o Barcelona, de fato o melhor time do mundo atualmente, ajuda muito ele a brilhar contra os timinhos do Espanhol, campeonato em que só dois times disputam o título. Jogar num time que tem Iniesta, Xabi Alonso, Pedro e David Villa, a base da seleção espanhola campeã do mundo, facilita as coisas, não?

Aliás, Tiago, o Neymar com 19 anos já ganhou dois Paulistas, uma Copa do Brasil e uma LIBERTADORES, sabe Libertadores? Tudo isso em dois anos.

Agora, queridos corintianos, no perfil do autor deste blog, logo no começo, está ali escrito o time para o qual eu torço. Evidente que meus posts, principalmente os que abordam meu time, são posts de um jornalista santista. O que não significa que um colaborador não possa escrever aqui, não apenas comentários, mas posts mesmo, como faz Felipe às vezes (embora ainda não o tenha feito sobre o Corinthians).

E quando eu falo que nenhum dos times aí tem cara de campeão, imagino que vocês se lembrem desses grandes times campeões brasileiros: Palmeiras (1993/94), Corinthians (1998-1999), Vasco (1997), Santos (2002/2004). É simples. Nenhuma das equipes que venha a ser campeã vai entrar para a história como um grande time, muito longe disso. Estou falando algum absurdo? Nâo, não estou.

abraços

Felipe Cabañas da Silva disse...

Vocês santistas estão sedentos por "fazer história". Nem todo time campeão tem que "fazer história", escola, ou se tornar o melhor time de todos os tempos.

Nenhum dos times que for campeão esse ano vai entrar para a história, a não ser como mais um campeão, o que é bastante, e para os torcedores desse time (entre Vasco, Corinthians e Botafogo, três times que passaram pela série B recentemente) será capital. Eu não gosto de pontos corridos, até porque o Corinthians se dá muito melhor dentro do Brasil no formato mata-mata. Nesse formato, o Corinthians foi tri-campeão, e chegou em 6 finais ao todo. Mas acho que essa falta de brilhantismo é muito mais aparente do que qualquer outra coisa. O jogo de ontem, do Corinthians, a "duras penas", prova isso: o Corinthians jogou contra um adversário marrento (a mídia esportiva chegou a dizer durante a semana que o caminho do Corinthians daqui pra frente seria mais difícil que o do Vasco, ridículo), teve um gol adversário mal validado e um jogador mal expulso. Com 10 em campo, o time conseguiu uma virada improvável, heróica e histórica, com "cara de campeão" e no sufoco, como se estivesse num mata-mata, sendo, para mim, este o jogo mais memorável do time no campeonato, ainda que não tenha jogado nada bem no primeiro tempo e tenha cometido muitos erros.

Agora, se é pra cornetar, se o campeonato está tão medíocre, por que o Santos tricampeão continental não está lá em cima, brigando pelo título? Será que o campeão continental, então, foi o Santos ou foi o Neymar? E por que o Santos perdeu tantos jogos com Neymar e companhia em campo?

Edu Maretti disse...

Felipe, é quase impossível um time ganhar Paulista, Libertadores e Brasileiro num mesmo ano. O calendário é uma M@#"*¨@, como todos sabem. Nenhum time, por melhor que seja, consegue manter o foco o tempo todo.

Outro dia li em algum lugar um levantamento mostrando que, no ano em que são campeões da Libertadores, os times brasileiros costumam ir muito mal no Brasileiro. É estatística, não achismo. É natural que depois de uma conquista tão difícil o time caia de produção. Até a CBF ajuda a boicotar o campeonato brasileiro com essa porcaria de seleção. No caso do Santos, era conhecido por todos que o grupo que comanda o clube tinha o projeto de ganhar a Libertadores como principal objetivo. E conseguiu, com muita competência, mas teria conseguido sem Neymar e Ganso (que fez ótimas e decisivas partidas)? Não sei. Os craques existem para isso mesmo, para ganhar títulos.

E o Santos de Neymar foi campeão da Libertadores calando a boca de muita gente (não falo de vc, claro) que vivia fazendo piadinhas sobre "as viúvas de Pelé" etc.

Por isso tudo, não houve interesse nem energia suficientes para lutar pelo Nacional desde o início e o tempo todo.

Equipe Nups disse...

Edu, como diria o Chavez "não se irrite"!!
Não é argumento falar que o compleo (não tenho chis) de vira lata se aplique ao futebol brasileiro. Neste campo somos ufanistas. Aliás, falar que preferimos principalmente argentino já é sacanagem...
Agora mano, não estou criticando a bola do Neymar, acho mesmo ele um craque como escrevi, mas acho também que há uma histeria que não condiz com o futebol apresentado por ele. É muita imagem, muito marketing, muitas luzes e crinas, ave! Falei do Messi pq insistem nesta comparação na mídia esportiva e é um eagero tremendo, é o oposto co compleo. Querem colocá-lo em lugar que ele ainda não está. Eu acompanho vários jogos do Barça e principalmente os da Champions, e por lá jogam os melhores jogadores do mundo. Não falo de Ossasuna, Levantes e etc. E sim de Real, Manchester, Inter, Liverpool.. Você falou em dois paulistas e uma libertadores. Dá uma olhada nisso:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Lionel_Messi

Ele tem 24 e já faz isso desde moleque.

Mas olha mesmo, sem melindres!

Não há comparação possível. A cada jogo o cara marca não sei quantos gols, faz não sei quantas jogadas geniais de driblar o time inteiro, dá um milhão de assistências impossíveis, é foda, é outro nipe de jogador. É gênio!
Deve mesmo na seleção e este é o Tango pessoal dele, isso pra mim o coloca na categoria gênio/argentino.

Enfim, mas só pra finalizar, "não se irrite"!!!

Abraços,

Tiago Ferreira

Edu Maretti disse...

Tiago, não me irritei, não. Se pareceu, é porque por escrito o tom às vezes engana.

Prefiro Maradona a Messi. E prefiro Neymar a Messi. Pronto, falei.

Só uma correção: citei o Xabi Alonso equivocadmente acima. Ele não joga no Barça, mas no Real...