terça-feira, 13 de julho de 2010

Na TV Cultura, tensão continua; Gabriel Priolli é a bola da vez

A propósito do comentário de Victor [do blog Cartão Laranja], no post sobre a saída de Heródoto Barbeiro (abaixo) da TV Cultura. Victor nota que, ontem, segunda, na entrevista de Luiz Gonzaga Belluzzo, o apresentador foi o Heródoto.

Sim. Mas é que sua substituta, Marília Gabriela, foi contratada para começar em agosto. As informações continuam sendo as mesmas. No Estadão de hoje, 13 de julho, página D4 ("Caderno 2"), nota da jornalista Keila Jimenez diz: "Há quem acredite que, após deixar o Roda Viva, Heródoto Barbeiro vá deixar também a TV Cultura em alguns dias. A emissora nega e garante que ele será aproveitado nos outros programas jornalísticos do canal".

Em artigo de ontem no Observatório da Imprensa, intitulado "Trololó na TV Cultura" (leia aqui), Nelson Hoineff mostra que a situação na emissora paulista é complicada. Na quinta-feira, o recém-nomeado diretor de Jornalismo, o jornalista Gabriel Priolli, foi afastado do cargo. Isso depois de pautar uma reportagem sobre os pedágios nas rodovias paulistas. A Folha Online também aborda o tema. Aqui.

A TV Cultura nega que Priolli seja afastado da emissora e possíveis motivações políticas, e afirma que ele continuará na empresa, mas em outro cargo, assim como Heródoto. Já o (ex?)-governador José Serra diz que nem conhece o Gabriel Priolli.

atualizado às 21h29

5 comentários:

Victor disse...

Obrigado pela resposta. No Serra não dá para confiar. Postei no meu blog. Abs

Fernando Augusto disse...

O PSDB está morrendo de medo dos assuntos "pedágios" e "educação". Acredito que se o PT souber bater bastante nisso pode gerar um segundo turno.

Quem eu acho que poderia ter chance de desafiar os tucanos nesse eleitorado de classe média é o Paulo Skaf, mas ele terá só 1 minuto e meio na televisão. Mas $$ ele tem!

Edu Maretti disse...

um adendo: "se o PT souber bater bastante" nos temas pedágios e educação, "pode gerar um segundo turno"... EM SÃO PAULO (apesar da menção a Paulo Skaf, é bom deixar claro).

Felipe Cabañas disse...

Entre Paulo Skaf, o "socialista" que quer privatizar a USP, e Geraldo Alckmin, o almofadinha da TFP, acho que prefiro o Alckmin, que ao menos é conservador e se assume como tal, não sai por aí travestido de socialista...

O tal "socialismo do século XXI" é o novo altar dos demagogos e oportunistas de todas as espécies...

O PSB, que já abrigou até Anthony Garotinho, é um cadáver insepulto. O pobre do Arraes deve estar se remexendo no túmulo.

Fernando Augusto disse...

Mas o PT tem uma grande resistência em São Paulo. Se o Paulo Skaf for uma solução para derrotar o PSDB, prefiro.

Claro que ele não é socialista, mas é do setor produtivo. Acredito que, entre os candidatos, ele é o que teria mais condições de renegociar os pedágios, por exemplo.