domingo, 14 de março de 2010

Palmeiras 4 x 3 Santos. Justo? Sim. Verdão entrou em campo para fazer o que fez

Por Paulo Maretti

Parece que cada novo jogo disputado entre Santos e Palmeiras (como bem rememorado no texto abaixo) é sequência das partidas anteriores em que os dois se enfrentaram: gols, gols e mais gols. Hoje foram sete, e o Palmeiras de Robert derrotou os favoritíssimos garotos da Vila Famosa num embate eletrizante, na Baixada.

O gol perdido do Tcheco há duas ou três semanas pelo Corinthians contra o mesmo Santos pareceu um aviso ao bom de bola mas ainda inexperiente e jovem time santista.

Comandado por Paulo Henrique Ganso e empurrado pela torcida, o Santos começou ligado em 220, com dribles, passes precisos e extrema rapidez, e rapidinho mesmo fez 1 a 0 e 2 a 0 no amedrontado Palmeiras, que até esse momento, se bem me lembro, não tinha dado um único chute a gol, acho que nem pras arquibancadas, e que já tinha levado dois cartões amarelos em entradas fortes de Edinho e Leo. Tudo apontava pra uns 4 a 0, 5 a 1, 6 a 1 etc.

E eis que de repente (não mais que de repente) o Alviverde renasce nos pés do sempre Cleiton Xavier cobrando uma falta marcada sobre Diego Souza (que me pareceu não existir). O gol valeu por si e por metade dos outros três marcados pelo Verdão, porque a partir daí o Santos cedeu o empate em 2 a 2 e foi esmorecendo a cada minuto.

Veio o segundo tempo e o time da praia havia perdido as chuteiras: passes errados, erros de marcação e nervosismo (evidente na expulsão de Neymar) permitiram ao Palmeiras jogar com êxito nos muitos erros do rival, virar a partida para 3 a 2, sofrer um bonito gol (de empate, de Madson) e de dar o troco com o terceiro de Robert na partida e o quarto do Palmeiras, num golaço de fora da área. Estava tudo consumado: 4 a 3. Veja os gols abaixo:



Justo? Sim. O Palmeiras entrou em campo para fazer o que fez (jogar seu futebol feio e depois deixar tudo bonito para os palmeirenses, como disse certa vez Felipão), diante de um adversário em melhor fase. O Santos não fez o que esperavam os santistas, que gritavam por goleada das cadeiras após os 2 a 0. Assustadíssimo com o empate em dois minutos, o time da Vila sucumbiu no segundo tempo.

O Palmeiras revive suas esperanças de classificação para as semifinais, e evita ser eliminado por um concorrente direto. O Peixe perde a chance de desbancar de vez um time do qual pode ganhar ou perder na fase decisiva da competição.

6 comentários:

Fernando Augusto disse...

Confesso que entrei aqui pensando em encontrar um texto do tipo: resultado injusto + Neymar não devia ter sido expulso.

Muito nobre da sua parte ter postado a visão de um palmeirense...hehe

Edu Maretti disse...

Pois é, nobreza é a melhor coisa quando somos surpreendidos assim - he he.

Agora, quero registrar que o Santos tomou 4 gols, sendo três falhas clamorosas do goleirinho que temos lá (vou escrever um post sobre isso em breve). Se um grande time começa com um grande goleiro, o Santos ainda não é um grande time. O que vai no gol, entra. Ontem, o 1° gol sem comentários; o 3°, qdo a bola foi cruzada ele hestitou (fez que ia e ficou e perdeu o posicionamento; no quarto, sem comentários, pessimamente colocado).

Dorival Jr. tb errou, ao escalar apenas um volante (Arouca) para encarar um time como o Palmeiras, que dominou totalmente o meio campo no segundo tempo.

De resto, a vitória verde foi justa e a expulsão de Neymar idem (haja nobreza, hein Fernando...). A derrota acabou sendo positiva. Muito oba-oba. Muita comemoraçãozinha babaca. Ninguém mais comemora gol no Santos como homem, só aquelas dancinhas idiotas!

A derrota veio na hota certa. Vamos ver se serve pra alguma coisa.

Felipe Cabañas disse...

foi tudo culpa do rebolation tion tion...

Gabriel Megracko disse...

Aguardem, Fabio Costa vem aí.

Luciano disse...

eu acho q o Armero dança melhor q todo time do santos.... ontem parecia BAMBIS X BICHAS

alexandre disse...

É, meus caros santistas, essa derrota doeu em vcs, imagino, com todo o respeito. Não se pode culpar apenas um homem, num jogo que também contam-se detalhes. A defesa do Santos mostrou-se vulnerável diante de lances surpreendentes do verdão. Considerando que o goleiro do santos realmente falhou. A atuação envolvente de um palmeiras desacreditado deixou a todos nós certos de que num clássico de grandes não se pode subestimar em nenhum momento, nem quando o placar estiver marcando 2x0. Talvez esse clássico tenha sido um divisor de águas para o palmeiras, que depois dessa grande vitória, pode encontra-se novamente. E o Santos corrigir suas falhas visíveis nesse belo jogo.
Abraços