quinta-feira, 10 de maio de 2012

Quartas-de-final da Libertadores se definem
nesta quinta-feira


Como esperado, foi fácil a vitória do Corinthians sobre o Emelec do Equador: 3 a 0, no Pacaembu, na partida de volta pelas oitavas-de-final da Libertadores. Se há alguma coisa a dizer sobre o jogo que levou o Timão às quartas é: como é impressionante o nervosismo corintiano ante o desafio de ganhar de qualquer time sul-americano nessa competição.




O primeiro tempo do jogo terminou com o Emelec dominando um Corinthians nervoso, apesar de ter feito 1 a 0 logo aos 7 min do primeiro tempo com Fábio Santos. Contra um medíocre Emelec, os nervos podem não ser decisivos, mas, diante de um Vasco, um Santos ou um Vélez, o Corinthians não tem chance se jogar como atuou contra o Emelec. Posso errar, mas o pragmatismo de Tite não passa das semifinais, se passar das quartas, quando para mim o Vasco é favorito.

O adversário do time de Tite nas quartas vai ser o Vasco da Gama de Cristóvão Borges, que, fora de casa, bateu o argentino Lanús nos pênaltis, após dois resultados iguais (2 a 1 para os cariocas no Rio e igual placar para os hermanos em Lanús). Costumo torcer contra os times brasileiros na Libertadores. Para mim, a rivalidade fala mais alto do que aquele papo furado global de Corinthians (ou Vasco, ou Santos, ou Palmeiras, ou São Paulo, ou Flamengo etc) “é o Brasil na Libertadores”.

Mas hoje seria uma judiação o bravo Cristóvão Borges e o goleiro Fernando Prass caírem. O arqueiro bateu roupa no segundo gol do Lanús, mas, como sempre defendo os (bons, nunca os maus) goleiros, acho que seria injusto o Vasco cair por uma falha, sim, mas de um jogador que tem sido um guerreiro na esquadra cruz-maltina, seu goleiro Fernando Prass.

Desse lado da chave, o Vélez Sarsfield eliminou facilmente o Nacional de Medellín e pegará nas quartas-de-final o Santos, que deve passar pelo Bolívar nesta quinta-feira (toc toc toc).

Do outro lado da chave, o chileno Unión Española não deu nem para começar diante do Boca Juniors, com atuação soberba do veterano Riquelme. O Boca começa a gostar da competição nos mata-matas, isso é sabido, um clichê. Mas há de se considerar que o adversário do time argentino nas oitavas era fraco e o Boca só confirmou um favoritismo cabal. Seu oponente nas quartas será bem melhor, o vencedor de Fluminense x Internacional. Acho que dá Flu.

Os jogos das quartas-de-final da Libertadores, ainda com pendências, serão os seguintes:

Corinthians x Vasco
Vélez x Santos ou Bolívar

Libertad x Deportivo Quito ou Universidad de Chile
Boca Juniors x Inter ou Fluminense

Nesta quinta-feira a tabela estará definida.

Veja a tabela completa das quartas-de-final neste post

12 comentários:

Luciano disse...

Edu.... acho q nao assistimos o mesmo jogo...

Pra mim o corinthians foi amplamente superiror... foi frio.... e aproveitou praticamente todas as chances que teve.

O Emelec saiu pro jogo qdo fizemos 1x0.... por necessidade. Dominaram apenas os 10 ultimos minutos do primeiro tempo.... de resto, colocamos literalmente na RODA.

Tb não oacho que o Vasco é favorito.

Temos a nosso favor os jogos de volta em casa....

O time é bom... equilibrado... (apanhou e nao revidou.... nem pressionou o juiz) o Corinthians esta com a cara da Libertadores e não temo NINGUEM.... nem santos... nem boca.... qto mais o Vasco da Gama (nosso fregues de carteirinha)

Edu Maretti disse...

Caro Luciano, respeito sua opinião. Mas é possível que não tenhamos mesmo visto o mesmo jogo... Você viu um jogo com a lente do coração corintiano, e eu vi outro, como não corintiano, portanto mais friamente.

Mas o Emelec é muuuuito fraco. No primeiro tpo o Timão perdeu incontáveis bolas bobas no meio campo (muitas mesmo - e isso é nervosismo) e o Emelec não fazia nada com ela. Se é um Vasco, um Vélez ou um Santos, não ia ficar barato.

Pelo menos parece que o Cássio é goleiro, porque o Julio Cesar é um caçador de frango. Por outro lado, o ataque de vocês anda fraco, tanto que ontem os gols não saíram dos atacantes de ofício, apesar da baba que é a defesa equatoriana...

Leandro disse...

Creio que vi jogos diferentes dos vistos pelo Luciano e pelo Eduardo.
Vi um Corinthians que, se não foi avassalador durante os noventa minutos, também não foi exatamente dominado nem passou por tantos maus-bocados assim, e que perdeu uns sete ou oito gols feitos só no primeiro tempo não por nervosismo, mas pela falta de um "ariete" de ofício.
Liedson anda bichado faz tempo, Elton parece ter sentido o peso da camisa e William não é exatamente do ramo.
O novo goleiro corinthiano foi efetivamente exigido apenas uma vez pelos equatorianos, que até chegaram a ter mais posse de bola por alguns instantes, mas só isso.
Acontece que eles se deslocam e manejam a bola de modo relativamente bom para os padrões sulamericanos. Não é nenhum primor de time se comparado aos conterrâneos LDU e Barcelona de alguns anos atrás, quando alcançaram até decisões da competição, mas também não me pareceu assim tão medíocre. É muito mais time que o Táchira, que o Bolívar ou o Unión Española, por exemplo.
Concordo que o Vasco tem ligeiro favoritismo para este mata-mata, mesmo decidindo fora, e também por conta do fator Tite, reputo favoritos tanto Velez quanto Santos se acontecer de passar pelos cariocas (para desespero de Erick Faria, Carlos Gil e global companhia bela).
E se São Jorge descer do cavalo e o time chegar à (a meu ver improvável) final, qualquer dos times da outra chave já deve ser visto como favorito para este eventual embate. Qualquer um. Podem escolher.

Felipe Cabañas da Silva disse...

É impressionante como as lente anti-corintianas conseguem distorcer mais a realidade que as próprias lentes corintianas. Nós, corintianos, sabemos que não somos e nem queremos ser os favoritos para ganhar a competição: a Libertadores frequentemente degola seus favoritos, e sempre degolou o Corinthians quando se ensaiou algum favoritismo em cima dele. Mas o post do Edu não parece um post sobre o único time ainda invicto do torneio, que fez a segunda melhor campanha da primeira fase, que se classificou às oitavas e às quartas com autoridade, que vem vencendo com equilíbrio todos os desafios que têm se apresentado. Mas eu entendo a sua frustração, Edu. É difícil aguentar corintiano quando o time vence bem como ontem. Eu admito que corintiano é chato e, por ser numerosa, é uma torcida que tende a incomodar bastante.

Sempre repito aqui nos comentários das suas análises sobre o Corinthians desde o campeonato brasileiro: assim como o Casagrande, você não parece estar entendendo esse time do Corinthians. É um time pragmático. Ontem, quando o Casagrande criticava os minutos do primeiro tempo em que o time "era dominado", ele não era dominado. Posse de bola não significa nada se o adversário roda, roda, roda, ensaia, e não cria UMA MÍSERA CHANCE DE GOL. A atuação do Emelec foi pífia. A única chance de gol se resumiu a uma bola de falta, que o goleiro pegou bem porque é goleiro de verdade (e todo time bom começa com um bom goleiro). O Corinthians venceu o jogo com tranquilidade e não correu riscos. Vi muito nervosismo no primeiro jogo, mas no segundo dizer que teve nervosismo corintiano é uma análise totalmente deturpada (tanto é que eu, como corintiano apostólico romano de nascença que sou, sofri mais no primeiro jogo que no segundo, que costumeiramente em Libertadores costuma ser o jogo mais nervoso). O Corinthians não se descontrolou. Depois de fazer o gol, passou a valrizar mais a possa de bola, tocar bem, neutralizar jogadas: um jogo muito inteligente do Tite.

Mas eu estou gostando de ver as opiniões dos rivais sobre o Corinthians. O Corinthians não é favorito nem contra o Vasco, blz? Vamos deixar assim. É preferível que ninguém queira ver a realidade a criarmos expectativas vãs novamente. Tenho 29 anos e já vi esse filme muitas vezes. O Corinthians é apenas um timinho sem tradição de Libertadores...ok?

Edu Maretti disse...

Companheiro Felipe, um grande amigo meu parmerense uma vez me disse: "eu não gosto de invencibilidade e tabu, porque invencibilidade e tabu servem para ser quebrados".

Isso, esse meu amigo disse às vésperas da final Santos x Boca Juniors em 2003. E na final o invicto Santos perdeu. E deu Boca. Em qualquer torneio decidido em mata-mata, ser invicto não significa nada.

Respondendo sua pergunta final no comentário: ok!

Felipe Cabañas da Silva disse...

Não tem tabu nenhum. Somente a constatação de um bom time, em ótima campanha. O interessante é que para quem sabe ler nas entrelinhas já é possível sentir entre os santistas um "desconforto" frente a um possível duelo contra o timinho sem estádio e sem Libertadores da Marginal sem número. Vocês sabem que não será nada fácil: a retrospectiva dos últimos anos é equilibrada (excetuando-se o massacre de 2005, que aparentemente ainda está entalado na goela de vocês) e na história do confronto o Corinthians leva larga vantagem (excetuando-se os longínquos 10 anos que ficamos sem ganhar do Santos - perdoável, já que do outro lado tinha o maior jogador de todos os tempos). Embora você diga que o Corinthians "treme" em Libertadores, sabe que em clássico a coisa é diferente. Que venha o Santos de Neymar, afinal de contas a torcida do Santos é tão pequenininha que em caso de derrota não vai ter vizinho santista pra encher a paciência... rs.

Edu Maretti disse...

Felipe, "invencibilidade e tabu", eu disse, citando um amigo. Você não disse que o teu time está invicto? Pois para mim estar invicto não significa nada.

Quanto a "desconforto" ou outro sentimento diante da chance de jogar com o Corinthians, eu já disse incontáveis vezes que respeito o teu time e que clássico é clássico.

Mas, num duelo contra o SFC em condições normais e com Neymar em campo, é óbvio que o o Santos é favorito, isso até as pedras e muitos corintianos admitem. E o Vasco é, sim (ligeiramente ou não), favorito. O corintiano Leandro, por exemplo, admite o favoritismo (ligeiro ou não) de Vasco e Santos, se entendi bem.

O resto é retórica.

Gabriel Megracko disse...

Felipe Gambáñas: nervoso por enfrentar o Timão na semi da Libertadores? Será que não é mais o contrário, querido? É simplesmente o segundo maior time do Peixe na história. É o Glorioso no seu auge dos últimos 40 anos! Perder pro Timão é sempre possível, mas quem vai tremer não é o Peixe, merrrmão... Se você quer falar de entrelinhas, parece que o nervosismo é seu... inclusive no seu comentário, falando que não vai ter vizinho pra encher o saco... que papinho tosco. O que vocês não entendem é que o Santos está em toda parte, como a água, saca? Vocês só enxergam os arredores, a terra em que pisam. É difícil mesmo ganhar a Libertadores com essa mentalidade... mas... tudo é possível. Nada mais apetitoso para um rival que estragar uma festa de Centenário que, diga-se de passagem, só vai ser um Centernada se o Peixe tomar um vareio do Guarani no Morumbi. Você acredita nisso?
Nervoso todo mundo vai ficar... mas, convenhamos, que pedreira vai ser, hein... "bem que o Peixe podia não tá no caminho, né... cair fora antes... qualquer coisa... menos fazer essa semi com o meu Timão".
Ah, um dado: no histórico de confrontos, o Timão do Parcão São Jorjão 7777777777777 sem Libertadorezinha tem 25 jogos em casa a mais, para uma vantagem de 23 vitórias e uma história politicamente 3 vezes mais poderosa, ainda sendo generoso... Sendo que a história do Peixe sempre foi construída dentro do campo, contra todas as adversidades políticas, com futebol Arte. Santos 8x0 Bolívar. Isso é Santos, é Neymar. Pode tremer, é normal. "Muito prazer". Vem gambá, vem morrer no mar! "É doce morrer no mar".

Mas fiquem tranquilos, por enquanto... o Timão pode cair pro Vasco... o Santos pode cair pro Vélez...
Obs: Estou saindo do sé7imo comentário para o 8itavo, beleza? Pra quem dizia que o Peixe vivia do passado, já faz 7 anos... não tem nem mais pigarro na garganta. Vamos pra frente, Curíntia, vamos pra semi, esquece os 7x1 que, depois de 4 anos só apanhando, veio como um desabafo, tadinhos.

Felipe Cabañas da Silva disse...

Que o Santos é favorito num possível duelo contra o Corinthians eu mesmo sempre disse. O resto é intriga da oposição. O interessante sobre a invencibilidade do Corinthians nessa Libertadores é que podemos perdê-la na semana que vem contra o Vasco e mesmo assim seguirmos adiante com chances de levantar o caneco. Nada mais óbvio que um 2 x 1 lá e um 2 x 0 cá. No ano passado, foi 2 x 1 cá e 2 x 2 lá, com o Vasco com um time muito mais bem organizado, mas para vocês o Vasco é favorito. Mas continuo dizendo: é melhor que pensem assim. Isso tira um baita peso das nossas costas. Como vai ser gostoso pegar o Santos numa semifinal sem obrigação de ganhar: afinal de contas, é o dream team da Vila Belmiro (e não estou sendo irônico). Ele será o protagonista. Quem perdeu do Tolima, senhores, não tem mais nada a perder em Libertadores. E como é gostoso tirar das costas o peso da obrigação de ganhar e protagonizar. Vocês é que estão fazendo história. Somos só mais um time perigoso jogando o futebol jogado e não o futebol falado. Somos franco atiradores, senhores, e vocês estão construindo um pedestal cuja queda pode ser algo dolorosa. A conferir.

Paulo M disse...

Vou falar como parmeirense (campeão da CB 2012, he he), na minha neutralidade. O Santos é o melhor time da América no momento e o principal candidato ao título da Libertadores. Ponto. Ontem jogou à beça, batendo em bêbado, é bem verdade (o pênalti cometido pelo goleiro no segundo gol foi bisonho e o Bolívar parecia não conhecer ainda a forma geométrica da bola), mas o gol do Ganso (segundo do Santos) traduziu a tônica do potencial do time numa virada de letra espetacular, encaixando uma bola que a grande maioria dos atacantes no Brasil, hoje, não faria se estivesse de frente pro goleiro. Acredito que o time da Vila passa pelo Velez e pega o Corinthians na semifinal. Acho o Timão ligeiramente favorito contra o Vasco, com um sistema de jogo muito bem definido na defesa (covarde mesmo, mas muito eficiente), e um ataque funcional. O time do Rio tem potencial mas é inseguro, não deu conta de jogos decisivos no carioca e levou um couro do Botafogo acho que na final da Taça Rio. Aí, se eu acertar a previsão, Santos e Corinthians fariam uma semifinal de gigantes, com ampla vantagem técnica (ou simplesmente futebolística) para o alvinegro praiano (espero que um Santos completo, pelamordedeus, a seleção brasileira do Andres Sanches não vai se intrometer, né?), mas contra um Corinthians entrosado, bem montado e o casca grossa de sempre.

Ontem torci pro Inter contra o Flu e não achei justo o jogo. Os cariocas, pra mim, pouco fizeram e ganharam sem produzir muito, baseando-se nos erros do adversário: uma defesa vulnerável, um meio-de-campo criativo e (o segundo pecado gaúcho) um ataque sem pontaria (pobre Dagoberto). Não tenho nada contra os argentinos e torço pelo Boca contra o Fluminense. O Tricocor das Laranjeiras que vá plantar bananas.

Edu Maretti disse...

Começando pelo fim, Paulo, torci para o Flu contra o Inter. Não gosto de futebol gaúcho. Um brucutu do Inter (não lembro se Moledo ou Índio) deu uma entrada no lateral Carlinhos com menos de 5 minutos de jogo que poderia ter arrebentado o rapaz. Um carrinho de voadora lateral, insana. Foi só cartão amarelo pro estilo gaúcho. Isso é o estilo gaúcho, um jogo feio, baseado na força física, intimidação e até na deslealdade. O Fluminense fez seu jogo, foi pra cima, virou no abafa com a força de sua jogada aérea (conhecida mas muitas vezes indefensável) e a liderança e talento de Fred... Uma virada bonita, e depois tomou o sufoco final, mas com uma defesa muito bem postada. Pra mim, vitória justíssima.

Acho o Vasco um time muito talentoso, muito perigoso. Meio velho, é verdade, mas Felipe e Juninho, se não correm tanto, fazem a BOLA correr... é um time traiçoeiro ao estilo da velha escola vascaína. Diego Souza, quando inspirado, é um terror. E o zagueiro Dedé, se voltar, faz a diferença, é um monstro. Talvez o Vasco, sabendo das limitações físicas de seu time, tenha sido obrigado a optar... Dar tudo na Libertadores e deixar o Carioca de lado...

É isso aí.

Leandro disse...

O que o Felipe escreveu sobre as qualidades do "franco-atirador" Corinthians faz bastante sentido, mas ainda sigo acreditando num ligeiro favoritismo do Vasco porque este time, tirando a última eliminação no Carioca, tem se mostrado tão resoluto quanto o Timão em momentos decisivos, tem atacantes vivendo um melhor momento, e também acredito que as palavras do Mário Gobbi plantaram na Conmebol um vento que pode trazer tempestades futuras no campo e nos bastidores, até porque o Vasco sempre teve mais força nestes aspectos em termos de CBF e Confederação Sulamericana.
E para completar, o Timão perdeu o eficiente Edenilson, depois do Tite ter levado mais de um ano para descobrir que ele é muito melhor que o Alessandro.
Mas vai ter que ser de Alessandro nas próximas pelejas, e isso também me desanima...