domingo, 25 de abril de 2010

Santos 3 x 2 Santo André: jogo duro e vitória incontestável

André - Foto Ricardo Saibun
O Santo André vendeu caro a derrota por 3 a 2, que virtualmente lhe custou o título paulista. Porque supor que vá ganhar do Santos de 2 a 0, 3 a 1, 4 a 2 etc é um exercício de imaginação. A taça deve mais uma vez ficar perto do mar.

O jogo foi realmente digno de uma final. O Santo André dominou o primeiro tempo. Mas é importante dizer que esse domínio foi conquistado, no início, a partir de um estilo brucutu próprio de time pequeno. O Ramalhão começou o jogo distribuindo pancadas e pontapés à vontade sob o olhar complacente do juiz Paulo César de Oliveira. Em nenhum dos jogos contra os times grandes que o Santos venceu (São Paulo três vezes e Corinthians uma) ou mesmo de quem perdeu (Palmeiras) os adversários foram desleais. Por isso eu sempre prefiro jogar contra os grandes. A estratégia inicial do Santo André foi bater.

Conseguindo vencer o primeiro round com esse estilo karatê, o time do ABC abriu o placar aos 35 do primeiro tempo em mais uma falha, entre tantas na temporada, do goleiro Felipe, em bela cobrança de Bruno César. O arqueiro arrumou a barreira do seu lado esquerdo, ficou no direito e tomou o gol aí mesmo. Além de tomar o tento no canto em que estava, demorou um século para ir na bola, e quando foi já tava lá dentro.

Veja os melhores momentos:



(Eu assistia ao jogo no Sportv, porque acho o Milton Leite muito bom narrador. Mas Maurício Noriega é péssimo. Depois de várias bobagens, quando ele comentou que "o Santos fica incomodado quando o outro time joga", eu sinceramente achei demais, mudei de canal e me rendi ao Cléber Machado e companhia).

Após o domínio completo do Santo André no primeiro tempo, quando fez 1 a 0 com justiça (apesar dos pontapés) e poderia ter feito 2 a 0, no segundo tempo, com Neymar baleado, brilharam as estrelas de Ganso, André e Wesley, além de Robinho, cuja movimentação desnorteou a zaga andreense. A estrela de Pará tem brilhado, mas ninguém nota.

André: garra e tática
É marcante a solidariedade tática desse time do Santos, personificada por André. Aos 11 minutos do segundo tempo, ele cobriu Pará na lateral direita e desarmou o adversário pondo a bola em lateral. Um minuto e meio depois, fez 1 a 0, aproveitando de cabeça jogada magistral de Ganso.

Aos 15min e 55segundos, Felipe fez ótima defesa em chute de Rodriguinho. A zaga afastou, a bola sobrou para André, que de calcanhar tocou para Wesley, que passou a Robinho, que devolveu para Wesley entrar pela direita e fuzilar. Desde a defesa de Felipe, tudo isso se passou em 16 segundos! É por isso que, como mostra Paulo Vinícius Coelho, o Santos é hoje o melhor ataque do mundo.

Depois que Wesley ampliou aos 25, depois de uma enfiada de bola espetacular de Pará (o lateral que o Santos tem e não sabe), já era para o Santo André. Que ainda diminuiu depois de voltar a pressionar. O time do ABC fez um grande jogo, mas poderia tê-lo feito sem apelar à violência do início.

A vitória do Santos foi importante para que, quarta-feira, no Mineirão lotado, o time da Vila jogue menos pressionado contra o Atlético/MG pela Copa do Brasil. O Galo, aliás, venceu o Ipatinga na primeira final mineira, fora de casa, pelos mesmos 3 a 2.

FICHA TÉCNICA
Santo André 2 x 3 Santos
25/04/2010 –Pacaembu
Árbitro: Paulo César de Oliveira (SP)
Assistentes: Ednilson Corona e Alberto Poletto Masseira
Público total: 33.354
Renda: R$ 1.770.150,00

Santo André
Júlio César; Cicinho, Cesinha, Toninho e Rômulo; Alê, Gil, Branquinho (Pio) e Bruno César; Rodriguinho e Nunes
Técnico: Sérgio Soares

Santos
Felipe; Pará (Madson), Edu Dracena, Durval e Léo; Wesley, Arouca, Marquinhos e Paulo Henrique (Zé Eduardo); Neymar (André) e Robinho
Técnico: Dorival Júnior

Cartões amarelos: Rômulo, Toninho (SA); Wesley (S)
Cartão vermelho: Toninho (SA)
Gols: Bruno César (SA), aos 35min do primeiro tempo; André (S), aos 13min, Wesley (S), aos 17min e aos 25min, Rodriguinho (SA), aos 38min do segundo tempo

2 comentários:

Paulo M disse...

Mas esses moleques do Santos não sabem nem brincar, disse o Tiago hoje, um corintiano que trabalha comigo, se referindo ao segundo tempo do jogo de ontem. Legal a frase invertendo o fato de que o Santos joga um futebol lúdico, enquanto os outros times são comuns demais porque fazem um futebol, digamos, de cartolagem. Só não concordo que o Santo André tenha imposto um ritmo no primeiro tempo na base do brucutu. Foi pegado, mas não violento. O Santo André deu um baile no Santos no primeiro tempo e seu papel está feito. No segundo, o Santos veio pra assinar o título. Fim.

Felipe Cabañas disse...

É... o Santos está jogando um futebol de encher os olhos... Acho que vai ganhar e campeonato paulista e copa do brasil... abraços alvi-negros!