domingo, 6 de maio de 2012

Santos faz 3 a 0, é virtualmente tricampeão paulista e Neymar iguala outro feito da era Pelé


Foto: Ricardo Saibun/Santos FC
Camisa 11 chega a 104 gols, igualando Chulapa e João Paulo

Ao derrotar o Guarani no Morumbi por 3 a 0 sem se esforçar muito neste domingo 6 de maio, com uniforme azul, o Santos é virtualmente tricampeão paulista, título que ninguém ganha em São Paulo desde 1969, quando o próprio Alvinegro Praiano o conquistou. Depois de levantar a terceira Libertadores no ano passado, o tri estadual é mais um feito que a geração de Neymar (liderada pelo próprio) iguala aos triunfos da era Pelé.

E mais: com os dois gols marcados contra o Bugre, Neymar é o artilheiro do Paulistão (18 gols) e chega a 104 tentos com a camisa alvinegra, igualando Serginho Chulapa e João Paulo. Falta um para o jovem craque da camisa 11 ser o maior artilheiro da história do Santos pós-Pelé.

Quanto ao jogo de ida das finais do Paulistão propriamente dito, imagino que para os não santistas, e que portanto viram o jogo “de camarote”, foi uma partida até chata. Apesar do equilíbrio inicial, do jogo morno, a impressão era de que o Peixe não ficaria muito tempo no 0 a 0. E Ganso fez o serviço aos 42 da etapa inicial.

Sem falsa modéstia: Ganso
comemora imitando maestro
O Guarani atuou com valentia, marcou bem (e, diga-se, com lealdade, como havia prometido o técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão), fez o que pôde, mas a diferença entre os times é abissal. Até mesmo fisicamente, pois o time campineiro, já desfalcado na partida de seu atacante Fumagalli, lesionado, perdeu também contundido o importante camisa 4 Neto. Na medida em que o tempo passava, ia ficando mais e mais fragilizado. A rigor, a única grande chance de gol da equipe do interior foi um chute do lateral Bruno Recife aos 50 segundos do segundo tempo, que o goleiro Aranha desviou providencialmente e bateu na trave.

Lateral esquerda, o calcanhar de Aquiles do Peixe

De resto, a torcida do Santos deve estar preocupada com a lateral esquerda, setor que com Juan é muito vulnerável no time de Muricy Ramalho: os zagueiros Durval e Dracena têm de se revezar constantemente para cobrir as costas desse fraquíssimo lateral, que não à toa ficou encostado no São Paulo até o Santos ir buscá-lo por total falta de opção. Espera-se que o veterano Léo esteja sendo guardado para duelos mais importantes, pela Libertadores, pois mesmo o frágil Guarani penetrou com facilidade pela esquerda várias vezes. Se Léo não está mesmo 100% fisicamente, o Santos corre risco de sofrer sérios revezes por aquele setor quando enfrentar equipes mais fortes.

Sem o volante Adriano (que tomou hoje o terceiro amarelo) para a finalíssima contra o Bugre, Muricy, por outro lado, poderá escalar Henrique em seu lugar, jogador que critiquei e queimou minha língua, e que volta à sua posição original no próximo domingo, depois de atuar (e muito bem) improvisado na lateral direita, posição esta que Maranhão reassumirá após cumprir suspensão nesta primeira partida.

Libertadores

Mas, antes do jogo protocolar com o Guarani, o Peixe precisa ganhar do Bolívar na quinta-feira, 10, para se classificar às quartas-de-final da Libertadores. Parece barbada. Depois é que serão elas, como dizia minha avó, pois o adversário, depois do Bolívar, deve ser o Vélez Sarfield, que já ganhou do Atlético Nacional (COL) em Medellín, no jogo de ida, por 1 a 0.




Ficha Técnica

Guarani 0 x 3 Santos
Morumbi - 6 de maio de 2012

Guarani: Emerson; Bruno Peres (Thiaguinho), Domingos, Neto (André Leone) e Bruno Recife; Éwerton Páscoa (Willian Favoni), Fábio Bahia, Danilo Sacramento e Medina; Bruno Mendes e Fabinho Souza. Técnico: Vadão
Santos: Aranha; Henrique, Edu Dracena, Durval e Juan; Adriano, Arouca, Elano (Ibson) e Paulo Henrique Ganso; Alan Kardec e Neymar. Técnico: Muricy Ramalho

Cartões amarelos: Ewerton Pascoa e Fábio Bahia (Guarani); Adriano e Henrique (Santos)
Gols: Ganso, aos 42 minutos do primeiro tempo; e Neymar, aos 20 e aos 46 do segundo
Árbitro: Wilson Luiz Seneme

10 comentários:

Rice Araújo disse...

Mais um título chegando... e no ano do centenário!! Ao contrário de outros times por aí... é... vai ter time desfalcado com alguns atletas sofrendo de dores de cotovelo... Da-lhe peixe! O jogo foi meio fraquinho pelo que pude ver e confirmei no seu post mas, tirando o cabelo do Neymar e o uniforme azul achei tudo lindo.

carmem disse...

eu já tô até gostando do uniforme azul.

Edu Maretti disse...

Ah vá, Rice. O cabelo do guri hoje tava até bacana! Melhorou bastante. E o uniforme azul... eu também até já tô gostando. Azul da cor do mar!

saudações alvinegras!

Victor disse...

É verdade Edu o jogo foi chato porque o Guarani marcou em cima. Quando o Arouca sentiu dores achei que o Muricy iria tirar o cara para poupá-lo, mas ele voltou, fiquei aliviado. O Aranha passou mais segurança que o Rafael.
A camisa azul eu tb tô gostando, na torcida já dava para ver alguns pontos azuis no mar branco.
O cabelo do Neymar mostra duas coisas: o poder de influência dos meios de comunicação que dão grande visibilidade a este visual; e que padrão de beleza é uma coisa construída. A molecada adora este tipo de corte e o que significa minha opinião perante esta liberdade da nova geração.
Vamos ser TRI SANTOS !!!

Leandro disse...

Tomando como minhas as palavras do santista Cleber Móchato, a diferença técnica que já e grande ficou ainda maior sem o Brinco de Ouro na parada.
Vai dar (já deu) a lógica.

Edu Maretti disse...

Bom, mas também cabe notar que a única derrota sofrida pelo Guarani em Campinas neste campeonato foi para o Santos, 2 a 0. E que naquela partida o Peixe poupou seu time titular inteiro, "do goleiro ao ponta esquerda"...

Leandro disse...

Mas num mata-mata, sobretudo numa final, tudo isso costuma ser "relativizado".
O Timão, por exemplo, venceu a Ponte em Campinas com time reserva e foi eliminado pela mesma Ponte uma semana depois, jogando com time titular.

alexandre disse...

Não deu pro bugre. Bem que tentaram, mas parece que o Santos jogou um pouco sério demais e o genial garoto tava lá. Muito bom. O Santos é um time quase completo.
Mas olhem, qdo liguei a tv, pensei que era a Lázio, da itália. Será que a camisa é importada?
obs:O Palmeiras também tem o tri paulista, qdo ainda era Palestra Itália.

Edu Maretti disse...

É verdade, Alexandre, o Palestra tem um tri em 1932 a 34.

O Corinthians foi 3 vezes tri (1922-24, 1928-30, 1937-39), mas, como o parmera, faz tempo tempo que quase ninguém mais lembra, rs.

O Santos foi três vezes tricampeão bem mais recentemente(1960-62, 1967-69 e 2010-2012)

O São Paulo, nenhuma vez.

Edu Maretti disse...

Aliás, volto para citar Paulo Vinícius Coelho, que disse no Linha de Passe sobre a crise instalada no São Paulo (ninguém notou?) após ser desclassificado pelo Santos no Paulista: "O São Paulo não teve a sabedoria de entender que perdeu pro Santos do Neymar".