sexta-feira, 29 de julho de 2011

Pensamento para sexta-feira [18] - Amy Winehouse morreu. Uma semana triste

E chegamos à sempre tão esperada sexta-feira, um dia que se deve comemorar erguendo e batendo copos. Um dia sempre alegre. But, tears...

Foi muito triste que a maravilhosa Amy Winehouse tenha partido. Amy morreu. Que merda. Talvez a mais incrível voz, um dos mais impressionantes talentos da música pop, do blues-rock (música, poesia, brilho, beleza) surgidos nas últimas décadas, uma pessoa tão próxima em espírito, embora tão distante fisicamente de nós mortais nesse mundo grande (“Tu sabes como é grande o mundo” – Drummond).

Eu lamento profundamente que a miserável condição da criatura humana seja capaz, como é comum em redações de jornal ou qualquer ambiente de trabalho, de construir piadas infames sobre a morte de Amy Winehouse. Eu ouço e penso: meu Deus, que pequenez, quanta mediocridade. Dá vergonha, até mais do que raiva.

"Tanta soberba, e os dias passam, inúteis" (Jorge Luis Borges)

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Flamengo faz 5 a 4 sobre o Santos
na Vila Belmiro, em partida antológica

Santos 4 x 5 Flamengo, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro. Um dos jogos mais incríveis que vi nos últimos anos (veja os nove gols em link abaixo). O Santos fez 3 a 0 e levou o empate ainda no primeiro tempo, que acabou 3 a 3. Com Neymar dando show, fazendo gol de placa, servindo o camisa nove Borges, o santista se perguntou: como pode tomar tantos gols e pôr a perder o trabalho de um ataque fulminante como esse? (leia-se: Neymar).

Em 23 de maio, postei um texto no blog intitulado: “Começa o Brasileirão 2011. Com leve favoritismo de Flamengo e Santos”, que você pode ler aqui.

A vitória do Flamengo de Vanderlei Luxemburgo sobre o Santos de Muricy Ramalho, da maneira como foi, nessa partida antológica, um jogo espetacular, só confirma aquele post. Acho que o Flamengo hoje é favorito ao título.

Ganso e Elano, péssimos
Pelos lados do time da Vila Belmiro, campeão paulista e da Libertadores em 2011, as constatações mais óbvias são, além da atuação maravilhosa de Neymar, as lamentáveis performances de Elano e Paulo Henrique Ganso, com duas ressalvas: Elano deu grande passe para Borges fazer o primeiro gol, e Ganso outro para Neymar invadir a área e dar uma puxeta, para Borges fazer o segundo.

Fora os lances citados, ambos os meias fizeram péssimo jogo, com erros de passes intermináveis e infantis no crucial setor do meio campo. Foram deles os dois lances decisivos que deram a vitória ao Flamengo: Elano perdeu de maneira bisonha o pênalti que faria Santos 4 a 2 ao fim do primeiro tempo, que acabou 3 a 3; e Ganso perdeu infantilmente a bola que redundou no quinto gol do time carioca. Elano saiu merecidamente vaiado e Paulo Henrique deve estar com a cabeça no Paris Saint Germain.

Não deu para entender, no jogo, a avenida Léo pela lateral esquerda do Santos. Leonardo Moura, o melhor lateral direito do país, jogou à vontade pelo setor.

Muricy está numa situação difícil, porque tem de tirar do time, urgentemente, Paulo Henrique, porque não quer mais jogar no Santos, e Elano, por deficiência técnica. Muricy vai ter peito para isso?

E palmas a Ronaldinho Gaúcho. Fez um jogo animal. Fez a diferença . Fez três gols, sendo um deles (o quarto do Flamengo, de falta) um golaço. Foi um jogo de golaços e Neymar marcou um gol de placa.

Confira os gols:

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Pelo Twitter, Marina Silva nega negociação com PSDB

Apesar da visível euforia com que o jornal O Estado de S. Paulo noticiou hoje com letras garrafais, em sua página A7, que “Aécio tenta atrair Marina para projeto de 2014”, a ex-senadora e agora sem partido Marina Silva informou em seu perfil no Twitter (@silva_marina) que “não existe negociação em curso para que eu apóie candidatos do PSDB mineiro. Meu compromisso é com o movimento por uma #novapolitica”, seja lá o que ela quer dizer com “nova política”.


Segundo o Estadão, Marina (melhor dizendo, seu capital de cerca de 20 milhões de votos nas eleições do ano passado) “está na mira do tucanato mineiro”. Ainda de acordo com o jornal, “o primeiro passo” na “tentativa de aproximação” foi dado pelo governador Antonio Anastasia (PSDB), que assinou decreto concedendo a Marina Silva o título de cidadã honorária de Minas Gerais. O governo mineiro, claro, pretende realizar cerimônia com todas as pompas para entregar o título à ex-membro do PV. Será que ela vai?

Leia também post sobre a saída de Marina do PV clicando aqui.

Ocupação da Funarte continua, por tempo indeterminado

 
Artistas dentro da Funarte/ Foto: Eduardo Maretti - 25/07/2011


O Movimento dos Trabalhadores de Cultura, que ocupou a Fundação Nacional de Arte (Funarte) na última segunda-feira, 25, decidiu em assembleia realizada na terça-feira à noite manter a ocupação por tempo indeterminado.

Os artistas fazem uma ou duas assembléias diariamente. Segundo Luiz Carlos Checchia, que faz teatro de rua em Osasco e está na ocupação, o movimento se prepara para ficar “por um bom tempo” no local.

As reivindicações continuam as mesmas (leia aqui). Checchia disse a este blogueiro no dia da ocupação que a mobilização, em última análise, se traduz como luta por direito ao trabalho. “A grande questão é a mobilização na luta por direitos. Na verdade, o que agente está discutindo aqui é direito ao trabalho”.

Leia post sobre a ocupação e veja vídeo aqui

terça-feira, 26 de julho de 2011

Movimento ocupa a Funarte em São Paulo: "é hora de perder a paciência"

CULTURA

Artistas de teatro, artistas de rua, de circo, músicos e outros fizeram hoje uma manifestação histórica que terminou com a ocupação do prédio da Funarte, em São Paulo, na rua Apa, no bairro de Santa Cecília, centro da capital paulista. As reivindicações do movimento são justas (leia aqui), apesar de textos em portais importantes na web terem noticiado o evento negativamente.

O vídeo abaixo mostra o momento em que o movimento ocupa a Funarte. As imagens são fruto de uma gravação infelizmente improvisada, mas felizmente realizada, porque são imagens bastante simbólicas de um movimento impactante. Um pouco terra em transe, não sei se a ministra Ana de Hollanda entende.

Deve ser ressaltado o caráter absolutamente pacífico da manifestação e da ocupação da Funarte. Eu não vi ninguém bêbado, nenhum doidão, nenhum e ninguém. O povo estava consciente do que entoou ao som do maracatu, que foi o seguinte:

"É hora de perder a paciência,
Trabalhadores da cultura,
É hora de perder a paciência

Cultura não é mercadoria,
abaixo a baixaria

Ocupação, ocupação, ocupação!
"

O vídeo tem 4 minutos e meio, mas é bem legal.

sábado, 23 de julho de 2011

Amy Winehouse foi se juntar a outros anjos


Quem, se eu gritasse, dentre as legiões de anjos me ouviria? E mesmo que um me apertasse de repente contra o coração eu morreria da sua existência mais forte. Pois o belo não é senão o começo do terrível, que nós mal podemos ainda suportar, e admiramo-lo tanto porque, impassível, desdenha destruir-nos. E assim eu me reprimo e engulo o chamamento dum soluçar escuro. (Rainer Maria Rilke)


(Londres, 14/09/1983 - Londres, 23/07/2011)

Amy Winehouse se foi. Amy é mais uma que se vai, entre esses que passaram pela Terra para nos alegrar, trazer arte e beleza, ou mesmo nos entristecer com a melancolia de uma canção, e que nos deixa assim de repente, com uma sensação de vazio. Amy foi juntar-se a outros anjos que por aqui passaram, foi juntar-se a Kurt Cobain (1967-1994), Jim Morrison (1943-1971), Jimi Hendrix (1942-1970), Janis Joplin (1943-1970), Noel Rosa (1910-1937), todos mortos com 27 anos! (menos Noel, com 26), essas criaturas que viviam atormentadas a apelavam a álcool e drogas por não conseguir se sentir muito em casa, muito bem, neste mundo explicado.

Mesmo sabendo que Amy acabaria de repente sucumbindo tão jovem, a sensação de aridez do mundo é inevitável agora que sua voz se calou para sempre. Para mim, como para Rilke, os que morrem de morte precoce são anjos que por aqui passaram.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Artistas fazem manifestação por democratização da cultura na segunda-feira, 25, em São Paulo

O Movimento dos Trabalhadores de Cultura marcou para a próxima segunda-feira, 25 de julho, “grande manifestação” de artistas de teatro, música, dança, circo e culturas populares contra o corte de orçamento sofrido pelo Ministério da Cultura em 2011 e suas conseqüências para a produção cultural brasileira.

A manifestação será na Rua Apa, à altura do número 83, no bairro de Santa Cecília, São Paulo, próximo à Funarte-SP, a partir das 14h.

Artistas em plenária para organizar manifestação
A organização do ato conta com a participação de pelo menos mil pessoas. São esperados dez ônibus vindos do interior do estado e da Grande São Paulo.

Osvaldo Pinheiro, que trabalha com teatro e é da coordenação do movimento, disse a Fatos Etc. que uma das principais bandeiras é a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 150, que destina um mínimo de 2% do orçamento geral da União à produção e difusão da cultura nacional (íntegra da PEC em link abaixo neste post). O sistema de isenção fiscal ao setor privado tal como funciona hoje no país é outro problema estrutural considerado grave pelos artistas e produtores culturais. “Arte pública é aquela financiada por dinheiro público, oferecida gratuitamente, acessível a amplas camadas da população – arte feita para o povo”, diz o manifesto É Hora de Perder a Paciência (íntegra aqui ).

O movimento que organiza as manifestações de segunda-feira considera inadmissível o corte das verbas do MinC, que caiu de 2,2 bilhões de reais para 800milhões de reais do Orçamento geral da União “em um momento de prosperidade da economia”. Além de tudo, as verbas da cultura são contingenciadas.

Osvaldo Pinheiro afirma que o movimento é apartidário e não se dirige exatamente contra a ministra Ana de Hollanda, mas à precariedade da política cultural, a descontinuidade de gestão e prioridades. No entanto, no ato do dia 25, os protestos contra a gestão da ministra devem acontecer e o movimento estará aberto para essa e outras manifestações, diz Pinheiro.

Mais informações no site Cooperativa Paulista de Teatro .

Para ler a íntegra da PEC n° 150 clique aqui :

Lula faz o discurso e Dilma governa,
para desespero da mídia

Se tem uma coisa que a presidente Dilma Rousseff dificulta são as pautas fáceis para a imprensa. Com toda a crise nos Transportes, manchetes diárias sobre a corrupção em Brasília etc., Dilma se mantém como a gestora competente que sempre foi, impassível, fria e distante dos microfones, para desespero dos mancheteiros.

Mas eis que, de repente, quem aparece falando? O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nesta quinta-feira em Recife, por exemplo, Lula se pronunciou sobre a crise no Ministério dos Transportes. "Pune quem tem que punir e acabou", disse.

A frase em si não significa muito. O significado é o gesto (A Imortalidade - Milan Kundera). Querem que Lula ponha o pijama e pare de falar e militar, mas Lula não vai vestir o pijama. A oposição fica apavorada ante a ideia de que, se for candidato em 2014, Lula será imbatível. E por isso investe na intriga.

Congresso da UNE, em Goiânia, dia 14 de julho
Foto: Antonio Cruz/ABr

Muito claramente, a oposição midiática (pois a combalida oposição política só existe alimentada pela mídia) tenta opor Dilma a Lula perante a opinião pública. Por exemplo, dizendo que Lula interfere no governo Dilma. Avaliação que ignora o fato de que não importa exatamente se é Lula ou Dilma quem governa, pois ambos trabalham e militam juntos.

Com seu estilo, Dilma impõe um governo pragmático, comandado por uma mulher avessa aos holofotes, até onde isto é possível. Nesta quinta-feira, por exemplo, a presidente escalou o ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, para dizer que, numa pasta como a do Ministério dos Transportes, com orçamento de R$ 14 bilhões, é impossível que não haja corrupção.

Enquanto isso, Dilma cumpre uma agenda protocolar, o que se pode constatar ao procurar as fotos do dia no banco de imagens da Agência Brasil.

Lula gosta de falar. Na semana passada, questionou as acusações de que a União Nacional dos Estudantes (UNE) organizou um congresso "chapa branca" por ter sido patrocinada por entidades estatais como a Petrobras ou a Caixa Econômica. "Você liga a televisão e tem propaganda de quem?”, questionou , para lembrar que TV Globo, revista Veja, Folha de S. Paulo, O Estado de São Paulo, entre outros, recebem gordas verbas de anunciantes federais. “Para eles é democrático, para vocês [a UNE] é chapa branca (...) alguns jornais se acham nacionais, mas os grandes [veículos] de São Paulo não chegam ao ABC”, ironizou o ex-presidente. “Há quanto tempo não faço um discursinho!”

Não tem problema nenhum Lula falar e Dilma não falar. Mudou o estilo, mas o projeto é o mesmo iniciado em janeiro de 2003.

Há senões. Por exemplo, o governo Dilma tem um débito urgente com a pasta da Cultura. O movimento contra o retrocesso da agenda de Ana de Hollanda está crescendo e será tema de posts neste blog.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Arenas de Corinthians e Palmeiras ganham respaldo político, legal e judicial

Com apoio de governantes, uma nova lei só para autorizar captação de recursos para obras em Itaquera e uma decisão da Justiça a favor do estádio palestrino, torcedores têm motivos para otimismo. Resta saber se a sociedade será beneficiada

Corintianos e palmeirenses tiveram notícias animadoras sobre seus estádios esta semana. A Arena Palestra e a Arena do Corinthians ficaram mais perto de ser realidade.

Observações necessárias sobre ambas:


Estádio do Corinthiansem Itaquera

O Itaquerão virou objeto de lei nesta quarta-feira, 20. Num evento onde não faltaram o governador do estado Geraldo Alckmin, o ministro dos Esportes Orlando Silva e o próprio Gilberto Kassab, o prefeito de São Paulo sancionou a lei que autoriza os incentivos fiscais de R$ 420 milhões, o que tributariamente quer dizer renúncia fiscal por parte da prefeitura. A empreireira Odebrecht não tem do que reclamar. Como se trata de dinheiro público, pergunta-se: esse investimento vai trazer benefícios à população de Itaquera, como melhor transporte público, mais postos de saúde, por exemplo? Se a resposta for sim, ótimo; se for não, será lamentável.

O estádio do Palmeiras ganhou uma batalha na Justiça, com a decisão do juiz Marcelo Sergio, da 2ª Vara de Fazenda Pública do Estado de São Paulo, negando liminar na segunda-feira, 18, pedida pelo Ministério Público, que pleiteava a interrupção das obras executadas pela empreiteira WTorre. O que me parece é que será grande o impacto no quadrado formado pelas ruas Turiassu, e avenidas Sumaré, Francisco Matarazzo e Pompeia. Na decisão em que nega a paralisação das obras, o juiz afirma: “Vale lembrar que não há notícia de que o erário público esteja sendo afetado com a realização das obras, de modo que, se for necessário o desfazimento da obra, o prejuízo será exclusivo das entidades privadas, que, cientes da presente ação, estão a assumir o risco pelo insucesso do empreendimento”. Ou seja, é uma situação bastante diferente da arena corintiana.
Arena alviverde na zona Oeste de São Paulo

Você pode ler na íntegra a decisão do juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública no blog Cartão Laranja neste link: Juiz decide: a Arena do Palmeiras vai continuar.

O que parece claro é que ambas as arenas serão erguidas. A zona Oeste da capital paulista deve receber a Copa das Confederações em 2013. A zona Leste, a abertura da Copa do Mundo de 2014. A ver.

Leia também: Verdades e mentiras sobre o estádio do Corinthians

Atualizado às 12:51

Homofobia: Justiça nega prisão de agressor de pai e filho

Por Raoni Scandiuzzi
Da Rede Brasil Atual


Dois dos seis agressores que espancaram um pai e um filho, na madrugada de sexta-feira (15), durante uma exposição agropecuária de São João da Boa Vista, foram identificados pela polícia. O pedido de prisão preventiva feito pelo delegado titular do 1º Distrito Policial, Fernando Zucarelli, foi negado pela Justiça.

As vítimas foram interpeladas por um grupo de seis jovens e questionadas se eram gays, antes de serem atacadas. Um dos rapazes que confessou a participação negou, em seu depoimento, ter agido por discriminação sexual. Segundo o delegado Zucarelli, não há data marcada para ouvir o outro identificado.

Há mais de dez anos, tramita no Congresso Nacional uma lei para criminalizar a homofobia, o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 122/06. Pela dificuldade de acordo com a bancada religiosa da Casa, foi elaborado um novo projeto, batizado de Lei Alexandre Ivo, para tratar do tema.

Alexandre Ivo, de 14 anos, foi assassinado brutalmente por um grupo de skinheads quando voltava de uma festa, em São Gonçalo (RJ). A suposição de que o garoto seria homossexual, teria movido a ação violenta da gangue.

As organizações de defesa dos direitos humanos e do respeito à liberdade de orientação sexual criticam a morosidade na tramitação da lei e veem no conservadorismo do Congresso Nacional um dos grandes empecilhos ao combate à violência movida pelo preconceito e a discriminação.

Autônomo, de 42 anos, o homem que teve um pedaço da orelha cortada estava abraçado ao filho quando ambos foram interpelados – eles não se viam havia dois meses. "Eu não sou gay, meu filho não é gay, mas a gente não tem nada contra. E aí se a gente fosse? E quem é? Meu Deus, se a pessoa não tiver o direito de viver como ela acha que deve, o que a gente faz", disse ele, em entrevista a Tatiana Fávaro, d'O Estado de S. Paulo.

Leia também sobre episódio da agressão na avenida Paulista: Truculência do povo das sombras [1] – avenida Paulista

terça-feira, 19 de julho de 2011

O Brasil da Era Vargas segundo Eduardo Escorel


CINEMA


O diretor Eduardo Escorel lançou recentemente a caixa reunindo três documentários em DVD intitulada Era Vargas. É um precioso retrato do Brasil desde os anos 1920, no período dos governos de Arthur Bernardes (1922-1926) e Washington Luís (1926-1930), até o Estado Novo e um pouco depois, embora a obra dê muitos elementos para se entender a história brasileira nos últimos 90 anos.

Os filmes não se resumem a episódios políticos. 1930 – Tempo de Revolução, por exemplo, é contextualizado com informações, muitas vezes pontuadas pela ironia, sobre o que acontecia no país da época: Semana de Arte Moderna, a chegada do rádio, os filmes exibidos nos cinemas na semana em que determinado fato acontecia etc.

Getúlio Vargas e Luiz Carlos Prestes: bons companheiros

O primeiro documentário, 1930 – Tempo de Revolução, vai até o fim da República Velha, mostrando um período de explosivas intrigas e turbulência política na incipiente democracia por fim golpeada duramente pela “revolução” de 1930, com a deposição de Washington Luís, que impediu a posse de Júlio Prestes, o então presidente eleito num processo eleitoral repleto de fraudes.

O segundo, 1932 – A guerra civil, como o primeiro, é enriquecido com falas de vários intelectuais, inclusive a do mestre Antonio Candido, que desmente cabalmente o mito de que a Revolução Constitucionalista era separatista. “O movimento de 32 não era separatista. Pelo contrário, era de homens movidos por sentimentos civilistas”, explica Candido. A luta era por uma nova Constituição e liberdades políticas, embora pautada por interesses muito claros de uma elite paulista muito pouco simpática a conquistas sociológicas importantes dos trabalhadores, por exemplo.

Caixa reúne três DVDs
O ideário paulista, derrotado porque São Paulo ficou isolado na luta, era “federalista, civilista, liberal e socialmente conservador, contra o governo central (de Vargas), que era autoritário e socialmente reformista”, diz o texto do próprio Escorel e de Sérgio Augusto. Paulo Sérgio Pinheiro deu uma declaração interessante no documentário, e que daria muito “pano pra manga” num debate organizado para discutir o tema : “a esquerda deveria fazer as pazes com 32”.

Finalmente, o terceiro filme, 1935 – O Assalto ao Poder, vai até bem depois do golpe do Estado Novo. Destaque é a maneira como o conjunto da obra mostra o extraordinário domínio de Getúlio Vargas sobre a cena política do país a partir do momento em que ele se torna visível no tabuleiro das disputas nacionais, ao ser nomeado, ainda por Washington Luís, ministro da Fazenda em 1926.

Os filmes, vale dizer, mostram também (pelo menos a meu ver) a dubiedade dos gestos políticos de Luiz Carlos Prestes e de seu Partido Comunista, a formação da coluna que levava seu nome e o de Miguel Costa, o trágico desaparecimento de Olga, até que, em 1947, “o que pareceria impossível afinal acontece: Getúlio Vargas e Luiz Carlos Prestes estão juntos no mesmo palanque. Getúlio se elegera senador pelo RS; Prestes, concorrendo pelo Partido Comunista, fora o senador mais votado no RJ”.

Se você gosta de política e cinema, vale a pena.

Serviço:

Era Vargas: 1930 – 1935 - caixa com três DVDs
Direção: Eduardo Escorel
Texto: Sérgio Augusto e Eduardo Escorel
Narração: Edwin Luisi e Paulo Betti
Preço sugerido: R$ 59,90

Leia também: entrevista com o diretor Eduardo Escorel, feita por este blog em março do ano passado: Contradições e problemas do cinema nacional.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Realidade e ficção: Sean Hoare, ligações perigosas e "The Ghost Writer" de Polanski

A morte do repórter Sean Hoare me remeteu imediatamente ao mais recente filme de Roman Polanski, The Ghost Writer (sobre o qual já escrevi aqui – veja link abaixo). Nele, o protagonista não era um jornalista, mas um escritor que aceita a tarefa de escrever a biografia do primeiro ministro britânico e acaba se envolvendo numa trama que o faz ter acesso a informações fatais, como, por exemplo, as íntimas ligações do homem forte do país com a CIA.


Sean Hoare
 Para quem gosta de teorias conspiratórias, não custa lembrar que o episódio da prisão de Polanski e as tentativas de extraditá-lo para os Estados Unidos por um suposto crime sexual pelo qual a própria vítima o perdoou, tudo isso ocorreu durante o processo de produção do filme The Ghost Writer.

Como se sabe, o jornalista Sean Hoare foi encontrado morto hoje em sua casa. Ele foi “o primeiro repórter do tabloide News of the World a afirmar” que Andy Coulson (ex-redator chefe do tablóide e depois diretor de comunicação do primeiro-ministro britânico, David Cameron) sabia que sua equipe fazia escutas ilegais, como se reproduz em sites de todo o mundo. Claro, Coulson nega tudo.

Curiosamente, a polícia “não trabalha com a hipótese” de ligação de sua morte com o escândalo das escutas telefônicas que levou ao fechamento do tablóide News of the World, do conglomerado do magnata australiano Rubert Murdoch. Claro que é impossível, a nós mortais, saber o que matou Hoare, que “tinha problemas com álcool e drogas” e pode ter morrido mesmo naturalmente. Mas a informação de seu alcoolismo é mais do que suficiente para conduzir a mais importante “linha de investigação” da polícia. Recentemente, Sean Hoare disse ao New York Times: "Há mais por vir. Isso não vai simplesmente passar". Como se vê, não deu tempo.

Jean Charles de Menezes

Esse detalhe (condução do caso pela polícia inglesa), por sua vez, remete ao assassinato do brasileiro Jean Charles de Menezes em 22 de julho de 2005 por policiais da Scotland Yard num trem de metrô. Segundo o próprio jornal News of the World (sim, ele mesmo) em matéria de janeiro de 2006, policiais que seguiam o jovem e inofensivo eletricista Jean Charles falsificaram provas dos equívocos que levaram à execução do brasileiro de 27 anos com sete tiros na cabeça.


Leia post sobre o filme de Roman Polanski clicando aqui: The Ghost Writer

Leia também: Roman Polanski está livre

domingo, 17 de julho de 2011

Adiós


Paraguai elimina Brasil de Mano Menezes da Copa América. 120 minutos de bola rolando mais quatro pênaltis... E nada da bola entrar





Agora eu pergunto: para a torcida e o time do Santos, está mal que Elano, Neymar e Paulo Henrique estejam de volta já nesta semana, esperando obviamente que os dois últimos continuem na Vila? Não, não está.

Para a o São Paulo, o retorno de Lucas não vai fazer diferença? Vai.

E assim, com a queda do Brasil ante o Paraguai nos pênaltis, o Brasileirão 2011 vai começar a pegar. Quanto à seleção, foi algo incrível que em 90 minutos de bola rolando, 0 a 0, mais uma série de pênaltis (2 a 0 contra), o time não tenha feito a bola entrar no gol uma única e miserável vez! Sinceramente, não tenho dados agora, mas isso deve ser inédito em se tratando da “amarelinha”.

“O Mano continua como técnico da seleção”, já anunciou o cartola-mor, Ricardo Teixeira. Não tenho simpatia pelo futebol e pelo tipo do Mano Menezes, não entendo certas insistências estranhas como André Santos na lateral esquerda. Neymar não foi brilhante, mas se movimentou, procurou jogo, apanhou, perdeu gols, infernizou os paraguaios.

Para colocar Fred, deveria ter tirado Pato, que foi muito mal, e não Neymar, como fez o treinador aos 34 do segundo tempo. Fred nada acrescentou. Depois, já na prorrogação, Menezes ainda tirou Ganso para colocar Lucas, que deveria entrar, sim, mas no lugar do inoperante Alexandre Pato mesmo. Sem Ganso, o time perdeu a criatividade no meio campo. Ficou um time bruto. E, depois de muito hesitar, o técnico finalmente mandou Elano a campo, no lugar do namorado da Barbara Berlusconi.

Robinho jogou muito, foi o melhor do time brasileiro. Ramires até que foi bem, mas o time não ficaria melhor com Elano ou mesmo Hernanes, que nem foi convocado? E Maicon pela direita? É tão voluntarioso quanto grosso. Não é ele nem Daniel Alves o cara da posição para 2014. O ciclo de Fred, se é que houve, acabou. O de Lúcio está no fim.

A filosofia da marcação

Goleiro paraguaio Justo Villar comemora
 A impressão é que a filosofia de Mano Menezes, marcar a qualquer custo, marcar, marcar e marcar, acaba sendo contraproducente diante de times que não têm muito o que marcar, como o Paraguai. Ao fim e ao cabo, a bola não entrou. Agora, não se pode responsabilizar o gramado por quatro pênaltis perdidos, como fez o treinador na entrevista coletiva após o fiasco.

Com todo esse monte de ressalvas, porém, seja dado um desconto a Mano Menezes pela desclassificação, em nome do imponderável no futebol, que fez com que algumas bolas não entrassem porque “deus não quis”, como se diz. Bolas de Pato, de Neymar, de Lúcio, de André Santos, de Ganso que mandou na trave, só pra mencionar algumas. Dado o desconto, é finita a competição para nosotros.

Finda para brasilenõs e argentinos, a Copa América de 2011 tem agora um favorito: o Uruguai.

PS: Se você quer saber algumas piadas sobre a desclassificação brasileira, é só ir aos comentários deste post.

*Atualizado à 00:33 (19/07)

Celeste mata Argentina de Messi; São Paulo contrata Adilson; Santos bate o Galo


RESENHA DE SÁBADO


O Uruguai de Forlán e do goleiro Muslera elimina nos pênaltis a Argentina de Messi e Carlitos Tevez da Copa América, na Argentina; o São Paulo contrata Adilson Batista, o "plano G"; e o Santos, num joguinho sofrível, derrota o Atlético-MG por 2 a 1.

1. Uruguai despacha Argentina - Num jogo espetacular no Estádio Brigadeiro Estanislao Pérez (Cemitério dos Elefantes), Santa Fé, a Argentina do endeusado Lionel Messi (de quem não sou fã) caiu diante do Uruguai do técnico Oscar Tabárez, de quem sou fã, responsável pelo projeto que levou os uruguaios ao quarto lugar da Copa do Mundo de 2010 e à, até aqui, semifinal da Copa América. Para quem não sabe, Tabárez comanda o trabalho de base da Federação Uruguaia que envolve todas as seleções, um projeto que valoriza a educação, para além do esporte. O ressurgimento do futebol da Celeste Olímpica não se dá por acaso.

No jogo em si, com dez jogadores durante quase todo o segundo tempo, o Uruguai ainda assim foi melhor. Seu goleiro Muslera fez uma partida antológica. Na prorrogação, a Argentina foi para cima, mas não conseguiu o desempate. O triunfo coroa uma atuação heróica da seleção de Diego Lugano, Forlán e Luizito Soares. E Messi termina a Copa América como encerrou a Copa do Mundo: sem nenhum gol pelo time de seu país, apesar de boa parte da mídia brasileira tratá-lo com um embasbacamento ridículo.

Na disputa de pênaltis, depois de 1 a 1 nos 90 minutos do tempo regulamentar mais 30 de prorrogação, Tevez, o jogador “mais popular” da seleção argentina, perdeu a cobrança que custou a desclassificação de sua seleção. Acontece, grandes jogadores perderam pênaltis decisivos (Zico, Sócrates etc). Não é por esse erro que Tevez vai ser maior ou menor do que é, mas definitivamente não é um jogador que vale os 40 milhões de euros que o Corinthians diz estar disposto a pagar pelo seu “passe”. Hoje, por exemplo, entrou muito mal no jogo, no lugar do ineficiente Aguero, e não acrescentou nada. Na Europa, Inglaterra, nunca brilhou.

Veja abaixo os gols da partida e a disputa de pênaltis:




2. Adilson Batista no São Paulo - Posso queimar a língua, mas a contratação do treinador Adilson Batista pelo São Paulo promete... para as torcidas rivais. Com campanhas péssimas por Corinthians, Santos e Atlético-PR de 2010 para cá, Adilson era o “plano G” do São Paulo, que não conseguiu, por um motivo ou outro, contratar Dunga, Cuca, Autuori e Dorival Júnior.

No Santos, por pouco ele não jogou pela janela os milhões que o clube investiu, perdendo a Libertadores já na primeira fase. Um vexame que a diretoria santista evitou ao demitir o treinador com a rapidez necessária. Com sua demissão, o time da Vila começou a arrancada rumo o tri continental com a vitória de 3 a 2 sobre o Colo Colo na Vila, ainda comandado pelo interino Marcelo Martelotte.


Foto: Divulgação/ Santos FC
 Adilson Batista estava desempregado desde 25 de junho passado, quando foi demitido do Atlético-PR após seis rodadas do Brasileiro, com cinco derrotas e um empate.

Acho que, se a diretoria do São Paulo tivesse um pouco de paciência, em duas ou três rodadas poderia contratar Dorival Júnior, que está desgastado no Galo, derrotado pelo Santos na Vila neste sábado, por 2 a 1. Abaixo.

3. Santos 2 x 1 Galo - A vitória do Peixe sobre o Atlético-MG de Dorival Júnior entra nesta resenha apenas para registro. Foi um jogo muito fraco, mas os três pontos foram importantes para o alvinegro da Vila, que, com gols de Danilo e Borges (de pênalti), chegou a 11 pontos e ao 13° lugar, com dois jogos a menos, devido às partidas adiadas com Corinthians e Fluminense, que serão em agosto.

Supondo que o time de Muricy vença essas duas partidas que faltam, e que devem ser na Vila Belmiro, somaria 17 pontos, e figuraria em quinto lugar na tabela. Já o Atlético-MG, com 11 pontos, está hoje no modesto 15° lugar.

Os gols do jogo:



Amanhã, domingão, tem mais.

Atualizado às 15:17

sexta-feira, 15 de julho de 2011

O Brasil como potência mundial

Uma instituição cuja importância e influência chega até a Casa Branca, o Council on Foreign Relations (CFR), publicou um relatório intitulado "Brasil Global e as relações EUA-Brasil", antecipado na semana passada pelo jornal O Globo e que tem sido divulgado meio timidamente esta semana em nossa imprensa.


Capa do relatório/Divulgação
 No documento, a instituição, que publica a revista Foreign Affairs, amplamente reconhecida nos meios diplomáticos mundiais, faz recomendações absolutamente inequívocas ao governo americano de Barack Obama sobre o Brasil.

Por exemplo: "É de interesse dos Estados Unidos entender o Brasil como um complexo ator internacional cuja influência nas grandes questões mundiais atuais apenas deverá aumentar". Para o CFR, o Brasil já não deve ser tratado mais apenas como uma potência continental, mas global.

E mais: o Council on Foreign Relations espera que os Estados Unidos "apoiem de forma plena a candidatura do país [Brasil] a uma cadeira como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU", pois, segundo os membros da instituição, “um apoio formal dos Estados Unidos ao Brasil reduziria a suspeita dentro do governo brasileiro de que o compromisso americano de uma relação madura e entre iguais não passa de retórica (...) Há pouco a perder e muito a ganhar com um apoio ao Brasil no CS neste momento".

Então, presidente, vai aceitar os conselhos?
O influente grupo recomenda também que o governo estadunidense elimine as tarifas alfandegárias para o etanol brasileiro.

É óbvio que a história do Brasil não começou com Lula. Mas é óbvio também que a crescente influência do país no mundo está sendo conquistada pela mudança de parâmetros da política externa brasileira desde o governo Lula, ao contrário do que era antes, uma política subserviente baseada na máxima “o que é bom para os EUA é bom para o Brasil”. Se não fosse por isso, o relatório não recomendaria uma relação “mais ampla e madura com o novo Brasil”, como o fez.

Só não vê quem não quer.

Atualizado às 19:38

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Neymar cala a boca dos urubus. E Brasil faz 4 a 2 no fraco Equador

A verdade é que Neymar, Pato e Paulo Henrique Ganso salvaram a pele do Mano. O Brasil ganha do Equador por 4 a 2 e pega o Paraguai nas quartas da Copa América. Se dependesse do todo-poderoso, arrogante e frangueiro Julio César, do pastor e zagueiro Lúcio e do beque Thiago Silva, enfadonhamente incensados por nossa velha mídia, a vaca tinha ido pro brejo.


Quarto gol: Robinho tabela com Maicon
 Se dependesse do flamenguista Renato Maurício Prado e do Paulo César Vasconcellos, do Sportv, ambos com seu ranço carioca provinciano, seria melhor que a seleção brasileira perdesse do que Neymar e Ganso brilhassem. Nem viram a tabela de Robinho (que odeiam) com Maicon na jogada do quarto gol (ao lado - vejam os gols abaixo). Meu deus, que pensamentozinho pobre.

Observações que não querem calar:

- o lateral direito Maicon provou ser o titular do time, fechando assim a avenida Daniel Alves pela direita da defesa brasileira.

- a zaga com Lucio e Thiago Silva demonstrou desentrosamento e foi vulnerável a uma dupla de volantes (Lucas Leiva e Ramires) que falhou notoriamente na proteção.

- quando eu era moleque, bem moleque, lembro da velha rivalidade cariocas x paulistas toda vez que aparecia a seleção brasileira na parada. Como a CBF (antiga CBD) era historicamente comandada por cariocas, estes sempre se arrogaram o direito de ser os porta-vozes da verdade do futebol brasileiro. Os porta-vozes do óbvio ululante. Esses caras, tipo Renato Maurício Prado e Paulo César Vasconcellos, são tão decadentes como Ricardo Teixeira.

É um exercício de memória, inclusive, dizer isso. Porque em minha adolescência, embora seja santista (da cidade de São Paulo) desde sempre, um dos meus ídolos no futebol foi Zico, um carioca. Não tenho nada contra os cariocas e, pelo menos no futebol, os paulistas não têm nada contra os cariocas.

O Renato Maurício Prado dizer que o gol (o quarto da seleção) de Neymar “até minha avó fazia”, francamente, pega mal a um cara de sua reputação. A jogada surgiu de um toquezinho de muita categoria de Robinho, que devolveu para Maicon arrancar e cruzar. Antes, o terceiro gol do Brasil, do Pato, aos 16min do segundo tempo, num rebote do goleiro do Equador Elizaga, surgiu de uma jogada de Neymar que me lembrou Romário, no Parque Antarctica, em 1997 (eu estava lá). Em jogada quase idêntica, o “Baixinho” infiltrou pela direita, chutou e, no rebote do goleiro Veloso, Sávio conferiu. O Flamengo fez 1 a 0 e eliminou o Palmeiras da Copa do Brasil (você pode ver esse gol de 14 anos atrás aqui ). O segundo gol do time do Brasil hoje foi um passe de Ganso à la Santos, para Neymar estufar as redes.



Falo de Romário porque, como paulista, não entendo essa raiva que figuras como Renato Maurício Prado têm do futebol paulista.

Em ótimo artigo publicado no Observatório da Imprensa nesta quarta-feira, 13 de julho [nota: antes do jogo de hoje], Antonio Carlos Teixeira diz: “Ao mesmo tempo em que se colocam como algozes de Neymar, Galvão [Bueno], Paulo César Vasconcellos, Arnaldo [César Coelho] e Renato Maurício são os anjos da guarda de Ricardo Teixeira. Não é a primeira vez que esses mesmos profissionais tentam colocar rótulo no jovem atacante do Santos”. O artigo na íntegra está aqui .

Portanto, é como eu disse no título do post: Neymar cala a boca dos urubus.

Atualizado à 1:59

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Estádio do Corinthians é oficializado como sede da Copa

"Talvez a abertura [da Copa do Mundo] não seja em São Paulo, pois todo mundo fica secando o Corinthians.” Com essa ironia, o presidente Andrés Sanchez comentou sua expectativa de a sonhada arena do clube abrir a Copa do Mundo de 2014, possibilidade cada vez mais próxima, depois que a FIFA ratificou oficialmente, nesta terça-feira, 12, o Itaquerão como sede da Copa do Mundo e, ao mesmo tempo, descartou o Morumbi. São Paulo é, com o futuro estádio corintiano, oficialmente a 12ª cidade a fazer parte do calendário da Copa.

Sanchez em coletiva na terça, 12
Reprodução
O estádio ainda não está definido como sede da abertura da Copa, mas isso deve acontecer em breve. O orçamento é de R$ 850 milhões (R$ 420 mi de incentivos fiscais da prefeitura), mas a construtora Odebrecht quer que haja margem para aumento, por conta da inflação. Deve chegar a R$ 1 bi.

Semana perfeita

O Corinthians passa por uma semana completa: é líder do Brasileirão, seu estádio será sede e provavelmente abertura da Copa do Mundo (ao mesmo tempo em que o Morumbi do rival São Paulo é descartado) e ainda sonha com a volta de Tevez. Neste último caso, não há como não inferir (ou “fazer ilações”, como se diz) que, se o negócio sair, os tais R$ 89 milhões (fora salário do jogador) de alguma forma poderiam ser uma espécie de “sobra”, uma “rapa” do orçamento da obra do estádio, apesar de o clube dizer que seria adiantamento de direitos de TV ou dívida da famosa MSI com o clube. É um montante impensável para o mercado do futebol brasileiro.

terça-feira, 12 de julho de 2011

BNDES recua, inviabiliza fusão Pão de Açúcar-Carrefour e evita mancha no governo Dilma

É oficial. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou a suspensão do que seria sua vergonhosa participação na operação de fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour, com aporte de nada menos do que R$ 4 bilhões.

Um financiamento público para viabilizar um negócio que prejudicaria a concorrência, afetaria o bolso do consumidor, o mercado de trabalho (com perdas ao trabalhador, claro) e o pequeno comércio, cada vez mais sufocado pelas grandes redes, negócio que, como diz post anterior sobre o tema (leia aqui), faria o cidadão “pagar do seu bolso a omissão do governo brasileiro quanto à sua função de regulador do mercado”. Em suma, um escândalo com potencial de manchar gravemente o governo Dilma Rousseff para sempre.

O BNDES tomou a decisão, segundo nota divulgada no início da noite, “frente ao comunicado do Conselho de Administração do Grupo Casino (sócio francês do Pão de Açúcar)”, que rejeitou a proposta de associação entre as empresas.

Negócio por negócio, continuemos, pois, no post abaixo, que trata da tentativa do Corinthians de recontratar o ídolo Carlitos Tevez, assunto com certeza mais divertido, embora, pelos valores envolvidos, seja quase inacreditável.

Carlitos Tevez vai voltar?

Um possível retorno de Tevez ao Corinthians seria bom ou ruim? Se a questão for analisada sob a ótica corintiana, é óbvio que seria ótimo. Ou não, já que envolve valores astronômicos? E de onde sairia o dinheiro? Segundo o jornal Marca Brasil, a MSI, “presidida por Kia Joorabchian”, teria “uma dívida de cerca de R$ 60 milhões com o alvinegro” e ajudaria no pagamento do valor que, diz-se, é de 40 milhões de euros para tirá-lo do Manchester City. Mas o que parece mais viável seria um empréstimo.


Jogador está insatisfeito no City

Tudo o que girou em torno do Corinthians de 2005 a 2007 foi nebuloso. Na época, a MSI, chamado “fundo de investimentos”, foi “parceira” do Alvinegro do Parque São Jorge. Notícias de máfias se movimentando com desenvoltura no Brasil, o Campeonato Brasileiro de 2005, transformado no mais suspeito da história do futebol nacional, com a anulação inédita de 11 jogos de maneira muito conveniente para os interesses do Corinthians, algo de que não se tem notícias no mundo, enfim, tudo foi nebuloso, como eu disse.

Uma possível volta de Carlitos vai trazer essas nuvens novamente ao futebol brasileiro?

Fora esses aspectos, falando estritamente em termos de ludopédio, seria bacana, mais um atrativo para o Brasileirão, pois Tevez seria mais uma estrela a se juntar a outras. Não sei se procede a informação de Milton Neves segundo a qual o técnico Tite caiu no início da temporada de 2005, após uma derrota para o São Paulo por 1 a 0, por influências de Kia Joorabchian.

Se aconteceu isso, então a vinda de Tevez começaria ameaçando um trabalho que, contra os prognósticos até dos corintianos, está dando muito certo. O Corinthians lidera o Campeonato Brasileiro no momento, e jogando um bom futebol. Seria muito ruim para o time e sua torcida que as nuvens escuras do staff de Carlos Tevez pusessem esse trabalho a perder.

PS [às 16:25] - Apesar de a proposta corintiana ter sido confirmada pelo Manchester City, o clube inglês teria recusado a oferta do clube paulista, segundo a ESPN.com.br.

Leia também artigo deste blogueiro publicado no Observatório da Imprensa em 18 de outubro de 2005 sobre a abordagem, pela mídia, do escandaloso Campeonato Brasileiro daquele ano, neste link: A culpa é do Giovanni.

Atualizado às 20:52

domingo, 10 de julho de 2011

Palmeiras ganha fácil do Santos por 3 a 0

No fim do primeiro tempo, com gols de Maikon Leite, aos 21min, Mauricio Ramos, aos 29min, e Patrik, aos 45, o Alviverde já tinha liquidado a partida pelo Brasileirão 2011 (Para saber sobre jogo mais recente pelo Paulistão 2012, clique aqui)

Num clima ainda de pós-Libertadores, sem as estrelas do time campeão continental, o Santos levou uma lambada de 3 a 0 do Palmeiras no Pacaembu neste domingo, 10, e o time alviverde segue fazendo jus ao estigma de asa negra do time da Vila. O Peixe não ganha do Palmeiras agora há sete jogos, desde 18 de abril de 2009 (semifinal do Paulistão), quando eliminou o rival do estadual ao ganhar por 2 a 1. O Palestra não perde do Santos pelo Campeonato Brasileiro desde 2006, quando o Alvinegro fez 5 a 1 na Vila Belmiro.

Golaço de Patrik, após falha de Possebon/Reprodução

No jogo de hoje, o Santos não teve meio de campo nem ataque. O goleiro Marcos praticamente assistiu à partida. Além dos desfalques cedidos à lamentável seleção brasileira de Mano Menezes, o Santos ainda não contou com o volante Adriano, contundido, e foi um arremedo do time campeão da Libertadores. Diogo (e depois Tiago Alves) e Rychely (depois Roger) foram absolutamente nulos, sombras de jogadores para atuar sequer como reservas do Santos. São muito ruins. Fora a falta de qualidade técnica desses jogadores, tem ainda o peso de atuar num time cujos titulares são Elano, Ganso e Neymar.

No Palmeiras, a ausência de Kleber acabou sendo bem resolvida por Maikon Leite, um jogador rápido, que pode desequilibrar na infiltração e no drible, como fez no primeiro gol. Patrik jogou muito bem no lugar do criticado e apático Lincoln e fez o golaço que surgiu graças a uma falha bisonha do sempre comprometedor Rodrigo Possebon (vejam a jogada do terceiro gol, abaixo). Luan fez uma partida inspirada, sendo dele as jogadas do primeiro (passe a Maikon Leite) e terceiro gols alviverdes.



Com a vitória, o Palmeiras vai ao G-4, em quarto lugar, com 18 pontos, 4 atrás do Corinthians, líder até aqui. E o Santos, com 8 pontos e dois jogos a menos, está em 16°. Como as duas partidas que o time da Vila deve são contra Fluminense e Corinthians em casa (supõe-se que ambos na Vila Belmiro), o Peixe pode chegar a 14 pontos, o que hoje lhe colocaria entre o sexto e o sétimo lugar, oito atrás do líder Corinthians. Não está tão mal. O campeonato só está no começo.

sábado, 9 de julho de 2011

Palmeiras deve ter Kléber contra o Santos sem estrelas no Pacaembu


Apesar de relacionado por Felipão, Gladiador não tem presença confirmada no clássico. Peixe tem a volta de Diogo e Danilo, herói da Libertadores


Até as pedras sabiam em julho de 2011 o calendário marcava a Copa América, mas a CBF colocou na tabela o clássico Palmeiras x Santos para este domingo (às 18h30), assim como o maior clássico carioca, o Fla x Flu.

No Paulistão deste ano, Palmeiras 1 a 0 na Vila
Foto: Divulgação/ Santos FC

Melhor para o Palmeiras, já que o Santos entra em campo desfalcado de suas estrelas Neymar, Ganso e Elano, servindo a seleção brasileira. Pelo menos o Peixe poderá contar com Danilo, autor do gol do título da Libertadores, liberado da outra seleção, a sub-20, para disputar o clássico (quem agüenta tanta seleção?). Já o Palmeiras tem o desfalque do zagueiro Thiago Heleno, que levou o terceiro cartão amarelo contra o América-MG. E Lincoln foi sacado do time por Felipão e não foi sequer relacionado. Deve jogar Patrik. A boa notícia para os palmeirenses é que Kléber deve voltar e encerrar a novela de sua permanência ou não no clube.Ele foi relacionado para a partida, mas sua presença na partida não foi confirmada por Felipão.

O Santos não ganha do Palmeiras há seis jogos. A última vitória santista foi em 18 de abril de 2009, na semifinal do Paulistão, por 2 a 1, quando o Peixe eliminou o rival do estadual para fazer a final com o Corinthians. Desde então, quatro vitórias palmeirenses e dois empates. E, ainda, o Palmeiras não perde do Santos no Campeonato Brasileiro desde 2006, quando o Alvinegro arrasou o adversário fazendo 5 a 1 na Vila Belmiro. No ano passado, pelo Brasileirão, Palmeiras 2 x 1 no Pacaembu e, no returno, 1 a 1. No último confronto, pelo Paulistão, Palmeiras 1 a 0 na Vila, gol de Kléber.

O Santos terá a defesa inteira, pelo menos. Diogo, que volta depois de longa recuperação de uma fratura por stress, deve jogar como segundo atacante, ao lado de Borges, que tem três gols na artilharia. Luan, com quatro, é o artilheiro alviverde na competição.

Apesar de ser um jogo que perde o brilho por falta das estrelas santistas, não acho que o Palmeiras seja favorito, pelo futebol sonolento apresentado no 1 a 1 com o América mineiro.

Escalações

O Santos de Muricy Ramalho deve entrar em campo com Rafael; Pará, Durval, Edu Dracena e Léo; Possebon, Arouca, Danilo e Diogo; Richely e Borges.

O Palmeiras de Luiz Felipe Scolari deve entrar com Marcos; Cicinho, Maurício Ramos, Chico (Leandro Amaro) e Gabriel Silva; Márcio Araújo, Marcos Assunção e Patrik; Maikon Leite, Luan e Kleber.

Leia também:

Santos x Palmeiras – Clássico de tradição e grandes jogos

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Marina Silva sai do PV e vira uma incógnita

Fundadora, militante do PT por 30 anos, senadora, ministra do Meio Ambiente de Lula, Marina Silva deixou o governo e o partido para filiar-se ao PV em agosto de 2009, para ter legenda e disputar a presidência da República em 2010. Na eleição, com 19,6 milhões de votos, levou a disputa entre Dilma Rousseff e José Serra ao segundo turno quando muitos contavam com a vitória antecipada de Dilma no primeiro.

Foto: José Cruz/ ABr
No evento em que anunciou sua saída do PV nesta quinta-feira, 7 de julho, não disse que será nem que não será candidata em 2014. Traduzindo: tentará ser. Diz-se que por um partido novo, a ser fundado depois das eleições de 2012.

A verdade é que Marina não conseguiu vencer a disputa com o deputado federal José Luiz Penna, presidente do PV desde 1999, e que, tudo indica, se considera dono vitalício do cargo. Aliado mal-disfarçado do tucanato paulista, Penna ficará com a pequena máquina partidária do PV, à qual mesmo aliados de Marina continuarão vinculados para ter legenda no ano que vem. E Marina, a princípio, sem máquina alguma.

Mesmo discordando do projeto político de Marina (que projeto?), reconheço que foi marcante seu gesto de sair do PV: não foi à francesa, foi um gesto, como diria Milan Kundera.

A ex-senadora e seus liderados parece que elegeram o combate ao novo Código Florestal como primeira bandeira. Não é uma bandeira desprezível, até concordo com ela.

Marina conseguiu sair do segundo turno da eleição de 2010 com um capital político considerável: os quase 20 milhões de eleitores e o trunfo de não ter se comprometido publicamente nem com Dilma nem com Serra no segundo turno, evitando se queimar com qualquer dos, para mim, três perfis majoritários de seus votos: a classe média insatisfeita com o PT, mas incapaz de abraçar as causas inescrupulosas de uma oposição sem propostas, agressiva e truculenta; a classe média insatisfeita com o PSDB, mas incapaz de entender o que significa um governo popular como o de Lula (eleitores que adoram a natureza e desbravar as trilhas em possantes jeeps 4X4); e a classe média que tem ódio do PT, mas se afastou da oposição demo-tucana por motivos vários.

Marina quer ser líder de uma “nova política”, um conceito contraditório para quem tem as origens combativas de Marina Silva, na medida em que parece corroborar a velha máxima usada pela direita segundo a qual “os políticos são todos iguais”, máxima que procura atingir o inconsciente coletivo das pessoas mais simples e ignorantes, as que você ouve na padaria, na feira, no ônibus, no metrô, em todo lugar, dizendo sempre a mesma coisa: “político é tudo igual”.

Enfim, se quiser se viabilizar para 2014, Marina não tem muito tempo para mostrar em quê é diferente. Para mostrar que tem uma agenda. Mas ela pode, simplesmente, ter capitulado diante de um político profissional chamado José Luiz Penna, o imperador do PV, que lhe deu a legenda em 2010 e agora cobrou a conta.

“Estamos em um movimento de metabolizar uma nova forma de fazer política”, disse a recém-desfiliada. Eu perguntaria: What’s this, cara pálida? Sem um partido estruturado, nem Marina nem ninguém pode ter grandes pretensões. Mas ela pode, por exemplo, estar pensando a longo prazo pragmaticamente, como ser vice numa chapa, quem sabe. Teria cacife.

A ver.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Carpegiani cai após ganhar 66% dos pontos que disputou pelo São Paulo


Foto: Rubens Chiri/ saopaulofc.net

Após nove meses, 46 jogos, 29 vitórias, quatro empates e 13 derrotas, um aproveitamento de 66% dos pontos disputados, o técnico Paulo Cesar Carpegiani deixa o São Paulo. Apenas a título de comparação: o Fluminense campeão brasileiro de 2010 teve 62% de aproveitamento nas 38 rodadas da competição. O desempenho do treinador no Tricolor paulista é quase idêntico ao de sua primeira passagem, em 1999: 114 jogos, com 70 vitórias, 13 empates e 31 derrotas, aproveitamento de 65%, segundo o SPFC.

Mas o técnico não resistiu à terceira derrota seguida, com oito gols sofridos e nenhum a favor. Foi uma goleada histórica para o Corinthians, por 5 a 0, depois da qual ainda viria o 2 a 0 ante o Botafogo no Morumbi e a queda de ontem, 1 a 0, para o Flamengo no Rio.

Curiosa a campanha do treinador pelo São Paulo neste Brasileiro. Começou arrasador, mesmo não jogando um futebol convincente, com cinco vitórias. E depois... Agora, os são-paulinos podem ter Cuca, desempregado, ou Dorival Júnior, que chegou, com o Atlético-MG, à sua pior sequência: seis jogos sem vitória após a derrota de 3 a 0 para o Ceará, nesta quarta, 6 de julho.

Outra curiosidade: quando saiu do Atlético-PR para o time do Morumbi em outubro de 2010, Carpegiani havia feito uma excelente campanha, tirando o Furacão da zona de rebaixamento e deixando-o na quinta posição. Hoje, o treinador não serve para o SPFC e o Furacão é o lanterna do Brasileiro 2011.

Atualizado às 16:35

Pão de Açúcar e Carrefour: mais uma vez, quem vai se ferrar é o consumidor

Se a fusão se concretizar, o cidadão vai pagar do seu bolso a omissão do governo brasileiro quanto à sua função de regulador do mercado


A rua Teodoro Sampaio, em Pinheiros, zona Oeste de São Paulo, é um dos centros comerciais de varejo mais importantes da capital paulista e mesmo da Grande São Paulo. Ali, você encontra de tudo, principalmente roupas, móveis e eletroeletrônicos.

Mas as coisas estão mudando por ali. Por exemplo: você entra numa loja do Ponto Frio para saber quanto custa um aparelho eletrônico, digamos uma TV 32’’. O preço é R$ 1.199,90. Você olha o produto, pede informações sobre ele e diz ao vendedor que volta depois. Você sai e, na loja ao lado, a Casas Bahia, pergunta o preço do mesmo aparelho. A vendedora, com um sorrisinho maroto, diz:

– É o mesmo preço da casa ao lado. É do mesmo dono.

Isso já aconteceu comigo e acontece a toda hora. Cada vez mais, no Brasil. E onde está o Conselho Administrativo de Defesa Econômica*, o famoso Cade, subordinado ao Ministério da Justiça?

Um grande empresário da região de Osasco, numa entrevista em seu escritório há três ou quatro anos, me disse que, se o Cade funcionasse, a Gerdau, potência na produção de aço no país, não faria o que quer no mercado.

Sobre a polêmica, e ainda não concretizada, fusão do Pão de Açúcar com o Carrefour, o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Júnior, disse o seguinte hoje, publicado em toda a imprensa: "A concentração gera aumento de preços. No mínimo, desestimula a queda. Tira um concorrente peso-pesado do mercado. A fusão vai gerar uma concentração bastante pesada. Quando junta os dois, gera uma empresa que passa a ser a terceira maior empresa brasileira, só atrás da Petrobras e da Vale".

Pellizzaro Júnior continua: "A grande pergunta é: qual é a função do BNDES? Ele tem função de fomento, não de lucro. Isso traz benefício para o brasileiro? Enquanto a gente vê micro e pequenas empresas pagando juros acima da realidade, vê dinheiro público nessa operação que não é produtiva, mas especulativa".

Você discorda da avaliação do presidente da entidade de dirigentes lojistas? Não tem como. A questão, como se vê, vai da indústria ao comércio. Pois a questão da concentração econômica também está no cerne da fusão entre Sadia e Perdigão, que redundou na BRF - Brasil Foods. E também estava no cerne da criação da Ambev.

A crítica mais cabal à operação de fusão Pão de Açúcar-Carrefour é a que acusa o BNDES, uma instituição pública, de participar de um negócio que vai prejudicar enormemente um único ator social: o consumidor. Que, cada vez mais, está submetido à vontade vampiresca dos oligopólios, com a bênção do governo brasileiro. Seja o governo de Fernando Henrique, seja o de Lula ou Dilma Rousseff.

Atualizado às 12:01

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Melhores termos de busca – primeiro semestre do ano da graça de 2011

A seção “Melhores termos de busca” deste blog (que alguns conhecem, outros não) começou mensal, passou a bimestral e agora é semestral. Por falta de tempo, a periodicidade foi aumentando. Mas, como é divertido e, como diziam meus avós, “instrutivo” fazer (e ler), segue nesta primeira versão semestral a coletânea dos termos mais significativos, interessantes ou engraçados, e mesmo bizarros, que os internautas digitaram no Google ou outros sites de busca para encontrar este Fatos Etc.

Os termos de busca abaixo coletados, em itálico e mantendo a grafia original em que foram digitados, são de janeiro a junho de 2011. É um exercício de paciência, sabedoria e conhecimentos em psicologia dar respostas às questões que tanto afligem os internautas, mas eu tento!

Seguem então os melhores termos de busca do semestre:

por onde anda herodoto barbeiro
Resposta do blog: Desde que Heródoto trocou a CBN pela Record (leia clicando aqui), não se teve mais notícias dele. Neste blog mesmo, até hoje leitores acessam o post acima linkado em busca de notícias. Mas Heródoto parece que desapareceu nos corredores da Record, como num conto de Cortázar.

www.oqueneymar.vil
R: Sim, alguém digitou essa URL como termo de busca. Das duas, uma: ou a pessoa que digitou isso está começando a aprender a usar internet, ou trata-se de um hacker ou mesmo um terrível cracker. Por isso, nunca tentei acessar tal site, que não deve existir. Mas o termo www.oqueneymar.vil pode também significar uma nova vertente, pós-cibernética, da poesia concreta.

o mundo hoje vai acabar
R: Como tudo mundo sabe, não acabou

o que chico buarque quis dizer com mulher sem orificios
R: Eita, Chico, precisava me fazer passar por essa, Chico? (o termo "Amar uma mulher sem orifício" é um verso da letra da nova canção de Chico Buarque "Querido diário', que você pode ouvir e ler clicando aqui).

é mentira o centézimo gol do rogério ceni?
R: Este é um termo de busca com certeza de um corintiano, com a esperança de achar em São Google uma resposta favorável. Mas encontrou o post em que, humildemente, eu advogo a tese de que não, amigo internauta, não é mentira, é verdade o centéSimo gol de Rogério. Ele foi marcado na partida São Paulo 2 x 1 Corinthians, dia 28 de março de 2011, pelo campeonato Paulista, e o post sobre essa fatalidade para uns e felicidade para outros rendeu um bate-boca nos comentários que, felizmente, foi apenas virtual.

é verdade que o corinthians já teve estadio
R: As questões corintianas são bastante freqüentes neste como em qualquer blog, como vocês vêem. Ao autor desta questão, informo: prezado internauta, o Corinthians não só teve como continua tendo um estádio, que é chamado Parque São Jorge. E um novo estádio, que hoje em dia se chama de arena, está em vias de ser construído em Itaquera, zona Leste da capital, embora ainda haja controvérsias e polêmicas, como se pode constatar neste post e respectivos comentários: Câmara Municipal aprova incentivos fiscais para Itaquerão.

os descendentes de perry Smith
R: Não há em nenhum lugar, ao que parece, informações disponíveis sobre descendentes de Perry Smith, homicida do famoso caso da família Clutter, tema do livro A Sangue Frio, de Truman Capote.


encontre-se na da torcida do santos no pacaembú
R: Caro internauta, Pacaembu, uma oxítona terminada em “u”, não tem acento.

quem era elano antigamente e quem é ele hoje?
R: Este blog não é especializado em analisar celebridades psicologicamente. A exceção foi o professor Dorival Júnior, mas são águas passadas.

quem é gabriel megracko
R: Termo de busca que merece uma resposta séria: é um poeta contemporâneo que está linkado em um menu à direita neste blog, ou aqui.

o q sao fatos
R: Do Aurélio: Fato. [do lat. factu] 1. Coisa ou ação feita (...) 2. Aquilo que realmente existe, que é real.

o que é a primavera
R: Para simplificar, é a estação que vem depois do inverno e antes do verão.

lei criada em novembro 2010 pela marta suplicy, paul mccartney etc
R: Não conheço nada sobre isso no sistema legal brasileiro!

como curar a síndrome de abstinência
R: Caro pesquisador, para uma resposta mais precisa seria necessário saber: abstinência de quê?

Atualizado às 23:27
Publicado originalmente às 22:52 de 05/07/11

Fina apela à Corte Arbitral no caso Cesar Cielo

A Federação Internacional de Natação (Fina) encaminhou uma apelação à Corte Arbitral do Esporte (CAS) da decisão da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, que apenas suspendeu os nadadores brasileiros Cesar Cielo, Henrique Barbosa, Nicolas Santos e Vinícius Waked, aparentemente “flagrados” em exame antidoping que teria detectado a substância furosemida, um diurético que poderia “mascarar” a presença de outras drogas.


Cielo em coletiva sobre o caso/Reprodução

A informação da apelação foi divulgada pela própria Fina em seu site oficial. "A Fina decidiu apelar à Corte Arbitral do Esporte (CAS) das decisões do painel de doping da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos no assunto dos testes positivos de doping para a substância furosemida para os nadadores”, afirma a entidade, que esclarece: "Os atletas não estão atualmente suspensos e a apelação, em princípio, não tem efeito de suspender seus direitos de participação em eventos na pendência de uma decisão”. A federação esclarece que o CAS é a “única autoridade” que poderia tomar uma decisão de uma suspensão provisória.

Portanto, a princípio Cielo deve participar do Mundial de Esportes Aquáticos em Xangai, na China, entre 16 e 31 de julho.

O que eu penso da questão doping de atletas e os questionáveis sistemas antidoping já escrevi no post Cesar Cielo, o doping nos esportes e a condenação a priori.

A quem interessar, íntegra da nota oficial da Fina em seu site (em inglês) está neste link.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Ernest Hemingway (1899-1961)


No último dia 2 de julho completaram-se 50 anos da morte de Ernest Hemingway (1899-1961), um dos mais importantes escritores norte-americanos da primeira metade do século XX, ao lado de Jack London (1876-1916), Scott Fitzgerald (1896-1940) e John Reed (1887-1920) – todos autores de uma geração anterior à de Norman Mailer e Truman Capote.

(Há que se mencionar a importância de John Reed, escritor que, morto muito jovem, aos 33 anos, não deu sequência à carreira, mas cuja força pode ser medida mais pela pequena mas valiosa coletânea de contos A Filha da Revolução do que pelo best seller Os Dez Dias que Abalaram o Mundo, uma reportagem, aliás, extraordinária.)

Voltemos a Hemingway, que escreveu obras importantes como O Sol Também Se Levanta (1926), Adeus às Armas (1929), Por Quem os Sinos Dobram (1940) e outras, além de seus contos, embora seja mais popular pela novela O Velho e o Mar (1952).

Com sua narrativa direta, às vezes telegráfica, sem a intermediação de adjetivos, e com descrições, quando há, muito econômicas, Hemingway foi aquele escritor que muitos jovens ambiciosos gostariam de ter sido. Ele e Jack London são seminais na literatura que posteriormente gerou uma legião de herdeiros, entre os quais Charles Bukowski e Jack Kerouac.

Como personalidade, não é exatamente um exemplo . Gostava de armas e tinha entre seus hobbies a caça. Foi à Primeira Guerra como motorista de ambulância. Essa experiência serviria de fonte para um de seus melhores romances, Adeus às Armas. Nessa obra-prima, Hemingway incorpora muitas de suas experiências pessoais, mas ainda se mantém fiel à ficção. A solução de fazer literatura da vida real seria radicalizada por Capote, ao desenvolver a não-ficção do new journalism.

Para Hemingway, a caça e a guerra eram mais do que simples elementos de prazer ou literários. Estavam por trás de uma obsessão à qual o escritor finalmente acabaria sucumbindo em 2 de Julho 1961, em Cuba, quando se suicidou com um tiro de um fuzil de caça que, colocado sob o queixo, pulverizou seu cérebro.

domingo, 3 de julho de 2011

Te cuida, Mano


Foto: Divulgação/CBF
 Na estreia do Brasil da Copa América de 2011 em La Plata, contra a Venezuela, a seleção de Mano Menezes ficou num 0 a 0 tão melancólico como a Argentina na estreia, com o decepcionante 1 a 1 ante a Bolívia.

O segundo tempo do Brasil foi tão ruim que o goleiro venezuelano Vega não defendeu uma bola sequer, que me lembre. O comentário, claro, e o mais fácil, é o de que Ganso, Neymar, Pato e Robinho não brilharam, como se você juntar um monte de craques fosse suficiente para se armar uma grande equipe. No potal Terra, a manchete foi: “Quarteto ofensivo falha e Brasil decepciona em estreia contra Venezuela”.

A verdade é que:

1) a batata de Mano Menezes vai assar nessa Copa América, se a seleção não convencer. Um time com tal elenco não apresentar nada até agora, nem coletiva nem individualmente, não pode ser culpa de Daniel Alves, André Santos, Paulo Henrique, Pato, Fred, Robinho, Neymar ou outros. O time não tem padrão tático. A insistência em Ramires é incompreensível, se pensar que Hernanes, da Lázio, nem foi convocado, para não falar de Arouca. Quanto a Elano, que hoje entrou no segundo tempo, tem que dar um desconto, pois ele está na segunda temporada sem férias. Robinho, de quem sempre fui fã, parece fora do tom na seleção e tem que sair. E Fred é lento, não chega a 2014.

Esquemas e pranchetas

Esse negócio de esquema 4-2-3-1 ou coisa que o valha é falta do que inventar. O esquema básico de Mano é o 4-3-3 mesmo, variando para o 4-2-4 dependendo do jogo. O resto é pra vender jornal. O tal 4-2-3-1 é para quem gosta de prancheta, como se o futebol fosse tão fácil de esquadrinhar como um jogo de xadrez, sem dinâmica. Daqui a pouco vão inventar o 4-1-1-2-2 ou o 4-2-1-1-1-1 e todo mundo vai achar genial. Podem me chamar de ignorante, mas para mim o 4-2-3-1 não existe. E o famigerado 3-5-2, que contou com alguns adeptos por aqui (como Felipão e o próprio Muricy Ramalho) felizmente está em extinção.

Saindo da prancheta e voltando ao Mano, dos três jogos a considerar feitos até aqui pela seleção sob o comando do treinador, foram duas derrotas (para Argentina e França) e um empate (recentemente, 0 a 0 contra a Holanda, em Goiânia), todos amistosos. O 0 a 0 com a Venezuela acende a luz amarela.

- *Não houve "melhores momentos nesse jogo". Houve um melhor momento: a defesa espetacular do zagueiro venezuelano Vizcarrondo, que o Galvão Bueno custou a admitir que não foi pênalti:



2) a Copa América mostra os efeitos de o calendário do futebol ser um no Brasil e outro no resto do mundo. Enquanto na Europa os clubes estão em férias e começam a temporada em agosto, no Brasil ninguém sabe quais serão os times em campo a partir do mesmo agosto, quando o Brasileirão estará do meio pro fim do 1° turno e a Europa inicia suas ligas nacionais.

Duvido que corintianos, são-paulinos, palmeirenses, flamenguistas, cruzeirenses, vascaínos, gremistas etc, e até os mais tranqüilos santistas, estejam preocupados com a Copa América. Mas o calendário meio que quebra o Brasileirão em anos de Copa do Mundo e Copa América, hoje mega eventos de negócios feitos para os novos talentos serem expostos na vitrine.

*Atualizado às 23:21

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Cesar Cielo, o doping nos esportes e a condenação a priori

O doping no esporte, ou melhor, a maneira como é tratado pelos sistemas esportivos antidoping e pela mídia, sempre me pareceu uma covardia com o atleta “flagrado”, independentemente de ele ter ou não agido com dolo.

No caso que estourou hoje, do nadador Cesar Cielo, isso se repete. E eis que, na ESPN Brasil, ouvi o depoimento do médico Sabino Loguércio, autoridade no assunto, que, me parece, foca com precisão os motivos do incômodo que o tema provoca, pelo menos em mim. Diz Loguércio que o sistema antidoping é “absurdo” e afronta a Constituição de qualquer nação, por ser um sistema “contra os direitos humanos e a ética médica”.

Cielo em Pequim (2008)
Foto: Washington Alves/
Divulgação COB
Para ele, esse sistema de controle (que eu, acrescentando, reputaria kafkiano) “não pode invadir o organismo do indivíduo e dele extrair uma notícia infamante” contra esse indivíduo, no caso o atleta Cesar Cielo ou outro em sua situação. Após ouvir a opinião do médico, procurei e achei no Youtube uma entrevista dada por Loguércio há cerca de quatro anos a Juca Kfouri, em que aborda o mesmo tema (a entrevista é longa, por isso posto abaixo apenas a primeira parte, que já é esclarecedora).

O esporte possui um sistema de punição que realmente afronta os mais básicos direitos humanos e as garantias individuais. Graças aos sistemas de controle antidoping, um atleta como Cesar Cielo é jogado aos leões e às manchetes sumariamente, e todo o estrago que for feito à sua imagem e à sua carreira pelo pré-julgamento, pela exposição e por uma condenação tácita a priori (contra o preceito de que todo cidadão é inocente até prova em contrário) será provavelmente irreparável.

Segundo Sabino Loguércio, há tecnologia suficiente para que se faça um controle preventivo do doping nos esportes. O que eliminaria muitas injustiças e pré-julgamentos.

Voltando ao caso atual, não tenho motivos para defender ou julgar Cesar Cielo, sou leigo em medicina, não estou por dentro do processo (é muito fácil julgar e condenar de ouvir falar). Se ele fez uso de substância proibida para dela auferir vantagem na disputa nas piscinas, deve ser punido. Mas, se não fez, como repará-lo dos danos causados pela notícia e, principalmente, pela exploração midiática da notícia?

De mais a mais, e aqui vai uma impressão pessoal mesmo, não consigo imaginar que um atleta como Cielo (campeão olímpico dos 50 metros livre nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008, campeão e recordista mundial dos 100 metros livres e campeão mundial dos 50 metros livres em Roma, em 2009, ganhador de três medalhas de ouro e uma de prata nos Panamericanos de 2007, no RJ*, entre outras conquistas) vá tomar um remedinho para conseguir resultado num mero Troféu Maria Lenk.

Segundo matéria do Uol, “A farmácia de manipulação que produz suplementos para Cesar Cielo assumiu a culpa pelo exame positivo do campeão olímpico e mundial” e mandou um relatório à Confederação Brasileira de Desportes Aquáticos “avisando que causou a contaminação das cápsulas de cafeína ingeridas por Cielo e outros três nadadores”.

Tá, e como é que fica o atleta, cuja foto amanhã ilustrará todos os jornais do país com a subliminar ou direta informação de que é um suspeito de se dopar para ganhar frações de tempo num torneio secundário?

Veja a primeira parte da entrevista de Sabino Loguércio a Juca Kfouri há cerca de três anos:



*Fonte: Wikipedia

Revista dos Civita é condenada a dar direito de resposta a entidades islâmicas


De vez em quando a justiça acerta o alvo, quando está em jogo a falta de escrúpulos de uma parte enorme e poderosa de nossa “grande” imprensa, e a maneira fácil com que ela agride, ofende e mancha reputações de pessoas e instituições. No caso em questão, das comunidades islâmicas no Brasil. A matéria abaixo é do Última Instância:

Justiça condena revista Veja por associar islâmicos com terrorismo

A juíza Cláudia Maria Pereira Ravacci, da 35ª Vara Cível de São Paulo, condenou a revista Veja e a Editora Abril, pela reportagem “A rede do terror no Brasil”, publicada no dia 6 de abril deste ano. A ação, movida pela União Nacional das Entidades Islâmicas, pediu direito de resposta. A decisão é desta quinta-feira (30/6).

A revista afirma na reportagem ter tido acesso a documentos da CIA (agência de inteligência norte-americana), FBI (polícia federal norte-americana), Interpol (polícia internacional) e Polícia Federal que mostravam supostos extremistas islâmicos no Brasil. A publicação diz ainda, que essas pessoas citadas usavam o país como base de operações e aliciavam militantes.

A autora da ação, representada pelo advogado Adib Abdouni, congrega 16 entidades islâmicas. O advogado , afirma na petição inicial que o conteúdo da reportagem era ofensivo e tendencioso. “De acordo com a Polícia Federal, sete organizações terroristas islâmicos operam no Brasil”, dizia o trecho extraído da revista. Para a entidade, a reportagem fere o sentimento religioso islâmico.

De acordo com a petição, houve uma audiência reservada na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, na Câmara dos deputados na qual o ministro da Justiça afirmou que as informações publicadas eram falsas. A União alega que no Brasil a Constituição Federal assegura a liberdade de crença e religião.

A entidade pediu que a revista fosse condenada a publicar o direito de resposta. O conteúdo, segundo a petição, deverá ocupar o mesmo espaço que a reportagem e deverá esclarecer a cultura islâmica. Segundo a entidade, o objetivo é “desvincular a ideia de terrorismo junto à fé professada pelos mulçumanos”.

“As ofensas contidas no texto impugnado causam lesão a direitos da coletividade mulçumana, dando ensejo, ao direito de resposta reivindicado”, diz Adib Abdouni.

Do Última Instância