terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Palmeiras elege Paulo Nobre presidente e, para recomeçar, precisa esquecer seus fantasmas

Reprodução
Profissionalismo, ruptura, frieza. Palavras usadas pelo novo presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, eleito agora à noite. Ele disse também que vai separar o clube social do futebol, um nó eterno que tem custado a paz no Palmeiras desde tempos “imemoriais”...

Em comentário a post anterior, o palmeirense Paulo M. disse que “Paulo Nobre tem apoio do Mustafá”, e concluiu: “Fora!”.

Não acho tão simples assim. É esse tipo de paixão cega que tem de acabar no Palmeiras para que o clube retome seu caminho vencedor. O que tem de acabar no Palmeiras são as brigas fratricidas que há décadas vêm minando o clube por dentro.

Cartola em total decadência, ou mais, decaído, Contursi tinha de se agarrar em alguma tábua. Agarrou-se a Paulo Nobre, assim como apoiou Arnaldo Tirone na eleição passada. O que não significou nada, pois o ex-cartola todo poderoso se arrependeu do apoio a Tirone. Contursi, hoje, luta para não desaparecer. Não tem mais força, virou um fantasma.

Acho que Paulo Vinícius Coelho tem razão. Escreveu ele:

Havia um ponto perigoso: Mustafá fazer maioria no COF, o Conselho de Orientação e Fiscalização.
Não fez.
Se fizesse, o COF continuaria tendo um trabalho político, de vetar contas dos inimigos, aprovar dos aliados, como foi nos últimos vinte anos.
Mas dos 15 eleitos no COF, só quatro são ligados a Mustafá Contursi.”

Enfim, o Palmeiras tem uma nova chance. É preciso que sua comunidade, sua diretoria, sua torcida e seus conselheiros encontrem um mínimo de harmonia e deixem as politicagens e os rancores de lado. E parem de alimentar os fantasmas que assombram o clube.

6 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

É. Eu pensei parecido com o Paulo M. O Palmeiras precisando de uma revolução política, administrativa, financeira e futebolística, e ganha o candidato do Mustafá, esse cartolão à moda antiga, representante dos desmandos da política jurássica do nosso ludopédio.

Enfim, vamos ver o que dá. O Contursi pode ser um fantasma político, mas um fantasma pode incomodar bastante. Mas parece que realmente a comunidade palmeirense está vendo que as coisas não podem ficar como estão. Como bem lembrou o Juca Kfouri (que consegue ser bastante imparcial ao falar do alviverde), os últimos 13 anos foram muito difíceis pro Palmeiras, mas na realidade o clube arrasta uma crise administrativa há aproximadamente 30 anos, que se reflete em campo - crise só interrompida pela bonança dos anos 1990 com a Parmalat. Não é um nome, uma eleição, uma medida que vai mudar isso. As mudanças tomam tempo. Eu vejo como bastante positiva a aprovação de eleições diretas a partir de 2014, uma prova de que a comunidade está envolvida num processo de transformação.

Paulo M disse...

Realmente, pensei melhor. O Paulo Nobre, nas últimas eleições, era candidato da chapa de Beluzzo. E pode ter feito aliança agora com o Contursi pra ganhar as eleições. É política. O Mustafá perdeu força no COF ontem, pois de 15 integrantes elegeu só quatro. E deve minguar mais com as diretas, porque tem muita rejeição entre os sócios do clube que vão eleger o presidente, agora em 15 de dezembro de 2014, que eu saiba.
Talvez o problema maior no momento seja o dinheiro mesmo. Fala-se que o Palmeiras tem cerca de 70 ou 80 milhões pra gastar em 2013. Isso seria pra contratar, pagar funcionários, jogadores, sustentar o maldito hábito pequeno burguês de se divertir nas piscinas aos domingos etc. etc. Certamente não dá nem pra um quarto de ano. Vai depender da honestidade e da habilidade de acionar o marketing em cima do Riquelme, de algum espectro que se habilite ou da própria marca do clube.
Se o Paulo Nobre não abrir o olho, vai ser presidido pela torcida, que já mandou o Luan embora (de tanto ouvir vaia, disse hoje que não joga mais no Palmeiras. Boa notícia. Tchau, Luan). E o Valdívia está no mesmo caminho, já foi vaiado e xingado. Tchau, Valdívia.
Bom, é esperar. Só o tempo terá a resposta definitiva...

Edu Maretti disse...

Bem, já que estamos falando de Palmeiras, não podemos esquecer da semifinal da Copinha, que acabou de acabar. Palmeiras 2 x 3 Saaaantos, um jogaço, digno das tradições. Um certo Neilton, camisa 25, detonou fazendo três gols, um dos quais ao estilo Neymar.

Bom time esse do Santos da Copa SP. Toque de bola, rapidez, habilidade. O camisa 10, Leo Citadini, sobrinho do conhecido corintiano, muito habilidoso com a canhota.

Agora a final é contra o Goiás, sexta, dia 25.

Os meninos da Vila foram muito superiores ao time palmeirense, que, de resto, demonstrou nervosismo e apelou para as faltas. Resultado justíssimo.

Dessa vez não deu, hein.
Saudações alvinegras.

Alexandre M disse...

Pra mim, esse momemto que vive o Palmeiras, é fruto do fracasso da gestão do Belluzzo. Grande decepção para uma administração pífia, incompetente, antes acreditada por todos os palestrinos. Belluzzo é um amador, deveria se dar ao luxo apenas de assistir aos jogos na cativa e cuidar da economia, se é que cuida. Tirone foi um fantoche, uma ponte para uma transição, só endividou o clube. Não tem a menor vocação para liderança, é um bobão.
Mas acho que tem muito sentido dizer que o "Contursi tinha de se agarrar em alguma tábua. Agarrou-se a Paulo Nobre, assim como apoiou Arnaldo Tirone na eleição passada." è uma sarna. Paulo Nobre pode não ser um "salvador", mas pode usar esse momento para uma política de interesses mútuos.
E parece que começou bem. è quase certo o retorno de Brunoro ao clube. O Palmeiras precisa de profissionais, não de amadores. è por aí.

Anônimo disse...

O MUSTAFA COLABOROU MUITO PARA O PAULO NOBRE E OS SEUS VICES SEREM ELEITOS.É ASSIM QUE SE FAZ QUANDO VOCE PENSA NO MELHOR PARA O PALMEIRAS SEM RANCOR E EMOÇÕES.

João disse...

o Contursi q vá pra pqp... mas o Brunoro sim... com ele já dá pra começar a acreditar no P. Nobre.
saudações alviverdes!!!