sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Serra corre risco de nem chegar ao segundo turno


Como não poderia deixar de ser, o candidato petista à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, comemorou a subida de três pontos percentuais na pesquisa Ibope (divulgada pela Globo ontem, 16 de agosto) em relação ao levantamento anterior (3 de agosto). Ele foi de 6% para 9%, enquanto Serra ficou nos mesmos 26% e Celso Russomanno oscilou de 25% para 26%. Haddad disse que já era esperado por sua campanha um crescimento antes do horário eleitoral na TV.

Mas o que chamou mais a atenção na pesquisa do Ibope foi a gigantesca rejeição ao tucano. Em simulação de um eventual segundo turno entre ele e Russomanno, este venceria Serra por 42% a 35%.

Segundo a pesquisa, 37% dos entrevistados não votariam no tucano de jeito nenhum. Em seguida, mas muito atrás, com rejeição de 16%, vem Levy Fidelix, o homem do aerotrem. E 14% afirmaram que não votariam, em nenhuma circunstância, em Fernando Haddad, Paulinho da Força, Soninha Francine e Eymael. Russommano tem só 11% de rejeição e Gabriel Chalita, 9%. Ana Luiza, Carlos Gianazzi e Anaí Caproni aparecem com 7%

Ou seja, Serra tem uma rejeição cerca de duas vezes e meia à manifestada pelos eleitores em relação a Haddad e quase três vezes e meia maior do que Russomanno. O candidato do PRB que se cuide, pois, nessas circunstâncias, dossiês podem surgir a qualquer momento...

Continuo achando que, como em 2010 na eleição presidencial, a campanha petista à prefeitura em São Paulo está muito pouco politizada.

Hoje (li na Folha Online) Serra passeou de trem para, heroicamente, se misturar ao povo. Mas não convenceu e ouviu protestos. Um falou a ele para voltar no horário de pico: "Vem aqui às 18h para ver como a gente fica". Outro, que tinha sido abordado pela sempre simpática entourage de Serra, berrou: "Manda votar nele de novo para ele abandonar a prefeitura".

Não é exagerada a hipótese de que Serra não chegue sequer ao segundo turno. Não mesmo.

As intenções de voto (estimulado) da pesquisa são as seguintes:

Celso Russomanno (PRB) – 26%
José Serra (PSDB) – 26%
Fernando Haddad (PT) – 9%
Gabriel Chalita (PMDB) – 5%
Paulinho da Força (PDT) – 5%
Soninha (PPS) – 5%
Ana Luiza (PSTU) – 1%
Carlos Giannazi (PSOL) – 1%
Eymael (PSDC) – não pontuou
Levy Fidelix (PRTB) – não pontuou
Miguel (PPL) – não foi citado
Anaí Caproni (PCO) – não foi citada
Em branco ou nulo – 12%
Não sabe – 10%

5 comentários:

Leandro disse...

Notícia alvissareira esta da subida do Haddad.
Mas considerando que SP é um reduto demotucanalha, ainda tenho minhas dúvidas.
Vamos torcer.

Felipe Cabañas da Silva disse...

É. Parece que Serra caminha para o crepúsculo melancólico de uma carreira delimitada pela obsessão da Presidência da República. Mas como disse um insuspeito jornalista tucano: "Serra quer muito ser presidente. O problema é que os brasileiros não querem que ele seja". Este ano, ainda é cedo para dizer, mas talvez a frase possa ser transposta para a Prefeitura de São Paulo. E, nesse ponto, seria ingênuo desprezar a falta de carisma de um candidato que não consegue entusiasmar nem mesmo seus correligionários. Nesta semana, um diretório do PSDB rachou com Serra para apoiar Chalita. Precisa dizer mais alguma coisa?

No entanto, não gostaria que o preço de não ter Serra prefeito fosse ter um Russomanno. Acho muito difícil Serra ganhar essa eleição, mas acho igualmente difícil não chegar ao segundo turno. E aí? Se for Serra x Russomanno? Certamente votarei nulo, mas vou fazer campanha entre os amigos conservadores para que não façam a besteira de votar nessa direitona mofada desse pseudo partido PRB.

Edu Maretti disse...

Tenho um amigo petista que é tão antitucano, mas tão antitucano, que disse que se der Serra x Russomano no segundo turno ele vota no candidato do PRB, porque o mais importante é varrer o tucanato se SP. Eu acho que seria lindo varrer o tucanato de SP, mas para isso eu não voto do Russomanno nem a pau. Não dá. Por isso acho importante votar no Haddad já no primeiro turno.

Felipe Cabañas da Silva disse...

É. Eu acho isso uma falta de bom senso tremenda. Quer dizer, no Fla x Flu que virou PT x PSDB, se faz qualquer coisa pra não ter PSDB???
Não dá, de fato. Eu não votaria no Serra porque sou professor, e somos uma das categorias profissionais mais maltratadas por Serra, Alckmin e congêneres. E, simplesmente, creio que há um bloqueio físico e metafísico dentro de mim quanto a digitar 45 na urna (hehehehe), e mesmo que quisesse não conseguiria. Mas, como aconteceu em 2008, Kassab x Alckmin voto Kassab porque odeio PSDB??? Não dá. Serra x Russomanno voto nulo, mas faço campanha pelo Serra.

Mas é isso. Eu que pensava em votar no Giannazi no primeiro turno, acho que vou rever minha posição. Se as opções do segundo turno foram Serra x Russomanno, estaremos diante do maior retrocesso em São Paulo desde Celso Pitta.

Alexandre disse...

Militontos, chamem a Marta!