segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Crônica de um domingo quase sem futebol

Depois de zapear entre o medonho primeiro tempo de Catanduvense x Palmeiras e o bem melhor Corinthians x Linense, acabei desligando a televisão para continuar a leitura de Os Mímicos, de V.S. Naipaul. Como Naipaul não é nenhum Graham Greene, e como o domingo de verão parecia outono, com o friozinho típico, tirei os óculos e dei uma cochilada.

Vi depois que Catanduvense x Palmeiras acabou 1 a 1. E que o Corinthians bateu o Linense por 1 a 0 (aliás, é a ou o Linense? – faço a observação porque acho irritante que os jornalistas esportivos insistam em dizer o Inter de Milão, o Roma, o Juventus etc., e eu não sei se é a ou o Linense). O fato é que o time da cidade de Lins teve um gol muito mal anulado ainda no primeiro tempo pelo juiz, que deu uma falta que só ele viu na subida do zagueiro jundiaiense Fabão numa cobrança de escanteio. O negão subiu lá em cima, cabeceou bonito de cima pra baixo, fez um belo gol. Mas não valeu. E um golaço de Émerson Sheik, quase sem ângulo, num petardo de direita, deu a vitória ao Timão. Acho perfeita a manchete do iG, embora os amigos corintianos provavelmente discordem, apontando uma conspiração universal do Mal contra São Jorge Guerreiro. Diz o iG: “Com gol de Emerson e ajuda de juiz, Corinthians bate o Linense”.

Mas o Paulistão é isso. E além disso, início de temporada, motores esquentando. Já agora em fevereiro começa a Libertadores. Da qual falaremos em outro post mais à frente.

Para finalizar: por mera coincidência, assisti inteiro apenas ao jogo em que o time B do Santos empatou com o razoável time do Paulista em Jundiaí por 1 a 1. Foi interessante assistir ao time da Vila reserva nas três partidas iniciais do Paulistão (ou “Paulistinha”, conforme o gosto). O goleiro Aranha deu conta do recado. O zagueiro Bruno Rodrigo vem bem. O jovem volante Anderson Carvalho é uma boa promessa. O atacante Dimba (19 anos) merece mais chances. Assim como Felipe Ânderson. O time de Alan Kardec empatou duas (XV de Piracicaba e Paulista, ambos 1 a 1, fora de casa) e ganhou uma partida, do Ituano em São Caetano (a Vila está reformando o tapete), por 2 a 1. O destaque da esquadra é ele mesmo, Alan Kardec, autor dos quatro gols do Peixe na temporada. Não sei por quê, talvez seja uma intuição espírita, mas acho que esse Kardec vai fazer gols decisivos em 2012.

Em tempo: o São Paulo, que venceu o São Caetano sábado por 2 a 1, lidera o estadual com 9 pontos em três jogos. Foi uma semana meio down no Morumbi com duas notícias negativas. Rogério Ceni (operou o ombro) vai ficar seis meses no estaleiro e Luis Fabiano teve uma contusão muscular que deve tirá-lo do time por alguns ou vários jogos. Fim de carreira. Mas, não sei por quê (posso queimar a língua), tenho a impressão que Emerson Leão pode dar certo no São Paulo em 2012.

8 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

O São Paulo, devemos admitir, contratou bem para 2012. E ainda é bem provável que conte com Nilmar, um atacante que eu acho fenomenal. Precisa ver se Jadson vai emplacar mesmo como camisa 10, um jogador que acho mediano. Esses reforços devem pesar e melhorar o desempenho, mas apesar do 100% de Corinthians e São Paulo, acho que ninguém está jogando futebol muito vistoso até aqui. O Corinthians, já disse por aqui, não é um time que joga um futebol lindo, mas é um time que vence. Como manteve time e treinador do ano passado, nossa vida esse ano não deve mudar muito.

Sobre a arbitragem do jogo do Corinthians, o gol anulado foi ridículo, mas o juiz apitou antes do jogador cabecear. Por isso, nem mesmo os jogadores do Linense reclamaram. O Corinthians, por outro lado, teve um pênalti em Liedson que não foi marcado. Para mim foi pênalti. Não foi um pênalti escandaloso, mas foi pênalti. Nem o que falar da arbitragem, que se em termos nacionais é péssima, em termos estaduais é horrorível (rs). O que incomoda em manchetes como essa do Ig é que subentende-se que o juiz errou de ma fé a favor do Corinthians. Isso, para mim, não é jornalismo, é sub-jornalismo. É uma sugestão implícita ardilosa, e não é necessário ser muito inteligente para percebê-la. Duvido que o sujeito (ou os sujeitos) que escreveram essa matéria sejam corintianos. Entende?

Edu Maretti disse...

Felipe, só os "cronistas esportivos" (justamente os que vc critica) se agarram com unhas e dentes àquele clichê segundo o qual o juiz nunca erra de má-fé ("não acredito em má-fé", eles dizem, porque ninguém quer se comprometer e o show tem que continuar). Não estou com isso querendo dizer que o juiz ontem "errou de ma fé a favor do Corinthians", mas errou a favor do Corinthians. Portanto, a manchete do iG é jornalistica e factualmente correta. “Com gol de Emerson e ajuda de juiz, Corinthians bate o Linense”. Ué, não é isso?

Acho até engraçada essa teoria da conspiração segundo a qual existe uma conspiração universal anticorintiana (pode existir preconceito contra o povão corintiano, mas isso é outra coisa e uma hora vou abordar esse tema no blog). Mas, quanto à mídia, pelo contrário, o Timão é o mais incensado time do futebol brasileiro, pau a pau com o Flamengo, por motivos óbvios. Torcidas enormes, mercado enorme.

abraços

Felipe Cabañas da Silva disse...

Bom, todos sabem que, se corintianos vêem conspirações delirantes anticorintianas, anticorintianos também vêem conspirações delirantes corintianas. O papel do jornalismo não é legitimar nenhum dos dois discursos, ambos incongruentes.

Um título mais adequado para a matéria seria: "Com gol de Emerson e falha da arbitragem, etc...", ou "Com gol de emerson e gol adversário mal anulado, etc..." Enfim, creio que há dezenas de alternativas.

A palavra "ajuda" pressupõe que o juiz não falhou, e sim deliberadamente meteu a mão. Discordo de você. Acho um belo exemplo de jornalismo porco isso. E se fizessem isso com São Paulo, Santos ou Palmeiras, não mudaria uma vírgula na minha opinião.

Discordo também sobre essa história do Corinthians ser "o mais incensado do futebol brasileiro". Pode até ser por uma parte da mídia, por esse motivo antijornalístico de babar ovo de torcedor para vender jornal, revista, ou horário de televisão, mas temos veículos importantes de informação que estão muito longe de qualquer coisa parecida com "incensar" o Corinthians. Um bom exemplo? Uma certa Folha de São Paulo, que quando o Corinthians perdeu tudo em 2010 reverberou a gracinha do "centenada", outra "pequena rusga" Folha-Corinthians que foi objeto de crítica da Ombudsman, até porque choveram cartas de leitores revoltados.

Ou podemos lembrar quando no dia 1 de abril, o engraçadinho Tiago Leifert colocou no Globo Esporte uma matéria dizendo que o Corinthians havia conquistado a Libertadores.

Não vejo afago nenhum nesses episódios.

Edu Maretti disse...

Mas, como diria Drummond,e o humor?, Felipe?

Achei muito engraçada a edição do Leifert, que aliás zoa com todo mundo.

O auge foi a edição que está neste post: http://fatosetc.blogspot.com/2010/03/naviraiense-vila-belmiro-e-o-mar.html

Quanto à centernada, foi uma piada óbvia da qual, neste blog, eu dei também muita risada. O que seria do futebol sem humor?

Sobre conspirações corintianas ou anticorintianas, o fato de existirem umas não justifica o fato de existirem outras, ora pois!

alexandre disse...

Olha só, Linense!!Não custa nada anular um golzinho de um timinho lá dos interior. Nada contra o timão, a temporada está apenas começando e não precisamos de taaanta justificativa, até pque vai parecer complexo de perseguição. Mas é que sempre devemos questionar o questionável. Se há uma suspeita, tem de haver um julgamento. Por outro lado, um gol a mais ou a menos não fará nenhuma diferença. Afinal, parece que os corinthianos não comemoram, só justificam!
abços

Felipe Cabañas da Silva disse...

Viva o humor, Edu. Eu gosto, e até pratico...rs.

Mas eu acho que a Folha tem exagerado. A penúltima página do caderno esporte virou página de gozação, inclusive com umas tiradas completamente sem graça, não dá nem pra puxar o risinho amarelo. Humilhações com profissionais sérios, gozações nos pontos fracos de pessoas ou instituições viraram a regra. Está virando o estilo "apelou, perdeu", do tipo Rafinha Bastos. Tiraram sarro do centenada, mas já vi tirarem sarro do Rogério Ceni, do Palmeiras e do Santos, por causa da derrota contra o Barça, e achei as piadas fracas, um humor de gosto duvidoso.

Do Tiago Leifert não posso falar muito porque não assisto. Mas parece mais preocupado em fazer gracinhas do que em fazer jornalismo, e aí também temos um problema.

As pessoas têm que se conscientizar de que é muito mais difícil fazer rir do que fazer chorar. Quando seu humor só fará rir uma meia dúzia e irritará a maior parte, é melhor ficar calado.

Edu Maretti disse...

Bom, uma observação: coloquei o link de uma reportagem do Naviraiense aí acima,mas infelizmente o link dançou. A emissora tirou do ar. Azar dela, e nosso, porque a reportagem era ótima..

Felipe Cabañas da Silva disse...

Eu tentei abrir e não consegui. A repressão na Internet tá f***