quinta-feira, 5 de julho de 2012

O mundo está acabando ou é impressão minha?


Minha nossa senhora do Mont Serrat, ou, como diz meu amigo Marco Ferreira, “nossa senhora da Abadia!”

Que histeria!

Enfim, o Corinthians é campeão da Libertadores. Com todos os méritos. Mas com que êxtase sobrenatural comemoram um título pelo qual tanto desdém manifestaram! Foi tanto rojão que o ar cheirava a pólvora logo após o fim do prélio em que o Corinthians venceu o Boca Juniors por 2 a 0, no Pacaembu, e levantou a Libertadores.

É muito gostoso ganhar a “Copita” (como dizia o Citadini), né? Mas é normal, minha gente, calma, acontece de vez em quando, não precisa endoidecer e gritar tanto. Credo. Já faz mais de uma hora que o jogo acabou e a histeria continua. O fundamentalismo é opressivo.

Como disse o palmeirense Alexandre em comentário a um post anterior: “Tô achando que uma Libertadores pra esses caras pode ser até bom, vai dar uma acalmada”.



Falando de futebol

Manchete online do El Clarín


É incrível como, olhando para trás, vemos que o destino desse título foi traçado por Andrés Sánchez quando manteve o técnico Tite, contra tudo e todos, após a desclassificação para o pobre Tolima na pré-Libertadores de 2011. Não fosse aquela atitude do então presidente corintiano, esse sonhado título talvez não tivesse virado realidade, não estivesse sendo comemorado agora.

De resto, o Boca Juniors de hoje esteve muito longe do grande time do início dos anos 2000, que derrotou Palmeiras (com um jovem Riquelme), Santos (com um jovem Tévez), Milan e outros. A manchete online do El Clarín logo após o jogo, reproduzida acima, diz tudo.

13 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Santos campeão da Libertadores: três rojões. Corinthians campeão da Libertadores: ninguém dorme.

Fazer 100 anos é fácil. Difícil é ter 100 torcedores.

Libertadores? Corinthians, o campeão dos campeões.

marco a ferreira disse...

Nusiorad'badia! Nã comentei nada anteriormente, mas depois do santos quem ia meter medo no corinthians, o boca? O santos era o grande perigo do curintia, o boca seria se o time fosse,... fluminense por exemplo, que ressucitou o boca, o boca é perigo porque é catimbeiro e sempre tem juiz que gosta, sic, dele. Fazendo justiça o boca do princípio do seculo era diferenciado, mas precisou roubar o palmeiras para ganhar, foi uma vergo nha aquilo, enfim faz muito tempo é bom esquecer. De maneira que salve o curinga, salve todos os times brasileiros que vnceram essa copa que é um ninho de cobras, no pior sentido também. Grande timão e que o boca va fazer boquete la na conchincina. (foram me chamar eu estou aqui o que que ha?)marco ferreira

Leandro disse...

Sei...
Agora o tradicionalíssimo Boca, o perigosíssimo Boca que joga melhor fora, o muito experiente Boca tornou-se, em menos de 24 horas, um time abaixo da crítica, de velhos, de pipoqueiros, o pior da história daquele clube.
Discordava e continuo discordando da comparação exagerada feita pelo blogueiro neste mesmo contesto, quando afirmou que o Boca era muito mais time que o Santos, eliminado na fase anterior, e está claro que se tivéssemos mais uma fase nesta competição o próximo adversário do Timão já estaria sendo, neste momento, erigido à condição de super-time para, em seguida, ser comparado ao Íbis em caso de nova classificação corinthiana.
Vou concordar se as comparações girarem em torno, por exemplo, da final anterior, para sentenciarmos que este tradicional Boca é muito mais time que o tradicional, mas pobre Peñarol do ano passado.
Não acho que Vasco ou Santos, por exemplo, sejam tão inferiores aos novos vice-campeões da "copita", o que também não quer dizer que o time de Maradona é uma bela constelação ou uma bela porcaria. As coisas em seu lugar, caros secadores. Fundamentalismo cega.
E falando nas coisas em seu lugar, que o SCCP use a legitimidade (outra bobagem) que ganhou junto com o título para debater de modo mais aprofundado a famigerada "copita", na esperança de que ela ganhe novos formatos e uma nova dimensão a partir de agora, não bastando a dimensão que já passou a ter, por si só, com o mais lindo dos escudos encravado nela.

Edu Maretti disse...

Caro Leandro, eu disse anteriormente que "pela tradição o Boca é inquestionavelmente favorito", e emendei: "Mas tudo pode acontecer". Disse tb: "o Corinthians tem em Danilo um grande trunfo". Dito e feito.

O Santos talvez fosse o grande perigo do Corinthians, como disse Marco acima, mas cansei de dizer: Muricy + Santos = apatia e chuveirinho. Santos x Corinthians é sempre bonito e imprevisível, embora haja corintianos que nos chamam de "fregueses" (ridículo). Portanto, o SFC poderia ter ganhado do Corinthians, se estivesse muito motivado e determinado (como o Timão estava) e/ou com um futebol digno de sua escola alegre e ofensiva. Mas com esse treinador são-paulino da escola de Rubens Minelli, deu no que deu.

O Boca jogou melhor até mais ou menos 20 minutos. Depois o Corinthians, que começou muito nervoso, assentou os nervos, pôs a bola no chão, inverteu o domínio e assim foi até o fim. Merecido título, embora eu não goste do futebol do time (posso?). Você mesmo, Leandro, cansou ao longo do ano de criticar o Tite e disse aqui que qualquer dos 3 semifinalistas seria favorito contra o Timão, não falou? Pelo que vi de Boca x La U, achei que seria duríssimo bater os argentinos, ainda mais considerando o nervosismo que já abateu o Corinthians tantas vezes. Mas não foi tão difícil assim. Méritos de vcs. E ponto, ué. Qual o problema? Prefiro arriscar e falar do que ficar com discursinhos hipocritamente neutros como mtos "cronistas esportivos" de quinta categoria que se acham o máximo, que a gente cansa de ver.

Tb acho que a Liberta ("ninho de cobras") precisa evoluir e ser mais profissional.

Uma observação sobre a moderação de comentários: dá trabalho fazer um blog e não vou mais aceitar que se baixe o nível. Há blogs, como o Futepoca, em que blogueiros de vários times convivem bem, debatem, brincam e se comportam como cavalheiros, embora até "caneladas" sejam aceitáveis, desde que se mantenha o respeito. E com baixo nível não quero dizer apenas palavrões e ofensas. Quero dizer baixo nível de modo geral.

Mesmo quando eu desativar a moderação de comentários, vou deletar comentários desse tipo.

Abraços a todos e saudações alvinegras.

Fernando Augusto disse...

LUTO

Felipe Cabañas da Silva disse...

SE SE SE SE SE...

Edu, vá ver as estatísticas do clássico alvinegro e veja quem mais ganhou. Fora que "o jogo do século", como você mesmo chamou, já passou e vocês perderam. E perderam contundentemente. A verdade é que todos os seus posts sobre libertadores depois da semifinal foram de um ressentimento ímpar. E eu que sou o fundamentalista?

Engraçado que o enfadonho e esnobe time da Vila Sônia, ganhando seu terceiro título de liberta (já levando no currículo a arrogante bagagem do bicampeonato de que tanto se vangloriaram) quebrou a avenida Paulista inteira. Ontem, cheguei em casa de lá às 4h da manhã, sem presenciar um só ato de vandalismo ou violência. Só uma festa linda sob a lua de São Jorge. E nós somos fundamentalistas.

Vou deixar pra lá esse blá blá blá anticorintiano porque o repertório agora murchou e não vale a pena perder mais tempo com isso. O fato é que somos hoje o maior clube da América, deixamos no chinelo os "experientes" Vasco, Santos e Boca Juniors, e conseguimos um feito INÉDITO EM TODA A HISTÓRIA DA COMPETIÇÃO: FATURAR UM TÍTULO APÓS PASSAR, NÃO 4, NÃO 5, NÃO 7, MAS 14 JOGOS INVICTOS. QUER MAIS CONTUNDÊNCIA??

Em tempo, a única confusão de que tenho notícia na nossa noite iluminada de São Jorge de 4/7 foi um destrambelhado que atropelou um monte de gente no Tatuapé. Como trabalho na Vila Formosa, encontrei hoje pessoas que PRESENCIARAM o acidente: o carro estava cheio de corintianos, mas o condutor não era.

Para o time de desdentados sem libertadores da Marginal sem número, o Corinthians, o meu Corinthians desse primeiro e iluminado semestre de 2012, deu não só várias aulas de futebol em gente muito rodada e de narizinho arrebitado, mas também uma aula de civilidade.

O Brasil mudou, companheiros. Triste para quem não é corintiano e só pode ficar lambendo o pus das feridas.

PS: E a grande e poderosa Libertadores, neste blog, agora virou "a copita". A anticurintianada está mesmo fula da vida.

Edu Maretti disse...

(Suspiro)

Felipe,vc está insistindo em afirmar coisas que eu já respondi anteriormente. Também está com a mania de perseguição de tomar para si coisas que eu não atribuo a vc, embora vc tb possa estar no contexto.

E mais uma: não foi este blog, meu caro, mas o Roque Citadini quem resolveu chamar a Libertadores de "Copita" já faz tempo, como aliás o amigo Leandro informou aqui. Era uma maneira de o Citadini manifestar ironicamente seu falso desdém pelo título que teu time, e o dele, ainda não tinha.

Edu Maretti disse...

PS:

Da série "embora tudo pareça besteira, e é..."

Mas faço questão de falar sobre o conceito de “freguesia”.
É verdade que o Corinthians ganhou mais no cômputo geral, mas freguesia não é isso. Senão seria fácil.

– Professor, o que é freguês no futebol?
– Freguês, Joãozinho, é o time ou jogador que num determinado confronto tem mais vitórias que o seu adversário somando-se todas as partidas que já disputaram. Entendeu, Joãozinho?

Aí cai na prova e Joãozinho acerta, pois decorou bem.

A coisa é mais dinâmica. O Santos já foi freguês do Corinthians e vice-versa muitas vezes. Nos anos 90 o Timão era freguês do São Paulo de Telê, Cafu e Raí. No atual período, o freguês é o SPFC. Não dá pra negar que freguesia é algo relacionado a hábito, e os hábitos mudam. Infelizmente, o Santos é de fato freguês do Palmeiras, o único time q nos bateu na era Pelé, do qual não ganhamos com Robinho/Diego e nem com Neymar os vencemos.

Segundo o Houaiss, freguês é [na acepção esportiva] “o time ou jogador freq. derrotado por um determinado adversário”. É isso mesmo, frequentemente.

No espetacular confronto do tênis Andre Agassi vs. Pete Sampras, Sampras leva a melhor com 20 vitórias a 14. Por isso Agassi é seu freguês? Não, de modo algum.

É isso o que acho, Felipe. Saiba vencer. "Sorria, meu bem, sorria..."

Fique na paz.

Felipe Cabañas da Silva disse...

Ah, Edu, a sua retórica é bonitinha. Mas discordo. A gente sabe vencer. Vocês, antis, é que não sabem perder.

Sorria, meu bem. A vida continua. O Santos tomou um chocolate. O Boca foi destroçado. Somos campeões invictos, históricos, incontestáveis. Vocês perderam a piada. Bom luto pra vocês.

#invicto

Leandro disse...

Sobre esta questão de freguesia, concordo que pertence à série "Pode parecer besteira, e é...", mas, apenas à guisa de esclarecimentos estatísticos, o blogue Retrospecto Corinthiano, que apesar do nome prima pelo cientificismo dos números ao longo de toda a história, mostra que, se existe freguesia, esta não é do SCCP nem se computarmos o período da Era Pelé. Vide postagem relacionada ao segundo jogo das semifinais da "Copita".
Tudo bobagem, mas os números estão lá.
E Edu, quanto às semifinais Boca x La U, se prevalecesse o futebol bonito, os chilenos, atuais campeões da Sulamericana ("Pode parecer besteira, e é...") estariam agora comemorando o bicampeonato da Libertadores (Também pode parecer besteira, e continuará sendo), e se o seu gosto pelo futebol bonito é assim, tão acentuado, você há de convir que teria torcido para que a Universidad pegasse o Timão na final.
Mas eu sei e você também sabe que estava, no fundo (no bom sentido do termo) contando pragmaticamente com a escrita, a tradição, a catimba e a experiência do Boca em mais uma final. E aí fica complicado, a essa altura do campeonato, fazer proselitismo do futebol bonito e ofensivo.
Como eu venho detonando o Adenor desde o Br/10 e tudo indica que continuarei fazendo isso, me sinto à vontade para tanto. Aos que querem pintar o gaúcho como novo gênio do futebol, lembro que o Corinthians campeão brasileiro em 99 e campeão mundial em 00 jogava de modo mais arrojado e foi campeão com um tal Osvaldo de Olveira, que nem por isso virou um novo "crânio" dos bancos.
A história corinthiana é pródiga nestes casos de técnicos de qualidade duvidosa ganhando coisas importantes pelo time.
Não é um sul-americano de várzea que vai mudar o meu conceito do Tite, mas também não é o Tite que vai ter força operante a ponto de nos fazer afirmar que um título brasileiro com sobras e uma Copa SP e um título da "copita" invicto num intervalo de seis meses foram exclusiva obra do acaso e que o grupo de boleiros esforçados não teve méritos em nada disso.
Isso contradiz, inclusive, seus comentários de loas à vitória do retrancado Chelsea que "travou" os novos "Globetrotters" do Barcelona na Copa dos Campeões(?).
Por que os ingleses "podem" fazer isso e merecerem sua comemoração e o time de nome inglês não pode fazer coisa parecida?
Tenho seríssimas dúvidas quanto à intensidade do seu apego pelo futebol bonito e ofensivo.
O Felipe parece ter razão quando insinua que o ressentimento com relação ao SCCP está muito acima disso tudo, independente do modo de se jogar.

Edu Maretti disse...

Putz...

Ao ir nas configurações do blogger vi que não tinha liberado os 2 comentários acima. Não foi intencional. Sorry. Esse negócio de moderar comentários dá nisso. Mas fazer o quê? O blog foi invadido por baixarias de figuras raivosas e eu não tenho estagiários pra cuidar do blog.

Embora respeite os argumentos de todos que argumentam bem, discordo de alguns argumentos, principalmente do Felipe, que acho que manifesta uma agressividade raivosa (recebi e-mails reclamando desses comentários)e sinceramente além da conta.

Passado o tsunami, desativei o tal "moderador de comentários", que por enquanto não tenho saco pra administrar, mas posso reativar daqui a pouco, pois não estou mais a fim de babaquices.

Felipe Cabañas da Silva disse...

Recebeu emails reclamando dos meus comentários?

Que coisa. Você é o cara que teria mais moral para reclamar comigo. E durante toda a libertadores só me deu um toque uma vez. Quando o fez, inclusive, tive o mais irrestrito respeito. Não tenho problemas em reconhecer quando me excedo. E, companheiros, convenhamos, vencemos uma libertadores com pompas, depois de sermos achincalhados o semestre inteiro. Pessoas vieram aqui no blog para dizer que corintianos são doentes mentais com quem não se pode discutir. Chamaram nosso futebol de futebolzinho, repetiram o semestre inteiro o mantra "Nunca Serão", fomos ofendidos e procuraram nos desestabilizar de todas as formas possíveis, na blogosfera, nas redes sociais, nas mesas de bar ou nas filas de banco.

Desculpem se me excedi. Sou apenas um ser humano apaixonado por um time, como o grosso da boleiragem que frequenta este blog e também não costuma ter papas na língua.

Tudo que ouvi, vi, senti, observei em relação ao Corinthians neste semestre, vindo de quem não torce pelo Corinthians, foi de uma agressividade raivosa intolerável. As redes sociais, neste momento, estão tomadas pelo ódio, pela agressividade e pela frustração de quem passou o semestre inteiro aguardando um fiasco feito ave de rapina frente à carniça. Inclusive, o velho "classe média way of life" e sua cartilha de ódio de classe é o que tem dado mais audiência. Reagir, neste caso, é a atitude mais inteligente. Eu não dou a outra face. Graças a Deus, sou apenas humano.

Todo o ódio, todo o rancor, todo o ressentimento, todos os golpes baixos do anticorintianismo dos últimos meses mostram que a grandeza do Corinthians se tornou incontornável. Mais do que nunca, e não unicamente por causa do "sulamericano de várzea", como afirma o Leandro, tenho orgulho irrestrito de ser corintiano.

Felipe Cabañas da Silva disse...

PS: Gostaria de esclarecer, e que também talvez você o fizesse, Edu, que nenhuma das baixarias que você teve de moderar vieram de minha pessoa. Posso ter "manifestado uma agressividade raivosa", mas gostaria de deixar claro meu completo e irrestrito respeito pelo mantenedor do blog e pelos frequentadores.