quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Das cinzas do carnaval, emerge o futebol

Boa essa do título para uma quarta-feira de cinzas, hein! Mereço um cartão amarelo. Mas a verdade é que o Paulistão – hoje um treino de luxo – é tecnicamente um desastre. As equipes do interior são muito fracas, e também violentas, e os grandes só fazem azeitar as engrenagens para a temporada. (A única coisa a se destacar neste longo feriado momesco vem da Itália: a vitória do Nápoli por 3 a 1 contra o Chelsea, pelo jogo de ida das oitavas-de-final da Champions League, num belíssimo jogo.)

Ressalva feita e parêntese fechado, a vitória de 2 a 0 do Santos sobre o Comercial em Barueri foi categórica. O time de Ribeirão Preto, do treinador Márcio Fernandes, com marcação quase implacável, retranca e botinadas, cumpriu o script. Fazer o quê? Pode parecer chororô, mas a tolerância da arbitragem em São Paulo com a violência é acintosa. A truculência dos brucutus viceja contra qualquer um que se sobressaia da mediocridade geral, mas Neymar é a vítima maior. O rodízio de faltas incentivadas por árbitros bananas como esse senhor Aurélio Santanna Martins é revoltante.

Mesmo assim, o primeiro gol do Peixe, de Ibson, saiu de jogada espetacular dele, Neymar. Observem no vídeo o momento em que ele passa para Ibson. São cinco os jogadores do adversário que, embolados, ficam na saudade. A defesa do Comercial quase faz um strike de si mesma. Um golaço. Na falta que originou o segundo gol, podem dizer que Neymar faz teatro. Mas se o cara acerta aquele carrinho de jeito, quebra a perna do moleque. E como é que fica? Precisa o que mais para dar cartão vermelho, quebrar a perna?





Violência e mediocridade do adversário à parte, Ganso volta aos poucos a jogar bem, mas ainda não está no nível do primeiro semestre de 2010. Fez um belo primeiro tempo: passes precisos, inteligência no meio, e foi bem até voltando para marcar. Porém, não manteve o mesmo nível no segundo tempo e às vezes parece afoito ao tentar dar de primeira bolas que deveriam ser mais cadenciadas ou pensadas.

Elano entrou na segunda etapa e mostrou que, se e quando estiver em forma, dá de dez no Ibson. Alan Kardec (cujo pé direito um zagueiro do Comercial quase quebrou num pisão, no fim do jogo) fez em um minuto o que Borges não conseguiu em toda a partida. Ao volante Henrique, prefiro muito mais o jovem Ânderson Carvalho. O lateral Juan tem sido agradável surpresa; resta saber como será ante times mais poderosos, tipo o Internacional, pela Libertadores, dia 7 de março, o primeiro jogo decisivo do Santos em 2012, pois, se perder, ficará bastante desconfortável na tabela.

Timão bate fácil a apequenada Portuguesa

O que se pode ressaltar de Portuguesa 0 x 2 Corinthians no Pacaembu (a Lusa preferiu mandar seu jogo na casa do Timão) é que, na mesma toada de sempre, a equipe de Tite vai levando. O jogo foi muito ruim. A Portuguesa, infelizmente, pelo que vi hoje, não tem time para se manter na primeira divisão do Brasileiro que começa em maio. A natimorta “Barcelusa” não tem poder de fogo, nem criação, nem pegada, nem nada. Sem ambição, é uma equipe a perseguir tediosamente o fim da partida sem acreditar em si mesma. Consegue se manter numa honrosa 10ª posição terminada a nona rodada do campeonato, sem ainda ter chegado ao G-8 de um campeonato de baixo nível. A Portuguesa definitivamente só é “grande” na tradição.

No Corinthians, não sei por que o ágil e bom atacante Willian ainda não é titular. O lateral Fábio Santos é uma peça chave e o meia Danilo vai superando desconfianças e se firmando como uma peça importante a cada jogo, apesar do fantasma do recém-chegado Douglas, mais um gordo para fazer dieta e companhia a Adriano no Parque São Jorge.

Os gols de Portuguesa 0 x 2 Corinthians


5 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Epaa... mais um gordo? Tem uma diferença fundamental entre Douglas e Adriano (e quem diria, em favor de Douglas!), é o comprometimento com o futebol e com o time. Logo ele estará em forma e, em forma, é um ótimo jogador, que o Grêmio não soube aproveitar. Também acho o Fábio Santos um bom jogador - tem muito corintiano que não acha -, principalmente diante do nível de mediocridade geral que impera nas laterais brasileiras...

Sobre a pancadaria no Paulista, isso é ótimo para os times que estão disputando a Libertadores - já que essas equipes (Corinthians e Santos), de fato, estão usando mais o campeonato como um treino de luxo que qualquer outra coisa -, porque em Libertadores a pancadaria também come solta... O Corinthians, sem ter nenhum Neymar, já apanhou pra caramba do Táchira no primeiro jogo - e pode-se dizer tudo do time de Tite, mas é um time que joga limpo, sem violência (tanto é que já vi um sem número de vezes os microfones da transmissão pegando o Tite gritando "sem falta!" à beira do gramado) e precisa que deixem jogar... Saudações.

Edu Maretti disse...

Olha, não há nada que justifique a violência fora do comum contra o Neymar. O próprio Muricy está revoltado com isso:

http://terratv.terra.com.br/Esportes/Futebol/Estaduais/Paulista/4993-404510/Tecnico-se-revolta-com-rodizio-de-faltas-em-Neymar.htm

Só não sei por que ele deixa o jogador em campo num jogo violento e ganho como o de ontem.

Republico o comentário porque esqueci de dizer: sobre o Corinthians de Tite, Felipe, é verdade que joga limpo. Em nenhum dos 5 jogos com o Santos de Neymar (com ou sem Neymar em campo) em 2011 houve qualquer tipo de violência. Nem mesmo nas finais do Paulista, qdo seu time perdeu, mas jogando futebol.

Nicolau disse...

O Santos parece estar achando um time mais com cara de Muricy. Também não gosto do Henrique, mas discordo da sua proposta de alteração, Edu. Acho que foi no jogo anterior que o Peixe entrou com meio campo em losango, com Ibson na direita, Arouca caindo pela esquerda e Henrique na cabeça de área. Pensei que pode funcionar, mas trazendo Arouca para trás e colocando Elano ao lado de Ibson. O time fica com 4 jogadores habilidosos e que sabem marca no meio campo. Ganso fica mais livre para chegar na frente, Neymar perde a necessidade de voltar para ajudar na armação e fica mais perto do gol. To contratado?

Sobre o meu Corinthians, o time é sólido. Sem encantamentos, mas sólido. Pelos últimos dois jogos, William está mesmo merecendo uma vaga. Mas a grande vantagem é o elenco farto. Muitas opções de qualidade.

Edu Maretti disse...

Olha, Nicolau, se você me enviar seu currículo eu anexo este seu comentário acima e envio pro Luis Alvaro! Quem sabe? hehe

Na minha opinião, considerando Elano (com a ressalva do post) como titular, o Ibson não tem lugar nesse time. Parece que esqueceu o futebol no Flamengo... (se queimar a língua eu aviso). Se é pra ter dois volantes, simplificando as coisas, acho que esse menino Anderson Carvalho tem que jogar no lugar do Henrique. O guri é um volante que marca mas sabe chegar bem, vindo de trás atacando, e tem apetite de gols (fez um outro dia). Arouca ficaria mesmo como primeiro volante (ele é muito bom, mas só na marcação e desarme, pois erra muuuitos passes... embora acerte um ou outro às vezes, como na final da Libertadores). Jogando, Elano não pode ser reduzido a um mero marcador pela direita, como nos primeiros jogos deste ano. Ele tem que jogar avançado, como meia direita, embora possa ajudar na marcação, como aliás Ganso ajudou ontem.

Mas não sei, o que parece é que, mais do que Muricy, o clube não quer desvalorizar o investimento de R$ 4 milhões (dizem) feito pelo SFC para trazer esse Henrique.

Leandro disse...

Caramba! Time do Tite ganhando por dois gols de diferença! Acho que tem algum sentido tudo o que se vem falando sobre o mundo acabar em 2012.
Sobre o Fábio Santos, não posso deixar de reconhecer que ele evoluiu um pouquinho (só um pouquinho) nos últimos dois ou três jogos, o que quer dizer que ainda precisa melhorar muito. Que siga evoluindo, então.
Mas o pior é saber que o Kléber, atualmente no Internacional, brotou no nosso Terrão. Ele seria titular em qualquer lateral ou ala esquerda no país, e acho que o Mané Meneses deveria considerá-lo também como opção para a seleção.
Além disso, também consideraria dar mais chances no time titular aos dois laterais que ganharam a Copa SP. Mas aí seria pedir arrojo demais à diretoria e à comissão técnica atuais.