quinta-feira, 25 de abril de 2013

Espanhóis engasgam com chucrute


Alguém falou na redação, em tom de brincadeira, que as acachapantes vitórias alemãs contra os espanhóis na rodada de ida da Liga dos Campeões da Europa, entre terça e quarta-feira, representam um acontecimento simbólico. No plano da economia, a poderosa Alemanha hoje consegue se safar da crise que assola grande parte do Velho Mundo, afetando dramaticamente, por exemplo, os combalidos ibéricos Portugal e a Espanha de Real Madrid e Barcelona.

E$$a realidade de alguma maneira se refletiu no embate futebolístico? Não sei. Mas, em termos de ludopédio, este blogueiro vibrou. Ver o Barça levar uma chapuletada de 4 x 0 do Bayern não tem preço. Confesso que pode haver aí algum rancor inconsciente, mas não vou enveredar pela psicanálise para falar de futebol, aí já seria demais. Até dá pra fazer a analogia econômica, e também uma metáfora político-jurídica: a cada gol dos quatro que Lewandowski marcou, ouvia-se alguém comemorar: "chupa, Joaquim Barbosa". É impressionante a criatividade, tão rápida que no momento mesmo do gol já se cria a piada.

O fato é que o Barcelona dos jornalistas encantados e dos próprios pernósticos torcedores e “torcedores” (brasileiros com complexo de vira-lata) do time catalão desmoronou. E é no mínimo irônico que Pep Guardiola já seja o técnico do próprio Bayern para a próxima temporada. O atual treinador, Jupp Heynckes, será substituído pelo ex-treinador do Barça no time bávaro.

Quanto não ouvi dizerem que o Barcelona é tão espetacular que não precisa nem de técnico, porque seu estilo já é desenvolvido desde as escolinhas onde todos treinam como Xavi, Busquets, Iniesta, Pedro e Villa, para não falar de Messi. Qual nada! O time da Catalunha nunca mais foi o mesmo depois que Guardiola saiu, rumo à Bavária.

Veja os gols de Bayern 4 x 0 Barcelona (vale a pena: o vídeo é sensacional – deve ter sido emocionante para os torcedores alemães que estavam no estádio)




Foi também com simpatia que vi o Borussia Dortmund enfiar 4 a 1 no Real Madrid do insuportável José Mourinho, uma das personalidades mais arrogantes que o futebol mundial já produziu. Perto de Mourinho, Muricy Ramalho é um beato (e olha que para mim Muricy é um encosto na Vila Belmiro – mesmo que volte a ser campeão, no que eu não apostaria hoje).

Nas partidas de volta, portanto, respectivamente no Camp Nou e no Santiago Bernabéu, Barça e Real terão de reverter as goleadas. No futebol muita coisa é possível, mas a situação dos times espanhóis é dramática. Bem feito.

Os gols de Borussia 4 x 1 no Real Madrid estão abaixo, com narração muito estranha:


11 comentários:

Alexandre disse...

Não sei pque, mas gostei dos resultados, com respeito ao futebol espanhol(torci para a Espanha contra a Alemanha na última copa do mundo, nas finais)e ao Messi( muita arrogância), que agora sabem que a decadência também faz parte vida deles.
Estranho que a mídia quase não divulgou essa notória queda do futebol espanhol (Barcelona e Real Madri) Sera´impressaão minha? Mas não se pode falar muito do pobre futebol da Seleção Brasileira. Pelo menos Felipão pode ficar tranquilo, na Copa do Mundo não tem segunda divisão. Que coisa feia!!Há um risco de a S.B. dar vexame em 2014.

Felipe Cabañas da Silva disse...

Eu não entendo essa febre besta por times do outro lado do mundo que atinge alguns de nossos conterrâneos. Ou melhor, eu entendo: propaganda, transmissão global de partidas, vulgarização do uso de camisas e escudos, e um Galvão Bueno histérico narrando Bayern de Munique x Barcelona como se fosse Corinthians x Palmeiras ou Brasil x Argentina. Os mais incautos caem, e acham que realmente têm algum tipo de identidade com um time do outro lado do Atlântico. Evidentemente, tenho simpatia por outros times além do meu Corinthians amado, mas não passa disso: simpatia e uma torcida ranzinza quando esses times enfrentam a trinca de "inimigos" Palmeiras, Santos ou São Paulo.

Agora, com o mesmo afã com que vários por aqui abraçaram "o Barcelona do Messi", "o melhor time da história" (como alguns jornalistas mais histéricos chegaram a definir), vejo surgir uma nova febrinha chamada Bayern de Munique - que joga realmente um futebol fantástico, mas que, tanto quanto qualquer outro time que não seja aquele que eu trouxe comigo no meu cordão umbilical, não pode ter mais que a minha simpatia (e a torcida ranzinza de que falei anteriormente).

O fato é que o futebol alemão vem em ritmo ascendente creio que desde 2006. Muitos dos que jogam encaixadinhos nesse Bayern fantástico são companheiros de seleção. Creio que se há hoje uma seleção entrosada no mundo é a seleção alemã - no extremo oposto do show de horrores que vem apresentando a canarinha. Não gosto de brincar de mãe Diná, mas aposto nos germânicos para faturar a Copa "do Brasil".

Paulo M disse...

Não há nada melhor no futebol, pros apaixonados, do que ver um time como aquele Barcelona de Xavi, Messi e Iniesta jogar o que jogou até o final de 2011. O Barcelona também de Guardiola, que deixou saudades lá, pois sua saída parece ter sido a fronteira entre o momento de ouro e a fase opaca de um time agora com entrosamento desgastado.
O que há de melhor do que ver o Barça jogar é saber que o futebol é cíclico, e que, na Europa, além do time catalão e do poderoso Real Madrid, há o Bayern, o Borussia, o Manchester, o Milan, o Liverpool, o tradicionalíssimo Benfica, o PSG e tantos outros.
O lambe-lambe, por conveniência, da imprensa esportiva brasileira com o Barcelona realça o que desde a infância aprendemos no Brasil: que tudo o que é importado é melhor porque é importado.
O Juca Kfouri ontem, na CBN, se revelou um apaixonado pelo Barça. Por que não simplesmente reverenciar os alemães na Champions? Deram um baile e derrubaram a marca registrada do futebol campeão do mundo em 2010, como se vingassem a vitória espanhola acho que nas semi da Copa. Grande Bayern. Grande Borussia.
Sobre a seleção, achei particularmente brilhante a pergunta do jornalista que fez Felipão se retirar da coletiva depois do 2 a 2 com o Chile ontem. Não foi rebeldia do técnico, nem indignação, foi nocaute.
Gosto de quem fala publicamente o que eu gostaria de falar.

Edu Maretti disse...

Alexandre, acho que há mesmo um risco de a seleção dar um vexame em 2014; mas tb acho que pode ganhar. Copa do Mundo é uma competição de "tiro curto" e vale o momento. Felipão é copeiro. Sei lá.

Eu tb ficava indignado, Felipe, com esse papinho de "o melhor time da história"... que é uma coisa incutida na mente das pessoas apenas porque é um negócio de bilhões de dólares que movimenta o futebol mundial. A ESPN é uma corporação multinacional, precisa vender seus produtos, como Messi, ou como o Bayern. Confesso que tenho (sempre tive) simpatia pelo time da Bavária, talvez por ser a terra (ou uma das terras da) cerveja - hehe.

Tb aposto que os germânicos tem boas chances. Mas algo me diz que a Argentina vem pra ganhar... Nesse caso talvez seja um pressentimento, mas...

Paulo, infelizmente não vi o que Felipão disse. O que foi?? ...

A Alemanha perdeu da Espanha nas semi por 1 a 0, torci pra Espanha ganhar a Copa tb., mas o futebol que mais me encantou em 2010 foi o da Alemanha, mas não torci pra Alemanha porque eles já ganharam muito, inclusive da maravilhosa Holanda de 74, que Pep Guardiola tanto estudou pra formar seu esilo.

Mas o Ajax e a Holanda de 73/74 eram espetaculares, e o Barcelona de 2010 na minha opinião não. É de uma eficiência extrema, até bonito de ver, mas às vezes também enjoava um pouco.

É isso aí.

PS: bem vindo novamente, ranzinza Felipe. Eu tava até com saudade da ranzinzice, rsrsrs. O dileto camarada Leandro acho que se ofendeu com alguma coisa, pois tb sumiu. Mas ele entendeu mal, pois o arranca-rabo se deu por causa da TUA ranzinzice... hehe

abraços

Paulo M disse...

O link:

http://www.youtube.com/watch?v=a-scRsZHSl0

Edu Maretti disse...

O repórter mandou bem, não é do tipo mais comum em coletivas com figurões do futebol, esses pseudo-repórteres que só puxam o saco do entrevistado.

Não consegui identificar quem é...

Alexandre disse...

Felipão foi copeiro, não é mais. E com esse timinho e a velha pegada felipão, fala sério, hein? A última seleção brasileira foi a de 2002.

Edu Maretti disse...

Ô, Alexandre. Que ingratidão. O teu Parmera foi campeão da Copa do Brasil com um time medíocre há menos de um ano e graças a isso está hoje nas oitavas-de-final da Libertadores. Quem era o treinador do time? Não era o copeiro Felipão, não?

Felipe Cabañas da Silva disse...

Valeu, Escriba, pela homenagem à minha ranzinzice...rsrs... Confesso novamente que é sempre um prazer passar por aqui, acho que você sabe disso. E mexendo nesse vespeiro de paixões que é o futebol é inevitável surgir umas farpas de vez em quando...hehehe... Peço desculpas se me excedi em outras oportunidades. O companheiro Leandro logo logo volta, tenho certeza...rs. Saudações ludopédicas!

Alexandre disse...

Ok, vamos lá.
Não sei pque ingratidão, se não realista. Já fiz alguns comentários nesse mesmo blog defendendo o Felipão, como palmeirense que sou e por achar que tinha razão no que disse. E não retiro uma palavra. Não cabe agora repetir o que todos ja sabem o que penso sobre o Felipão.
Trata-se dos últimos acontecimentos. O Felipão levou sim o Palmeiras para a Libertadores com um time medíocre, mas com um time montado por ele. Quis repetir a mesma façanha dos idos anos 98, 99, mas hoje fracassou. Na época montou um time com jogadores que pareciam não muito acreditados, como Paulo Nunes vindo do Grêmio, Rivaldo, Alex, Júnior, etc. Deu certo, num esquema de contratação de jogadores não muito caros e jovens. Na última edição levou grande parte de jogadores em esquema de corrupção, juntamente com Galeano e outros, com negociações junto ao São Caetano. Fato comentado pelo Edmundo em tv aberta. Por esse motivo, o Sr Felipão processou o mesmo por acusação sem provas. Perdeu a causa, e ainda vai ter que pagar o Edmundo pela acusação mal feita, pois isso, na declaração e conclusão do caso, não foi uma acusação e sim um comentário. Esse foi um dos motivos, não único, mas agravante à causa da queda do Palmeiras. Sinceramente, preferiria o Palmeiras na primeira divisão e que não estivesse na libertadores. Valeu, Felipão. Cuida bem da sua Seleção.
Hoje o Palmeiras está diferente. Com Kleina, me parece mostrar um trabalho mais honesto e digno, gente jovem, uma equipe compacta, nascente, sem futricas e briguinhas. É isso. Amanhã, hoje, tem o clássico lá na Vila B. Vcs devem levar essa.

Edu Maretti disse...

Vila B não, mano, Vila Belmiro!