sábado, 25 de maio de 2013

Era Neymar acaba melancolicamente



Reprodução
Home do jornal  espanhol Marca na internet hoje

E eis que chega ao fim a era Neymar.

O maior ídolo do Santos desde Pelé (pelo menos para mim) atuou 228 vezes com a camisa alvinegra e marcou 138 gols, sendo o 13º artilheiro da história do clube e o primeiro da era pós-Pelé. Esses números podem ser ligeiramente alterados, já que amanhã tem a estreia no Campeonato Brasileiro, Flamengo x Santos em Brasília, e o craque está escalado. Depois tem a apresentação na seleção brasileira para a Copa das Confederações, terça-feira (28), e adeus.

Foram quatro anos, de 2009 a 2013, em que o craque honrou a gloriosa camisa branca com dedicação, alegria, ousadia e profissionalismo. Conquistou uma Libertadores (2011), três paulistas (2010, 2011, 2012), uma Copa do Brasil (2010) e uma Recopa (2012). Desses quatro anos, infelizmente dois foram sob a "batuta" do farsante Muricy Ramalho. Muitos dizem: ora, mas ele ganhou a Libertadores para o Santos. Ora, quem ganhou a Libertadores foram Rafael, Danilo, Edu Dracena, Durval, Léo, Elano, Ganso e Neymar. Eles é que conquistaram a América para Muricy colocar em seu currículo, como eu e muitos santistas achamos.

Às 20h49 de ontem o clube postou em sua página na internet a informação de que tinha decidido vender Neymar:

"O Santos FC informa que recebeu duas propostas pelo atleta Neymar da Silva Santos Junior. Diante das proposições e das condições do contrato do jogador, o Comitê de Gestão do Clube decidiu negociar o craque.
Neymar Jr e seu pai são esperados na Vila Belmiro para escolher qual proposta irá (sic) aceitar."

Os valores da negociação não estão claros ainda. Nem, pelo menos até o momento, qual clube, Barcelona ou Real Madrid, ele irá defender. Tudo indica ser o time catalão.

Como outras (Pelé, Diego-Robinho) que incorporam o espírito do Santos, a era Neymar termina melancolicamente e sem que o torcedor do Santos tenha perspectivas claras de um futuro digno da história do clube. O presidente Luis Álvaro Ribeiro, sensível e com sérios problemas de saúde, delegou o comando ao vice Odílio Rodrigues. As decisões são tomadas pelo tal Comitê Gestor, formado por empresários. Paulo Henrique Ganso rendeu R$ 24 milhões aos cofres do clube, que usou 70% d esse dinheiro para contratar o sofrível Montillo, por cerca de R$ 17 milhões. Montillo está no Santos há 4 meses e até hoje não fez uma partida decente sequer. Por aí pode-se ver a miopia dos atuais dirigentes, que sucederam Marcelo Teixeira dizendo que inaugurariam uma nova era de profissionalismo no clube, prometeram a criação de um fundo de investimentos de R$ 40 milhões e outras coisas que nunca se tornaram realidade.

O que mudou? Não defendo Teixeira nem quero que volte. Ele, aliás, foi quem amarrou Ganso e Neymar à DIS, tirando do Santos porcentagem enorme do valor dos "passes" dos atletas. O que quero dizer é que as raposas não abandonam o Santos.

E o fato é que a segunda gestão de Luis Álavaro vai até o fim de 2014, um tempo preocupante e interminável, considerando que, hoje, ninguém sabe por quanto tempo o time continuará mergulhado no verdadeiro fim de feira em que está. Olhando o medonho futebol que tem apresentado, a ressaca da saída de Neymar e a pavorosa "gestão" de Muricy Ramalho no comando técnico, não é exagero dizer que o time da Vila Belmiro começa o Brasileiro com chances de conseguir uma "façanha" inédita em sua história: cair para a segunda divisão.

Assim, eu pergunto: o Santos está vendendo Neymar. Mas quando vai se livrar de Muricy, Luis Álvaro e esses negociantes que compõem o tal comitê gestor?


2 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Eu nunca que queria o Muricy no meu time. E, graças a Deus, a chance de ele um dia treinar o Corinthians é hoje quase nula. Desde o pós-libertadores 2011, Muricy é um treinador apático e desinteressado no comando do Santos ("não posso fazer muita coisa"). Ganhou nesse período um tri paulista e uma Recopa, é verdade, mas essas vitórias não foram suficientes para cicatrizar o rancor na torcida do Santos por ele se mostrar um treinador omisso, pouco criativo e (como no mundial de 2011) um tanto quanto negligente nos momentos mais importantes. Em vez de qualquer ideia nova, de qualquer reformulação, de qualquer revisão de conceitos, chuveirinho, chuveirinho e chuveirinho - estilo de futebol medíocre que irrita até quem não torce pelo Santos (quarta feira assisti um pedacinho do jogo contra o Joinville e depois de 15 minutos queria arremessar o controle na televisão). Enfim, acho que o Santos vai receber uma boa bolada pelo Neymar, principalmente por causa da multa rescisória (se eu estiver errado, pode me corrigir, escriba). Se não usarem metade para pagar dívidas e souberem fazer contratações de qualidade para vários setores do time, além de se livrar de Muricy Ramalho, acho que o futuro do Santos pós-Neymar pode não ser tão obscuro quanto se anuncia. Saudações.

Edu Maretti disse...

Só uma correção: o atual treinador do SFC ganhou, após a Libertadores, um paulista (2012) e a Recopa (2012). O Paulista de 2010 foi do Dorival Jr e o de 2011, pouco antes da Liberta, do sr. Ramalho.

Quanto à "bolada" que o Santos vai receber, ainda não está muito claro quanto será.

De resto, se "souberem fazer contratações de qualidade para vários setores do time, além de se livrar de Muricy Ramalho"... Pois é. Acho que são vão se livrar desse cara tão cedo. Mas quem sabe. Deus é grande - hehe

Valeu

PS: tinha publicado este comentário antes, mas entrou com o nome errado, pois estava logado no g-mail de outra pessoa. Por isso republico.