quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Nem balas de prata mudam os números a favor de Haddad


Não sou nenhum profeta, apenas um racional e otimista observador de números, fatos políticos e pesquisas eleitorais. Por isso, disse num post do dia 12 que, na minha modesta opinião, São Paulo deve eleger Fernando Haddad neste 28 de outubro.

Vejamos alguns poucos dados. Dos eleitores que declararam voto em Celso Russomanno no primeiro turno, 53% votam em Haddad no segundo, segundo o Datafolha, o instituto da família Frias, em pesquisa da semana passada. Em relação aos eleitores do peemedebista Gabriel Chalita, esse índice é de 50% para o petista e 26% para o tucano.

Ou seja, com pequena diferença, os eleitores de Russomanno e de Chalita votam em sua imensa maioria no candidato do PT e de Lula. São dados que não se pode mudar com balas de prata e manchetes, são sólidos.

Cerca de três semanas antes do primeiro turno, avaliações baseadas nas chamadas pesquisas qualitativas internas do PT davam conta de que o partido estava tendo dificuldades em convencer o eleitorado das zonas leste 2 e sul 2 (as mais pobres), onde Marta Suplicy consolidou uma hegemonia com suas políticas públicas, de que Russomanno não era propriamente um aliado: os eleitores consideravam tanto Haddad quanto Russomanno aliados, inclusive na rejeição a Serra, e votavam no candidato do PRB por achar que ele tinha mais chance contra Serra.

Findo o primeiro turno e acabada a fantasia Russomanno, esse eleitorado pouco politizado, mas anti-Serra, se bandeou para Haddad, o que as pesquisas (quantitativas) mais recentes parecem comprovar.

Já o eleitorado do peemedebista Chalita é majoritário a favor do candidato do PT porque representa uma classe média mais progressista do que a classe média truculenta apoiadora convicta do tucanato. Chalita congrega também os setores mais arejados do catolicismo paulistano. E é (ou foi, com um capital de mais de 800 mil votos) o candidato do partido do vice-presidente da República, Michel Temer, legenda com a qual o PT de Lula fechou um acordo que tentava sem sucesso desde 2004.

Para hoje, quarta-feira, 24, estão previstas duas pesquisas, Ibope e Datafolha, que devem divulgar depois ainda mais dois levantamentos, no sábado dia 27. Com manchetes e Jornal Nacional sobre mensalão e tudo, como eu disse no dia 12 de outubro, São Paulo deve eleger Fernando Haddad. Não tem mais volta.

3 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Como sou corintiano e sofredor, jamais comemoro nada antes da hora...hahah... E lembremos do que disse o Haddad aí embaixo, não podemos cometer o erro do "já ganhou". Mas que a vida do Serrágio está difícil está. Há um sentimento muito forte de que Serra já deu, um cenário que sua propaganda não consegue reverter, e sinto muita solidez no movimento pró-Haddad, com uma força muito mais clara da campanha petista. Ame-se ou odeie-se o PT, é preciso reconhecer que o partido aprendeu a fazer uma campanha, inclusive com um uso inteligente das redes sociais pelos militantes - com propaganda a favor de Haddad ou contra Serra, que é um personagem perfeito para a sátira. Podemos achar que não, mas tirações de sarro como as do site "Esse dia foi loko" são muito mais importantes do que se pensa, ajudando a desconstruir a imagem do candidato. E quem tira mais sarro do Serra? Os jovens. Bem feito. O fato de ser tão ranzinza e antipático faz o sujeito ter uma penetração pífia nesse eleitorado atualmente tão importante. Na era do Facebook, não se ganha mais eleição com um punhado de velhotes conservadores formulando políticas jurássicas...rsrs... Pois é. Lula realmente fez bem em apostar no novo...

Edu Maretti disse...

Ah, esse site que você citou é muito engraçado, Felipe. A primeira vez que vi eu chorei de rir. Segue o link pra quem quiser rir também...

http://serraloko.tumblr.com/

PS: pra quem não conhece, depois de ver todas as fotos, lá embaixo tem o link (Next) pra ir às outras páginas, que são mais engraçadas ainda... hehe

Felipe Cabañas da Silva disse...

E já saíram as pesquisas.
Ibope 49% a 36%
Datafolha 49% a 34%.

Embora ambas as pesquisas tenham registrado leve crescimento de Serra - oscilações são sempre normais -, me parece que a liderança continua folgada e consistente, longe da margem de erro. E em termos de votos válidos, tudo na mesma, 60% a 40%. Interessante que o Haddad não perdeu votos, mas o Serra conquistou uma ínfima parte do eleitorado indeciso. Isso significa que a imensa maioria dos eleitores de Haddad estão bem decididos, e que a única chance do Serra seria conquistar todo o universo de eleitores indecisos - boa parte dele formado por eleitores que rejeitam José Serra de forma taxativa. É possível, mas improvável.