domingo, 4 de novembro de 2012

Santos x Cruzeiro: o significado de um clássico


Em 1966, os craques Dirceu Lopes, Pelé e Tostão

Com o perdão da palavra, esse Campeonato Brasileiro de 2012 deve ser reservado à lata do lixo da história do futebol.

Não porque o meu Santos esteja claudicante, mas porque o futebol brasileiro reservou ao seu campeonato nacional – que deveria ser o mais importante do país - um papel secundário no calendário.

Apesar de tudo, da seleção brasileira (balcão de negócios) que tomou conta do calendário, do lixo futebolístico, da arbitragem suspeita a favor do Fluminense, ainda há comentaristas e “bate-bolas” de TV que incrivelmente ainda tentam vender o produto (Brasileirão) como se esse engodo merecesse algum crédito. Claro, eles só tentam vender o seu peixe. Mas a verdade é que esse campeonato é um dos piores que já vi na minha vida.

Mesmo assim, esse Cruzeiro 0 x 4 Santos no estádio Independência deste sábado tem um valor histórico. Tive um vizinho anos atrás, um mineiro chamado Bráulio, que era um cruzeirense roxo. Mais velho do que eu, ele me disse um dia que tinha se tornado torcedor do Cruzeiro depois da fantástica conquista do time de Piazza, Dirceu Lopes, Natal, Tostão e companhia contra o Santos de Pelé em 1966, quando a equipe alviceleste derrotou o Peixe no Pacaembu por 3 a 2 e se sagrou campeã da Taça Brasil.

Não vi e nem sabia quanto tinha sido o jogo hoje, pois estava no aniversário de uma pessoa muito querida (palmeirense, por sinal), algo muito mais importante do que um mero jogo de futebol, e só agora fiquei sabendo que o Santos goleou por 4 a 0 o Cruzeiro em Minas, ao chegar em casa e ligar o computador para ver se algo tinha acontecido no mundo.

Ricardo Saibun/Divulgação Santos FC
Em 2012, um único craque: Neymar

E fiquei sabendo que a torcida cruzeirense aplaudiu e cantou o nome de Neymar, que deu um show e acabou com a Raposa em seus domínios. Coisas de um clássico, de um Santos x Cruzeiro. Pena que perdi o contato com meu antigo vizinho Bráulio, porque senão amanhã a gente ia se encontrar e prosear sobre mais essa página desse grande clássico do futebol brasileiro, infelizmente borrado por esse lixo ético chamado Confederação Brasileira de Futebol, também conhecida como CBF.

Bem, o Santos bancou Neymar, apesar do desejo dos urubus colonizados da mídia brasileira que queriam vê-lo envergando a camisa do Barcelona ou do Real Madrid. E, apesar do investimento e da atitude inédita, o Santos bancou a permanência de Neymar no país e no clube para quê? Para o balcão de negócios conhecido como seleção brasileira, comandado pelo senhor Mano Menezes, usá-lo o ano todo.

O Campeonato Brasileiro hoje, sinceramente, é uma mera formalidade do calendário. Os grandes clássicos são a única coisa que interessa. E eu sou a favor da volta do mata-mata. É a única maneira dessa porcaria voltar a ter sentido e emoção.

Veja os gols de Cruzeiro 0 x 4 Santos neste 3/11/2012:

9 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Quanto à CBF e à selecinha do Mané Menezes, que agora descobriu que o Corinthians tem um timaço e já começa a nos prejudicar com convocações para partidas inúteis às vésperas de grandes decisões, concordo em gênero, número e grau. Eu já dizia aqui no ano passado que, em relação à CBF, não basta Ricardo Teixeira cair se é um Marin que assume. A CBF precisa de uma revolução completa, faxina com desinfetante e lisoform. Isso inclui mandachuvas e subalternos, como Andrés Sanchez, que foi um excelente presidente para o Corinthians mas fez papel de mordomo do Ricardo Teixeira até o Imperador cair.

Com relação ao Campeonato Brasileiro, eu gosto do formato pontos corridos, e acho que o campeonato deste ano está até melhor que o do ano passado, embora no ano passado o meu time tenha sido o campeão. Basta perceber que o Fluminense vai ser campeão com pelo menos uns 6 pontos a mais que o Corinthians do ano passado. Este feito não pode ser depositado exclusivamente na conta dos times que, como Santos e Corinthians, disputaram a libertadores até as finais ou se viram envolvidos em outras competições. Acho o futebol que o Fluminense tem jogado vistoso, e até aposto no Flu para ir mais longe na Libertadores do ano que vem. Também acho um erro dizermos que o campeonato não tem emoção porque os nossos times não estão na ponta. Outro dia, zapeando a TV, caí no jogo Fluminense x Coritiba, e o que vi foi uma partidaça de futebol, repleta de emoções para os torcedores das duas equipes envolvidas. É preciso melhorar o calendário, mas é importante dizer que todos os países que têm um importante futebol de clubes se vêem às voltas atualmente com problemas de calendário. O Chelsea, por exemplo, até o mundial interclubes vai ter que jogar no fio da navalha (correndo todos os riscos que isso envolve) para não se ver eliminado precocemente da Copa dos Campeões, e ainda está envolvido com o início dos torneios nacionais na Inglaterra, onde não pode dar mole. O calendário, na minha opinião, é um problema mundial e não exclusivamente brasileiro.

Edu Maretti disse...

Tudo bem, mas vai ver se o Barcelona, Real Madrid, Milan e outras potências do futebol pagam seus melhores jogadores pra ficar servindo a seleção do país deles (ou outras seleções, como a do Mano Menezes - muito menos ainda). Nem a pau. No segundo semestre, o Neymar ficou mais na seleção do que no Santos. Isso é um acinte, uma sem-vergonhice descarada. Na Europa, quando tem calendário de seleções, os grandes campeonatos nacionais param.

Além disso, o Brasil vive uma situação estranha: cada vez menos os times miram de fato o título brasileiro, que deveria ser o principal do país.Só falam na tal vaga à Libertadores. Se o título vier, ótimo, se não, ninguém tá muito preocupado, o que vale é o G-4. Jogos bons claro que acontecem, afinal é a primeira divisão do Brasil.

Mas com os estaduais indo até maio, a Libertadores, seleção, Copa do Brasil, a competição fica imprensada num calendário sem sentido. Para mim, se é pra continuar assim, que volte o mata-mata.

Leandro disse...

Concordo com o Felipe que o nível do campeonato deste ano está muito interessante, como costuma ser.
Quem viu Atlético Mineiro e Fluminense sabe do que estou falando, e vale lembrar que o Fluminense vem jogando um futebol "interessante" desde o 1º semestre, quando ficou em 1º na classificação geral do Sulamericano de Várzea, tendo sido eliminado apenas pelo vice-campeão.
O Vasco, time que mais trabalho deu ao campeão do tal Sulamericano, também vinha com um time e um futebol interessante, há mais de cinquenta rodadas no tal G4, mas quando começou a cair na tabela, exclusivamente por conta de questões político-administrativas, não parou mais.
Além disso tem o Galo do corinthiano Jô e do ótimo Bernard, tem o Grêmio e seu grupo de jogadores oriundos do futebol paulista, sob a batuta do Luxa... Está interessante, como de costume.
Uma pena o Corinthians ter adotado o repisado discurso de puxar o freio de mão, pois poderia estar neste grupo de cima se tivesse jogado como de costume uns cinco ou seis jogos, se muito.
O problema, de fato está no calendário nacional e sua falta de calibragem com o calendário da FIFA, conforme já comentei aqui, lembrando que aquele Corinthians campeão de 2005 tinha o melhor jogador do continente, mas em datas FIFA ele e o Mascherano se mandavam e deixavam os companheiros descascando o abacaxi de manter a ponta da tabela.
Em 2010, levaram Jucilei e Elias para jogar contar ninguém faltando três rodadas para o final do Brasileirão e antes de um jogo importantíssimo contra o Vitória, no Barradão. Isso, somado às entregadas de SPFC e Palmeiras para Fluminense e Cruzeiro, respectivamente, custou o título daquele ano.
O Mano é péssimo, o Marin idem, a amarelinha também não me causa a menor espécie, mas o problema, neste caso, está bem mais embaixo.
Basta mudar o calendário e a gente para de reclamar que nos deixam sem Neymar, Paulinho, Ralf, etc.
Ou alguém aqui acha que, do ponto de vista comercial e até mesmo desportivo, com um calendário decente, não convém aos clubes a convocação de seus jogadores?

Anônimo disse...

Concordo com a volta do mata-mata. E mais, a partir de oitavas de final, com 16 times. Ou, podia virar uma liga, logo, assim todo mundo tem data pra jogar completo. Fase de grupos... e depois mata-mata... ah, pro inferno... esse brasileiro eu nem vi, sinceramente... campeonato pra ver dorminhocando no sofá dispois do almoço eu não vejo... Cadê o campeão da libertadores, que tá quase com o mesmo time? Não tá nem aí, nem aqui... tá lá cumprindo tabela.
E, meu, o que é esse Neymar? Nunca tinha visto um fenômeno desse, como fez a torcida do Cruzeiro. Já deve ter acontecido, mas eu não vi, então...

Gabriel M.

Paulo M disse...

Não me lembro de campeonato brasileiro pior do que este de 2012. Acho que Corinthians e Santos, não fossem a Libertadores e as convocações pra meros amistosos da Seleção, que nem as eliminatórias da Copa está disputando, estariam nas cabeças e talvez brigassem pelo título, sim, junto com Fluminense, São Paulo e Atlético-MG.
Claro que não se pode creditar só a isso o fato de o Fluminense estar no topo da tabela. Ou alguém consegue imaginar que um time ruim possa chegar à ponta só com ajuda de arbitragem ou quaisquer outros fatores extracampo?
Mas principalmente Flu x Náutico e Flu x Ponte foram dois assaltos. E a grande imprensa insiste em acreditar que não existe má-fé.
Se acreditassem mesmo, não bateriam tanto nessa mesma tecla, todo final de temporada, quando os motivos pra se levantar suspeitas sempre começam a dar pano pra manga.

Leandro disse...

Anônimo,
Pelo que ouvi hoje no rádio, a torcida do Cruzeiro é dada a fazer isso "contra" seus jogadores. Há outros exemplos, sim.
Diríamos que é uma espécie de "vingancinha" dos mineiros contra seus "pernas-de-pau". Coisa do tipo: "Isso é que é jogador, e não as porcarias que eu tenho lá na Toca da Raposa".
E no caso do Neymar, eles têm razão.

Paulo,
Também acho que a participação na Libertadores, na Copa do Brasil, no Desafio ao Galo ou no Campeonato Metropolitano de Amarelinha não pode ser pretexto para estes times que estão no meio ou do meio para baixo da tabela no Brasileirão.
Corinthians, Palmeiras e principalmente Flamengo, Santos, Botafogo, Vasco, Cruzeiro, Internacional e Fluminense, que saíram antes, tiveram todo o tempo do mundo para retomar o caminho das vitórias, ainda no primeiro semestre ou logo no começo do segundo.
Mas o fato é que não trilharam, e aí vem este papinho de eu priorizei ou estou priorizando X ou Y, que é para desviar o foco.
Jogadores importantes para a seleção brasileira ou para outras seleções, todos perderam.
Basta lembrar um jogo em que o Internacional jogou com quase meio time reserva porque estava todo mundo na seleção brasileira, argentina, uruguaia...
Passou da hora de virarem este disco.

Edu Maretti disse...

Concordo com vários argumentos incluindo todos os comentários de todo mundo que comentou. E discordo de outros. Seria difícil agora falar de todos.

No fim, acho que todos concordam em alguns pontos essenciais. Um dos quais é quanto ao calendário, que faz o Brasileiro ser menos interessante do que poderia ser.

Para mim, é digno de nota o que o Paulo disse: "Acho que Corinthians e Santos, não fossem a Libertadores e as convocações pra meros amistosos da Seleção, que nem as eliminatórias da Copa está disputando, estariam nas cabeças e talvez brigassem pelo título".

Dizer que "a torcida do Cruzeiro é dada a fazer isso 'contra' seus jogadores" é um pouco (algo típico do corintianismo) desmerecer um fato histórico, que o post tentou registrar, qual seja, o de que quando jogam Santos x Cruzeiro tem uma rica tradição no tabuleiro, uma das mais ricas do futebol brasileiro.

Voltando ao fato de haver grandes jogos neste Brasileiro, está passando um agora: Palmeiras 1 x 1 Botafogo, intervalo de jogo, o Palmeiras precisando vencer e contando com um jogador muito interessante, que pode ser (e tem sido) decisivo: o Barcos.

abraços a todos.

Leandro disse...

Discordo que a Libertadores e as convocações de seus jogadores para as seleções sejam, isoladamente, os fatores que impediram Santos e Corinthians de disputarem o título.
Ambos tiveram tempo para reagir. Menos tempo que os outros, mas tiveram tempo.
Não vou dizer que não atrapalhe. É lógico que atrapalha, e atrapalha sobretudo pelo enfoque que os times dão ao torneio continental aqui no Brasil de uns tempos para cá.
Nunca vi, por exemplo, torcedores do Chelsea ou do Arsenal reclamando que a Copa dos Campeões atrapalhava o Campeonato Inglês nos tempos em que morei na terra dos piratas.
Quanto ao fato (histórico) da torcida do Cruzeiro ser dada a fazer isso "contra" seus jogadores pernas-de-pau, um dos radialistas de quem ouvi isso foi o ultra-santista Milton Neves, hoje pela manhã.
"Vendi" pelo mesmo preço pelo qual "comprei" dele. Figura caricata e detestável da nossa imprensa marrom e anticorinthiana, diga-se, mas que trabalha ao lado de talentos como Claudio Zaidan e Mauro Betting.

Edu Maretti disse...

Ah, tá, a fonte é o Milton Neves. Beleza. Então vou desconsiderar e dou um desconto pra você, Leandro.

Quanto a não haver "torcedores do Chelsea ou do Arsenal reclamando que a Copa dos Campeões atrapalhava o Campeonato Inglês", tudo bem também. Mas aqui no Brasil não é apenas o fato de torcedores do Santos ou do Corinthians reclamarem que a Libertadores atrapalha o Brasileiro. Como discutimos aqui, são vários outros fatores ao mesmo tempo, não apenas esse fator.