domingo, 27 de novembro de 2011

Corinthians entra em semana de "decisão" com Palmeiras e Valdívia fala em "questão de honra"


Voltei de merecida semana de férias na praia a tempo de acompanhar a penúltima rodada do Campeonato Brasileiro (preferia estar na praia, onde não vejo TV, mas... c'est la vie). Vi o primeiro tempo de Santos e Bahia, na despedida alvinegra de sua casa antes do embarque para o Japão, mais preocupado com o risco de outra contusão como a que tirou o volante Adriano do Mundial de clubes, peça importantíssima no esquema santista, justamente o jogador que seria o encarregado de grudar em Messi, caso Barcelona e Santos façam a final.

O 1 a 1 dos primeiros 45 minutos (que acabou sendo o placar final, com gol de quem? - Neymar) satisfazia a ambos, e no segundo tempo da rodada, toda no mesmo horário, fiquei zapeando entre Figueirense x Corinthians e Fluminense x Vasco, depois de ouvir comentários dando conta de que a primeira etapa em Floripa havia sido pavorosa (o Timão, “melhor time do campeonato”, deu um, um chute “a gol”, que vi depois, um tiro bisonho de Willian que saiu a uns sete metros da trave). Vasco x Fluminense faziam e fizeram um jogo bem melhor. Mas Liedson anotou 1 a 0 no Orlando Scarpelli aos 23min.





Com o 0 a 0 de Vasco x Flu, o título ia ficando no Parque São Jorge. Mas Alecsandro pôs o Vasco em vantagem aos 31 e tudo continuava como antes do início da rodada. Fred, sempre ele, fez um golaço empatando para o Flu sete minutos depois, e os rojões espoucavam sem parar pela cidade de São Paulo.

Era o título corintiano. Que não veio. Pois Bernardo, no apagar das luzes no Engenhão, deu a vitória ao Vasco por 2 a 1.




Na rodada final, enquanto o Vasco enfrenta o Flamengo, o Corinthians faz o derby com o Palmeiras. Para ser campeão, o Vasco precisa vencer e torcer por vitória do Verdão (matematicamente, a chance vascaína de ficar com a taça é de uma em nove, ou 11%). O clube do Parque São Jorge só depende de um empate.

O Palmeiras bateu o São Paulo, que ficou longe da Libertadores, e Felipão promete um time motivado contra o Corinthians. Valdívia disse que ganhar do rival alvinegro “é questão de honra”. A Fiel tem motivos para se preocupar. Se Tite jogar pelo pontinho que lhe resta e com a cabeça no jogo do Rio, pode ver escapar o título que durante boa parte do segundo tempo de hoje esteve em suas mãos.

21 comentários:

Luciano disse...

Não acredito em uma vitória do Vasco contra o Flamengo.

Dúvidoooo mto q esse timinho q o Palmeiras tem vai vencer o Corinthians.
Vamos jogar com o Pacaembu lotado..... desculpe.... mas do Corinthians o Parmeirinha nao vai ganhar.

Luciano disse...

alias.... quem eh Valdivia?

alias.... o eh honra pro Valdivia.....

Ah lembrei..... eh aquele babaca q se lascou tentando dar um chute no vacuo contra o Corinthians neh?

Aquele babaca que saiu no jornal traindo a esposa dele neh???? explica honra

João disse...

28 de agosto de 2011... ultimo jogo do 1 turno e de virada o "Parmeirinha" enfiou um joelho de porco na goela dos gambá... 2 a 1

nao tem jeito... o curintia treme qdo ve a camisa verde, isso eh historico... e vou tirar do freezer o gambá que sobrou do 1 turno e guardei pro jogo final... soh falta a breja... aguardem gambás

Leandro disse...

Questão de honra?
Mas vencer o Corinthians não é só uma honra para o Valdivia. É uma honra para qualquer jogador de qualquer clube, e por isso é natural que todos se desdobrem e até se poupem visando eventos desta magnitude.
"Se Tite jogar pelo pontinho que lhe resta e com a cabeça no jogo do Rio, pode ver escapar o título que durante boa parte do segundo tempo de hoje esteve em suas mãos."
Pois é. As conjecturas do blogueiro, embora tenham mais cheiro de desejo que de premonição, não deixam de fazer sentido, considerando-se a titebilidade que impediu o título com quatro ou cinco rodadas de antecedência, e considerando-se também a ausência de Ralf, melhor volante do país, para a entrada dos tenebrosos Moradei ou Bruno Octávio.
Clássico é clássico, "derby" é "derby" e o Vasco é o grande time brasileiro do momento.
Portanto, ainda estão rolando os dados, e o Timão que se cuide, embora o adversário do próximo domingo, na teoria, seja pior que o Tolima, bastando lembrar que venceu o time da Pompéia dias após ser eliminado pelos colombianos, no começo do ano.
Então, que procure vencê-los de novo no próximo domingo, pois um título nestas circunstâncias, sem dúvida, será bem mais saboroso do que seria ontem contra o Figueirense.

Luciano disse...

Edenilson vai jogar.... deus me livre de Bruno Otavio ou Moradei.... se bem q e fossem do parmera seria titulares absolutos.

Luciano disse...

Eh isso ai Joao.... se vcs derem mta sorte vcs jogam a sulamericana ano q vem!!!!

Tomara q o Curitiba, Goias...... nao joguem a sulameircana neh???? ja pensou???? q dozinha de vcs

TIMINHO MEDIOCRE o seu..... se liga rapah.....

João disse...

kkkkkkk, o curintiano fala de sulamericana ... ateh parece q ganhou libertadores na vida kkkkk... curintiano, estuda um pouco de historia do futebol e vc vai entender q ateh 1990 teu time nao passava de um timeco de bairro e nunca tinha ganhado nada fora paulistinha...

depois conseguiu alguns brasileiros com a ajuda dos mafiosos...ah e tem aquele "mundial" decidido nos basdtidores q nem curintiano acredita q eh real... eh soh isso a historia curintiana...

Felipe Cabañas da Silva disse...

Me parece que os comentaristas do plim-plim não entenderam o que é esse time do Corinthians. O primeiro tempo do Corinthians foi muito criticado na telinha do plim-plim, sempre com o "gênio" Casagrande e suas mirabolantes análises. "Só um chute a gol é muito pouco para quem quer ser campeão". "O Corinthians não tem time pra Libertadores", etc.

Acontece que esse time é um time cerebral, que procura primeiro estabelecer um padrão tático, vai estudando o adversário, vai esfriando os ânimos para fritar os oponentes em momentos chave, vencendo invariavelmente por placares magros, mas vencendo. Eu adoro esse futebol? Não. Mas foi assim que o Corinthians construiu a campanha que lhe colocou em primeiro lugar por 26 rodadas e que lhe dá plenas condições de ser campeão com pompas na última rodada. Foi assim que a Espanha foi campeã do mundo no ano passado e, ainda que não seja um futebol brilhante, se bem executado produz os resultados. Eu não gosto desse futebol acovardado de resultados - e concordo que o Tite tem que tomar cuidado com o jogo de domingo e jogar pra vencer, não pra assegurar o pontinho que falta -, mas eu não acho que esses times mais cerebrais sejam necessariamente medíocres ou piores que os times que jogam mais aberto, como o Santos e o próprio Vasco.

Mas fiquei feliz com a transmissão do plim-plim de ontem. Acontece que o primeiro jogo do campeonato para o Corinthians foi contra o Grêmio, no Olímpico, e o Imortal tricolor saiu na frente. Após o gol do Grêmio, o Casagrande começou a falar sobre o futuro do Corinthians no campeonato e foi taxativo: disse que o time não era time pra brigar pelo título, que precisava de muitos reforços e que com aquele time (90% esse mesmo que jogou ontem contra o Figueirense), com muito custo lutaria por uma vaga na Libertadores. Ontem ele disse que o Corinthians não tem time pra Libertadores. Provavelmente ele está errado, e fico feliz por isso.

Com esse elenco que está aí só vejo dois times mais fortes que o Corinthians: Santos e Boca Juniors. Mas com esse elenco que está aí... Viu Andrés?

Edu Maretti disse...

Bom, de minha parte fico feliz de o Leandro reconhecer que, apesar das "conjecturas do blogueiro" terem "mais cheiro de desejo que de premonição, não deixam de fazer sentido, considerando-se a titebilidade que impediu o título com quatro ou cinco rodadas de antecedência".

No mesmo sentido, Felipe diz que "concordo que o Tite tem que tomar cuidado com o jogo de domingo e jogar pra vencer".

Agora, devo dizer que não ouvi sequer um pio do Casagrande ontem, quando não precisei dessa alternativa. Portanto, a carapuça de "comentarista de plim-plim" não me serve. Aliás, eu só vejo futebol no plim-plim quando não há NENHUMA outra alternativa, o que não foi o caso ontem.

abs

Felipe Cabañas da Silva disse...

Edu, em nenhum momento quis jogar essa carapuça em você. Os comentaristas do plim-plim são os da Globo mesmo, mais o Casagrande, que para mim só fala asneiras ou obviedades.

Você teve uma visão parecida sobre o primeiro tempo, porque há uma certa incompreensão geral sobre esse time do Corinthians e se reproduz uma determinada interpretação... Mas, como torcedor crítico, que quando não viu o jogo, ouviu, e quando não viu nem ouviu, foi ao estádio, reafirmo o que disse: esse futebol não me agrada, mas ganha campeonato. É fato. Esse time é forte, é bem montado, dificílimo de ser batido (ninguém ganhou do Corinthians no campeonato por mais de 2 gols de diferença) e raçudo. Não joga um futebol lindo, mas também não é de se jogar fora. Abraços.

PS: Desculpe não te responder ontem, mas só fui ver o teu torpedo depois das 23h. Esqueci o celular jogado num canto e saboreei mais uma vitória do Timão...hehe...

Paulo M disse...

Nossa, o Luciano parece ansioso. Ou será fé mesmo? Acho que não deve ser, não. Confiar tanto assim num time que já perdeu do Avái (he he), do Figueirense, do Ceará e vai encarar uma decisão (só pra eles) contra um adversário de quem estão acostumados a levar no coco (nos últimos 18 anos, um Brasileiro, um Rio-São Paulo, duas Libertadores, três ou quatro anos sem ganhar da gente até 2009 ou 2010 etc.) não deve ser o caso. E nóis vai jogá só pra atrapaiá mesmo, o que é muito mais fácil: destruir... Os caras tão inseguros e ficam usando a mesma arma que o timinho deles usa no campo: uma retranca titeana e covarde. Vamos ver o que pode fazer a dupla Palmeiras/Vashcão contra o futebol do medo, vamos ver se esse medo, histórico sim, também não vai aparecer e fazer tremer as perninhas alvinegras no domingo. Não seria novidade nenhuma...

Felipe Cabañas da Silva disse...

Paulo, concordo com você. Nas duas últimas décadas o Corinthians invariavelmente foi freguês do Palmeiras, mas QUANDO O PALMEIRAS TINHA UM TIME DE VERDADE.

O Corinthians tropeçou contra uns nanicos sim, mas o Vashcão também, e de forma mais vexatória (4x0 pro Ameriquinha mineiro é de lascar). Ainda que tropeçando, permaneceu 26 rodadas na ponta e deve se sagrar campeão no domingo, a não ser que aconteça uma hecatombe - que pode acontecer sim, e é por isso que toda a nação corintiana tem que ficar atenta. Mas duas coisas me deixam muito tranquilo: o Corinthians é mais time que o Palmeiras neste momento, e o Flamengo também é mais time que o Palmeiras, ou seja, a tarefa do Corinthians é em tese muito mais acessível que a do Vasco, e ainda temos a vantagem do empate. É decisão sim, porque respeitamos a camisa verde e branca, mas acho muito difícil o Palmeiras "conseguir salvar o ano" - francamente, ter como única meta atrapalhar a festa dos outros é muito pequeno para um clube da grandeza do Palmeiras.

Felipe Cabañas da Silva disse...

Uma outra coisa que dá tranquilidade é o mando de campo. O Corinthians joga em casa, com estádio lotado. A Fiel, no Pacaembu, raramente abandona o time. Em clássico e final de campeonato ainda por cima a Fiel nunca abandona o time. Eu não acho que o Corinthians vai tremer coisa nenhuma. Pode até perder, mas tremendo ninguém está. Eu, pelo menos, não estou.

Paulo M disse...

Felipe, o Corinthians tem mais time que o Palmeiras mesmo, reconheço, principalmente com 40.000 loucos entoando frenéticos a causa do time. Mas está distante de merecer comemoração antes do galo cantar. Nunca ouvi um galo cantar às 11 da noite. Sei que você conhece tanto quanto eu a imprevisibilidade desse clássico. Vão ser 22 jogadores dentro de campo e detalhes, como o de acertar ou não o alvo do gol na hora "H", devem decidir a sorte dos dois (Corinthians e Vasco rs). Vamos esperar, domingo a pimenta vai arder. A "única meta de atrapalhar a festa dos outros" ainda não teve um encontro frente a frente, olho no olho, só de forma medrosa, quando o Corinthians começou entregando ao Flamengo, e o Palmeiras ao Flu, ano passado. O Palmeiras nunca é pequeno.

Leandro disse...

Edu,
Mais que a titebilidade, que mesmo me matando de raiva tem resistido 37 rodadas, sendo 26 na frente, me assusta muitíssimo a possibilidade de ver Bruno Octávio ou Moradei no domingo.
Na última vez em que vi, contra o Botafogo, os meias cariocas tiveram sombra e água fresca e fizeram o que quiseram por 45 minutos num corredor que, duvideodó, o Ralf teria deixado.

Felipe,
A compraração com o time da Espanha é mais oportuna do que pode parecer.
Não é questão de comprarar "pau-a-pau" o Corinthians com os campeões mundiais, mas mesmo detestando o Tite, reconheço que a proposta dele às vezes consegue ter seus méritos, embora também exponha o time a perigos que podem ser irreversíveis, como foi para a Espanha contra a ridícula Suíça, ou mesmo contra Honduras, onde os campeões do mundo passaram por maus bocados durante alguns momentos.
Logo, contra o ridículo Palmeiras estes problemas também podem surgir.
Em Florianópolis, se o Corinthians não agrediu durante 45 minutos, o Figueirense, que vinha atropelando todo mundo (inclusive o Corinthians no primeiro turno) também não criou nada em seus domínios. Tite não jogou e não deixou jogar no primeiro tempo, e no segundo seu time dominou todas as ações, sem grandes sustos.
Estratagema que resulta num futebol bem chatinho às (na maioria das) vezes, mas dadas as circunstâncias físicas e técnicas deste momento, resta torcer para que siga surtindo efeito.

alexandre disse...

O negócio é que no momemto nossa única meta mesmo é atrapalhar. não resta outra coisa. O verdão tá aí para incomodar, azucrinar...atrapalhar o Corinthians é o melhor que se tem a fazer agora. casa cheia de curintia, que delícia, o verde não tem nada a perder. Que emoção!!!

alexandre disse...

Fiquei até com pena de ver tanto corintiano chorando de alegria nas arquibancadas, pensando já terem conquistado o título. Quando então um amigo cotintiano me abraçou, tamanha alegtia, eu disse a ele: calma, meu camarada, ainda faltam cinco minutos pro vasco. E aí? Mais noventa serão precisos. É pena o Vasco estar desfalcado, mas o Vasco é grande e o Palmeiras também. vamos pro jogo.

Edu Maretti disse...

Alê, acho que em termos de desfalques o Corinthians perde mais do que o Vasco. O Timão não terá o volante Ralf (responsável pela segurança do meio campo) e Danilo. O Vasco perde Juninho Pernambucano (talvez hoje mais importante como liderança junto ao elenco)e o meio campista Allan. Mas em compensação terá Diego Souza (que não tomou o terceiro amarelo, como se pensou) e Felipe, além da volta do importante volante Rômulo.

O problema do Vasco é jogar a tal sulamericana no Chile quarta-feira. Não entendo por que o clube investiu tanto nesse torneiozinho se podia jogar todas as fichas no Brasileiro.

alexandre disse...

É, mas acho que juninho pra mim é um dos maiores destaques desse Brasileiro. Bom para o vasco então que o Diego Souza vai jogar, mas não é um jogador muito constante. É de lua. O Danilo não vem atuando muito bem e a saída desse volante Ralf também pode piorar o meio campo do corinthians. Realmente é
imprevisível. Só espero que não venham com mais um capítulo de farsas com atuações sinistras das arbitragens.

Felipe Cabañas da Silva disse...

Eu também espero. Porque a porcaria de arbitragem que temos no Brasil invariavelmente JOGOU CONTRA O CORINTHIANS NESTE CAMPEONATO.

Que ninguém tenha a ousadia de questionar o possível título por causa do apito este ano. Demonstrará absoluta desinformação. Só na reta final o Corinthians foi prejudicado contra: Cruzeiro, Internacional, Avaí e América (MG). Ou vão dizer que é tudo um complô de Ricardo Teixeira com Andrés Sanches e Ronaldo para fingir que não tem apito amigo?? Eu fico cada dia mais impressionado com a capacidade de inventar lorotas e teorias da conspiração mirabolantes que demonstram nossos rivais por aí...

Edu Maretti disse...

Bom, a quem interessar possa: a CBF divulgou agora há pouco a escala de árbitros para as decisões:

Wilson Semene (SP-Fifa) apita o derby paulista, enquanto Péricles Bassols (RJ) dirige o clássico carioca.

O péssimo Paulo Cesar de Oliveira estar fora já é em si motivo de alívio.