sexta-feira, 29 de julho de 2011

Pensamento para sexta-feira [18] - Amy Winehouse morreu. Uma semana triste

E chegamos à sempre tão esperada sexta-feira, um dia que se deve comemorar erguendo e batendo copos. Um dia sempre alegre. But, tears...

Foi muito triste que a maravilhosa Amy Winehouse tenha partido. Amy morreu. Que merda. Talvez a mais incrível voz, um dos mais impressionantes talentos da música pop, do blues-rock (música, poesia, brilho, beleza) surgidos nas últimas décadas, uma pessoa tão próxima em espírito, embora tão distante fisicamente de nós mortais nesse mundo grande (“Tu sabes como é grande o mundo” – Drummond).

Eu lamento profundamente que a miserável condição da criatura humana seja capaz, como é comum em redações de jornal ou qualquer ambiente de trabalho, de construir piadas infames sobre a morte de Amy Winehouse. Eu ouço e penso: meu Deus, que pequenez, quanta mediocridade. Dá vergonha, até mais do que raiva.

"Tanta soberba, e os dias passam, inúteis" (Jorge Luis Borges)

5 comentários:

ana.roh@terra.com.br disse...

Que bom que escreveu isso Edu...
Todos dizem que é próprio do brasileiro... mas, piada com algo triste como essa notícia não dá pra encarar...
Fiquei muito triste... e quem perde somos nós...
Uma grande perda...

alexandre disse...

então resta-nos ouvir Amy Winehouse, cuja arte presta serviço aos ouvidos e à alma. É assim que nos tornamos imortais. As piadas são para os fracos e no fundo, covardes. Esses dias ouvia uma das músicas de Paul Mcartney..Live and let die. Associei isso a esse momento, a Amy, recorri ao Paul, com se recorrece a um remédio para essa loucura. Lindo post, edu. valeu

Paulo M disse...

A menina bem que podia ter nos dado o prazer de mais algumas de suas obras, que teria produzido se não tivesse levado embora pra sempre. Amy poupou o mundo cada vez mais globalizado de seu incômodo, e podou seus admiradores de um grande carisma. Como disse o Alexandre acima, resta-nos ouvi-la.

Cristiano Contreiras disse...

Edu, eu confesso que, ainda que não tenha me chocado TANTO com a morte dela - como foi com Michael Jackson, por exemplo -, eu fiquei tenso, melancólico. É lamentável mesmo. Amy, em um outro mundo sem drogas e sem vícios, teria prosperado tanto, tinha tudo pra uma carreira bela pra toda vida...uma pena.

abraço e parabéns pelo blog! te lerei, aos poucos, colega de profissão! te sigo aqui e te linkei ao meu blog.

até!

Edu Maretti disse...

Legal, Cristiano. Obrigado pela visita, pelo comentário e pelo link. Apareça sempre por aqui. Vou visitar teu blog.

um abraço