sábado, 1 de dezembro de 2012

Santos bate fácil o Palmeiras na Vila na despedida do Brasileirão 2012; clássico, agora, só em 2014


Numa muito boa partida, mas sem nenhum interesse a não ser a velha rivalidade, o Santos perdeu a oportunidade de aplicar uma sonora goleada no Palmeiras na Vila Belmiro, na despedida de ambos os times do Brasileiro de 2012. Bateu o rival, já rebaixado, por 3 a 1 na Vila. Os times só voltarão a protagonizar o tradicional clássico pela "maior competição nacional" em 2014, se o Alviverde subir no ano que vem.

Ivan Storti - Divulgação/ Santos FC
O camisa 11 fez dois e deu o passe para outro. Fora o show

Um primeiro tempo disputado e empolgante, espetacular, com quatro gols, e um segundo decepcionante, que valeu por Neymar. O jogo começou com o Palmeiras abrindo o placar em lançamento de Barcos à la Gerson que colocou Maikon Leite livre para bater firme e fazer um golaço logo aos 4 minutos (veja os melhores momentos no vídeo abaixo).

Muitos palmeirenses devem ter se perguntado por que Maikon Leite não fez isso antes, em jogos nos quais perdeu gols mais fáceis, quando o time ainda brigava para não cair.

Apesar do placar adverso, o Peixe não se abateu e pressionou jogando na velocidade imprimida por Neymar. E, com facilidade, apesar dos sustos provocados pela avenida Juan (o péssimo lateral são-paulino que Muricy adora), virou o jogo. O craque desequilibrou, para variar. Deu o passe para Victor Andrade (aos 12) empatar e o próprio Neymar virou aos 22, de pênalti (indiscutível), e aos 38 minutos do primeiro tempo deu números finais ao placar, com um golaço ao seu estilo (não vou descrever, o link está abaixo).

O zagueiro Roman, do Palmeiras, foi a nota lamentável do ótimo primeiro tempo. Como um cavalo, deu um coice no tornozelo de Neymar por trás, tomou amarelo, e minutos depois puxou a camisa do 11 santista na área: pênalti e expulso. Jogador de segunda divisão, mesmo. Aos 21 minutos o Verdão tinha dez em campo. Acabada a primeira etapa, 3 a 1 fácil, com o time verde completamente envolvido pelo aversário.

Segundo tempo

A segunda etapa começou com a torcida santista sonhando com uma goleada histórica, o que parecia provável pela avalanche alvinegra ao virar a partida. Mas parece que o time preferiu puxar o freio de mão, em respeito ao adversário. Mesmo com o bom volante Alan Santos expulso pelo segundo cartão amarelo, aos 10, se forçasse, o time de Neymar ampliaria o marcador. Preferiu deixar o Palmeiras ter mais posse de bola e jogar para manter os 3 a 1, que acabaram sendo um pouco decepcionantes.

O que valeu no segundo tempo foi Neymar mesmo. Apesar da partida cair muito de ritmo, o camisa 11 fez jogadas de efeito, de craque, pouco vistas no futebol, mas que com ele se tornaram normal nos jogos do Santos. Continuou sua toada, dando show e recebendo coices e puxões como do tal Roman.

Bonito o gesto do Santos, que entregou pelas mãos de Neymar uma placa às mãos do palmeirense Mauro Beting, em homenagem ao falecimento de seu pai, o jornalista Joelmir, dia 29.

E assim termina o ano de 2012, trágico para o Palmeiras e melancólico para o Santos em seu centenário, com um único título, o Paulista, e sequer uma vaga na Libertadores. O pior é que os santistas teremos que aguentar a carranca de Muricy em 2013.

Peixe só perdeu um clássico; Verdão não ganhou nenhum

Seja como for, a despedida do Brasileirinho ganhando um clássico tem um sabor agradável. Na competição, o Santos perdeu apenas um jogo para grandes de SP: para o São Paulo (0 a 1) em 10 de junho pelo primeiro turno, o Peixe com o time reserva. No returno com o Tricolor, 0 a 0. Contra o Corinthians, uma vitória (3 x 2 na Vila) e um empate (1 x 1 no Pacaembu). E contra o Alviverde, duas vitórias alvinegras: 2 x 1 e 3 x 1.
Já o rebaixado Palmeiras, que ficou 32 rodadas entre os quatro últimos (o que mostra quão justo foi o rebaixamento), não ganhou sequer um clássico no campeonato.

Agora, só em 2014, se subir.

Santos 3 x 1 Palmeiras - Vila Belmiro, 1°/12/2012




*Atualizado à 01:27

5 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Que alfinetadas hein?...hehehe... Se fosse palmeirense estaria magoado... Graças a Deus, não sou...hehe

Mas, Edu, que história é essa de "um único título"? Esqueceu a charmosa Recopa sul-americana? Eu acho um título importante, ainda que não tanto quando um tri-paulista seguido. Saudações!

Edu Maretti disse...

De fato, Felipe, obrigado! Ato falho. Mas é aquela coisa, a queda na Libertadores, ainda mais como foi (rs), obnubilou (hehe) a conquista posterior, que é digna de nota, claro...

Até escrevi um belo post sobre o título da Recopa:

http://fatosetc.blogspot.com.br/2012/09/a-eterna-alegria-de-torcer-pro-santos.html

Mas a verdade é que o ato falho revela que os títulos mais importantes são Libertadores, Brasileiro e Copa do Brasil. A Recopa é um jogo só, um título importante ma non troppo. E o Paulista, beleza, fomos tri (título inédito desde 1969, com o próprio SFC). Mas em 2013 NÃO quero ganhar o Paulista e quero que Papai Noel me dê de presente a demissão de Muricy Ramalho!...

Saudações.

Paulo M disse...

Parece que o Santos estava mesmo desacostumado a ganhar do Palmeiras, rsrs...

Alexandre M disse...

Cara, o Neymar é um príncipe, não tem discução. Mas, olha, que gol do verdão, hein? Lindo.
Infelizmente, parece que Hernan Barcos vai sair. Que chutaço do M. Leite. O fia da mãe faz um gol desses agora! Mas a pressão faz o que fez. Sob pressão, cozinha. Mas beleza, vamos reconstruir a casa.
Grande Joelmir Beting, lembro recentemente de uns dos seus último comentário no rádio, sobre royalties. Não sabia direito que diabos era isso. ... mas o verdão vai voltar, espero que logo.´
valeu.

marco a ferreira disse...

O Edu, porque vc nao vai tomar no seu santios? ah sim ate dois mil e quatorze