segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O episódio dos skatistas na Praça Roosevelt


Após a agressão da Guarda Civil Metropolitana (GCM) a skatistas na praça Roosevelt, em São Paulo, no dia 4 (veja o vídeo abaixo), a Secretaria Municipal de Segurança Urbana, à qual a GCM é subordinada, divulgou uma nota na qual afirma que a pasta “não tolera condutas como a dos agentes envolvidos em ocorrência com skatistas na Praça Roosevelt”. De acordo com a nota, “os responsáveis já foram identificados, afastados dos serviços externos e estão sendo ouvidos pela Corregedoria Geral da Guarda Civil Metropolitana, que adotará as providências cabíveis”.

Consta que moradores, comerciantes e frequentadores da praça Roosevelt  reclamam da atuação dos skatistas no local, até de madrugada.
A opinião deste blog: a truculência de agentes (guardas municipais) encarregados de promover a proteção dos cidadãos e do patrimônio público, como a verificada nesse episódio, é inaceitável. O rápido afastamento dos responsáveis pela agressão, o que foi feito, segundo a prefeitura, é louvável. Ou melhor, esperado, já que o agora prefeito Fernando Haddad se comprometeu desde a campanha a humanizar a atuação da GCM, responsável por agressões absurdas principalmente a moradores de rua.
Mas, por outro lado, diante da briga neurotizante por espaço na megalópole de São Paulo (carros, pessoas, skatistas, comerciantes, ambulantes, pedestres e motoqueiros etc.), nem sempre uns respeitam os outros. Os skatistas muitas vezes não estão nem aí para as pessoas que andam pelas ruas e calçadas.
Agem como se fossem os donos da rua e das calçadas. Acontece de você às vezes ter de sair da frente para não ser atropelado por um deles. Na avenida Paulista, por exemplo, em certos trechos você não pode passear tranquilamente. Fora o barulho, que em alguns locais realmente perturba. Não me parece que calçadas onde transitam pessoas, crianças, idosos e deficientes seja o lugar adequado para se exercitar manobras radicais.
Esse é mais um problema urbano que precisa de atenção e regras, e ação (política pública) da prefeitura. O direito à prática de nenhum esporte ou atividade deve prevalecer sobre quaisquer outros direitos dos cidadãos, muito menos ameaçar a integridade física das pessoas.

7 comentários:

Cris glass disse...

Seu post é um dos melhores que vi pois foca também no outro lado da coisa. Muitos estão apenas se concentrando na truculência do guarda mas ninguém comenta sobre o perigo que é pra pessoas que não praticam esporte poderem curtir a praça. Sou praticante de Skate e BMX e fui ontem ver como estava a nova Rossevelt.
O lugar é uma bagunça generalizada. Perigo real pra quem circula por la. Acho que a discussão deveria caminhar para a criação de uma praça de esporte radicais no centro como a de São Bernardo do Campo. Concordo com você sobre o uso de espaço público por skatistas ou praticantes de esportes radicais que não tem consciência do mundo em sua volta. Ontem, vendo um cara que estava tentando uma manobra em uma mureta, fiquei tenso imaginando o que poderia acontecer se o skate dele escapasse e pegasse alguém desprevenido pelo caminho.Outro que treinava uma outra manobra descendo uma rampa de acesso a praça também não tava nem ai com quem poderia aparecer pela rampa. A Atitude do guarda foi totalmente equivocada mas outros guardas que trabalham lá orientam os usuários com educação e bom senso.
Gostaria que as pessoas que falam e compartilham o vídeo na internet ficassem lá por um dia no final de semana e ai sim poderiam ver o tamanho do problema.
Deveriam compartilhar ideias para construção de uma park para skate , bike e patins e deixar a Roosvelt para as crianças e famílias que frequentam o espaço.
Outra sugestão seria usar uma parte da praça, já que tem uma longa história com o skate, para a criação de uma skate plaza.

abraços

Cristiano

Edu Maretti disse...

Bacana que um praticante de skate faça um comentário com tanto bom senso. Quem dera se as ponderações no comentário de Cristiano, acima, permeassem discussões e propostas para se resolver questões desse tipo.

Um abraço

Luciano disse...

O mesmo apaisana agredindo camelos no centro sp

http://www.alo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=194508

Gabriel Megracko disse...

Ando de bicicleta na calçada, porque na rua já morri duas vezes e quase morri uma terceira vez. Na segunda, voei como um pássaro e pousei como um macaco, foi cinematográfico a ponto de as pessoas em volta ficarem de boca aberta e me aconselharem a destruir o carro da boladenevista que me derrubou e me culpou por ter olhado pro carro dela e batido no outro e me acidentou não socorreu chamou dois marmanjos também boladenevistas e os três me rodearam e bradaram que "deus" ia provar que eu estava errado voltei lá à noite pra destruir o carro dela escondido e ela tinha tirado o brinquedo assassino dela de lá pra ninguém com raiva dela riscar o carro dela não ando mais na rua nunca atropelei um pedestre corro bem menos risco que na rua e os pedestres correm menos risco que eu quando andava na rua e um monte de trabalhador indo e voltando do trabalho anda de bicicleta na calçada e é tudo uma bagunça como essa aqui eu não sou obrigado a comprar um carro e nem andar nos ônibus dos donos muito malditos dessas empresas aqui de Santo André que pelo que sei pagam uma miséria pra seus motoristas que ficam miseráveis e mal humorados e acabam ficando malditos também mas tem uns gente boa e tem umas mulheres agora trabalhando nisso que são geralmente mais educadas deviam colocar mais mulheres dirigindo ônibus e pagar direito caralho mas isso não vai acontecer e eu vou continuar andando de bicicleta na calçada por uma questão prática e tomo o maior cuidado com os pedestres, principalmente aprendendo a guiar a magrela e não precisa andar de skate na calçada botando medo nos tornozelos dos pedestres mas onde vão andar os esqueitistas pegar um ônibus chato esquizofrênico até uma pista de skate ninguém consegue treinar assim e todo mundo tem o direito de estudar o que quiser não? ou eles devem parar de andar de skate e estudar engenharia mecatrônica na universidade federal do inferno ou quem queria estudar engenharia mecatrônica deve desistir porque não teve estudo mesmo fodido nas escolas fodidas e ir andar de skate mal educado na calçada porque estão putos por não terem conseguido estudar engenharia mecatrônica ou alquimia mas alguns andam na rua arriscando suas vidas aí morre um e todo mundo fica triste e eu nunca fiquei sabendo de um eskatista que morreu na rua mas já morreu e eu nunca fiquei sabendo alguém deve ter ficado mas e todo mundo não fica sabendo por quê? São Paulo, bixo do coco, bagunça central pânico periférico tomara que tudo melhore com o prefeito que eu láááá de longe ajudei a eleger menor que um indivíduo paralelepípedo em 347 metros de rua será que tem mais paralelepípedos nela que eleitores que elegeram o novíssimo prefeito em São Paulo? ufa! mas não se iludam, Sampa ainda vai crescer muito, vai ficar muito pior pra uns e muito melhor pra uns ainda nem começaram a vender aquela metade de carro asiático que custa menos que uma câmera filmadora de boa nem ótima só boa qualidade pra quem quer filmar um curtazinho ou um equipamento de fotografia pra quem quer trabalhar com isso e não tem quem indique "Ya comme un hic!

C'est la panik panik panik
Sur le periferique
Trop de traffic

C'est la Panik en Afrique
Panique en Amerik
Panik au fanatik tak tik tak tik

C'est la panik panik panik
Sur le periferique
Trop de traffic

Panik aux assedics
Panik a la boutik
Panik demografik
Paniker sans plastik

C'est la panik panik panik
Sur le periferique
Trop de traffics

Panik democratik
Catolik islamik
Panik ecologik
Total bombe atomik

C'est la panik panik panik
Sur le periferique

C'est la panik en Afrique
Panique en Amerik
Panik au fanatik tak tik tak tik

C'est la panik panik panik
Sur le periferique

Banlieue rouge
L'été sera chaud" (Manu Chao) é queridos, vivemos uma vida pra lá de boa e pra lá de pior do que algumas poucas agora pior é a distância entre os nossos dois extremos brrrrr terror! Na ausência do Estado, o caos prevalecerá e será justo como o Sol. Salve Kerouac.

Beijos.

Mayra disse...

Olha aí a notícia de que a Praça terá área só para os skatistas:
http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/01/08/apos-confusao-na-praca-roosevelt-prefeitura-promete-area-especifica-para-skatistas.htm

Edu Maretti disse...

O link postado pelo Luciano acima é um importante registro, para deixar bem configurada a atitude recorrente (inaceitável) da personagem à paisana - caracterizando muito bem o caráter policialesco e fascista da Guarda Civil (sic) segundo a visão kassabista.

A informação linkada pela Mayra tb é importante, por ser um contraponto ao link postado pelo Luciano. A gente espera agora, com o governo Haddad, que figuras desse nível sejam cabalmente banidas do sistema de segurança pública da cidade.

Como dizia Caetano no Araçá Azul, "é conversando que a gente se enteende".

Leandro disse...

No afã de se manterem fiéis ao projeto de 1970, época em que a cidade era bem menos, digamos, impermeabilizada, fizeram uma praça cheia de concreto em vez de grama, árvores, jardins, etc.
Se tivessem esquecido o projeto original de mais de quarenta anos atrás, economizado no concreto e se preocupado em fazer uma pista própria para o pessoal do skate, isto nunca teria acontecido.
Arbitrariedades do aparato de segurança pública, infelizmente, sempre existirão, já que isto é próprio deles. Pelo menos, nos dias de hoje é.
E abusos por parte de ciclistas, skatistas, motoristas, pedestres, etc. Estes também existem e seguirão existindo, por hora. Mas nada justifica os atos de violência praticados pelo GM em questão.
E voltando ao tema da cidade impermeável, é curioso saber que há alguns metros dali, na área circundada pelas ruas Caio Prado, Augusta e Marquês de Paranaguá, daria para se fazer uma bela de uma área verde (quase um parque) que ajudasse a amortecer as intempéries desta cidade cinza, quente e, conforme escrevi, impermeável.
Mas dizem que naquele pedaço querem fazer, para variar: Um shopping....