quinta-feira, 12 de junho de 2014

Brasil abate a Croácia com Neymar decisivo e ajuda do juiz japonês


Resenha da Copa do Mundo [número zero - quinta-feira 12 de junho]


Ricardo Stuckert/CBF


A vitória brasileira contra a Croácia por 3 a 1 na abertura da Copa teria sido categórica se não fosse o pênalti cavado pelo Fred que o árbitro resolveu dar, e que proporcionou o gol de desempate brasileiro. A marcação da penalidade pelo juiz japonêsYushi Nishimura tirou um pouco o brilho da partida. Embora tecnicamente deixando a desejar até então, o jogo estava bonito, equilibrado, como uma partida de xadrez interessante, 1 a 1, com um gol contra esquisito de Marcelo, que pra mim não teve culpa na jogada, e um lindo gol de Neymar em chute mascado que no fim entrou como uma tacada de sinuca. Coisas de Neymar. Depois do jogo, o guri formado na Vila Belmiro explicou: "todos os meus gols são meio mascados mesmo", com o sorrisinho maroto de sempre.

Oscar surpreendeu, pelo menos a mim, e jogou muito bem, infiltrando-se a partir da direita e desarmando, dando sangue. Merecia o gol que fez de bico para dar números finais ao marcador. O volante Luiz Gustavo, com seu bigodinho à la anos 40, foi muito bem; Hulk, uma nulidade; e Fred cavou o pênalti, e mais nada.

Na zaga, a lateral direita de Daniel Alves tomou seguidas bolas nas costas, e numa delas saiu o gol croata. Esse é um problema que num jogo eliminatório, contra uma seleção mais forte, pode ser fatal. Tem que ser corrigido. Thiago Silva e David Luiz foram razoavelmente bem na zaga. Mas o ataque croata não foi muito efetivo como ameaça constante, apenas fustigava um pouco nos contra-ataques. O lateral esquerdo Marcelo não me dá segurança. O volante Paulinho foi apático.

Falta um meia nesse time, nem que fosse pra ficar no banco como opção para um jogo amarrado, que precise de alguém para pensar no meio de campo, dar aquele passe que às vezes desmonta uma defesa. Pode parecer babaca dizer isso agora, mas eu teria levado o Ganso para fazer esse papel de ficar no banco, como um 10 reserva. Não tem nenhum meia na seleção, nem titular nem reserva.

E Neymar... Bem, Neymar fez dois gols.

Acho que passaremos fácil pelo México. Mas Camarões me dá certo medo, porque pelo que ouvi falar é um time que bate, bate bem. Infelizmente, os times africanos, que décadas atrás encantaram o mundo com seu futebol talentoso, alegre e irreverente, adotaram nas últimas décadas um estilo que privilegia o pontapé. Na Copa de 2010, o meia Elano foi tirado da competição por uma entrada criminosa de um jogador da Costa do Marfim que por milagre não quebrou a perna do jogador brasileiro. Foi um dos jogos mais violentos daquele Mundial. Torcerei para Camarões não fazer a mesma coisa em 2014.

A lamentar, a grosseria tacanha do público paulista na Arena do Corinthians, na famosa ZL, dirigindo palavras de baixo calão à presidente Dilma Rousseff. O paulista não consegue deixar de ser idiota. Muitas vezes tenho vergonha de ser paulista. 

2 comentários:

Luciano disse...

Arena Corinthians estava linda!.... o paulistano idiota....como sempre!

Edu Maretti disse...

A Arena Corinthians estava linda mesmo, Luciano, mas aquele povinho coxinha, fala sério! É "o paulistano idiota....como sempre!"