domingo, 30 de março de 2014

Santos sofre, mas derrota Penapolense e vai à final; Palmeiras decepciona e cai diante do Ituano



Santos 3 x 2 Penapolense
Palmeiras 0 x 1 Ituano












Com esses resultados, o Santos faz a final do Paulistão 2014 com o Ituano, para decepção de quem pensava numa decisão, que há décadas se esperava, entre Santos x Palmeiras, por incompetência do time de Gilson Kleina.

A dificuldade do Santos na Vila contra o surpreendente time do Penapolense foi consequência da partida desastrosa (para dizer o mínimo) do zagueiro David Braz, reserva que, como se vê, não deveria nem mesmo ser reserva do time. Ele cometeu um pênalti desnecessário e entregou o segundo gol de presente para a equipe de Narciso fazer 2 a 1 de virada ainda no primeiro tempo. No segundo gol, diga-se, a lambança foi feita em parceria com o goleiro Aranha, com 50% de culpa para cada um. Muitos santistas acham que Aranha “é seleção”, o que me parece um exagero. É um bom goleiro, mas daí a ser um goleiro de seleção vai uma bela distância.

O Penapolense que o Peixe derrotou é um time melhor taticamente do que o violento Ituano. Isso posto, o Palmeiras protagonizou mais uma de sua série histórica de vexames contra times pequenos. Os episódios de que mais me lembro foram a perda do título paulista para a Inter de Limeira no Morumbi em 1986 (1 a 2) e as eliminações pelo ASA de Arapiraca na Copa do Brasil de 2002 (o Verdão ganhou por 2 a 1, mas caiu porque o ASA ganhara de 1 a 0 no Nordeste) e pelo Santo André em pleno Parque Antarctica pela mesma competição de 2004 (4 a 4).

A saída de Alan Kardec (que levou uma entrada digna de cartão vermelho do jogador do Ituano Alemão) e a ausência de Valdívia no primeiro tempo, poupado por estar com o tornozelo inchado após apanhar o jogo todo do Bragantino, além da saída do goleiro titular Fernando Praz (que não sei por que saiu) foram decisivas para a derrota do Alviverde. E, como todo mundo sabe, o goleiro reserva, Bruno, é um frangueiro: o chute do jogador Marcelinho foi daqueles que ele nunca mais vai acertar de novo, mas mesmo assim dava pra pegar, o goleiro caiu atrasado.

Voltando ao Peixe, impressionante a estrela do menino Stéfano Yuri, da escola santista, uma verdadeira indústria de grandes jogadores. Enquanto o caríssimo Lenadro Damião perdeu quatro gols absolutamente feitos (apesar de ter marcado o segundo do Santos), o menino entrou aos 40’ do segundo tempo, no sufoco, e na primeira bola em que pôs os pés mandou pra rede. Sensacional.

Enfim, pra quem esperava o clássico Santos x Palmeiras, numa final inédita em décadas, vai ter que se contentar mesmo, infelizmente, com Santos x Ituano.

O Palmeiras fica pra próxima.

3 comentários:

Paulo M disse...

Incompetência mesmo (do Palmeiras). Não entendo o motivo da insistência no péssimo Vinícius. Ou é pressão de empresário, ou alguma tara do técnico Gilson Kleina. Não fez nada enquanto esteve em campo. Aliás, fez: perdeu a bola (como sempre) e abriu caminho para o gol do Ituano.
Pergunto: onde estava Patrick Vieira? Canhoto, ele tem entrado no time no segundo tempo das partidas, jogando pelo lado direito, onde não consegue desempenhar 40 ou 50% de sua capacidade. Por que diabos insistir em tudo que sempre dá errado? Nesse caso, porque o setor esquerdo do ataque do Palmeiras parece ter vaga reservada para o Vinícius, quando da ausência de Wesley ou Juninho, outro grosso. Então, com atitudes incompreensíveis e na ausência de praticamente o time inteiro(Valdívia, Kardek, expulsos pelos adversários, e Praz), vê-se o que se viu. O Wesley, que já está cansado de dizer que é volante, e não meia ou atacante, perdido no meio de Leandros, Juninhos, Marcelos Oliveiras e cia.
E, diga-se, depois de 180 minutos de pancadaria (pois o Valdívia não jogou graças à truculência do Bragantino), alguns jogadores do Palmeiras deixaram o campo de jogo mais parecendo ter saído de um ringue de MMA, o que resultou num total de dois cartões amarelos para o Ituano e cinco para os palmeirenses. Tem algo muito errado aí. Faz favor. Quem viu o terceiro cartão amarelo que o Valdívia levou não entendeu, como bem se disse no comentário do SPORTV.
E lá se foi mais uma final entre Palmeiras x Santos, ou, melhor, mais uma chance. Ts ts, deu tudo na mesma mesmice de sempre...

maf disse...

Caralho, não vi o jogo mas depois desse comentário melhor foi não ter visto. Nunca vi Paulo tão indginado, é que a coisa foi séria mesmo. em Santos sofre, mas bate Penapolense; Palmeiras decepciona e é eliminado pelo Ituano

Edu Maretti disse...


Observação inicial: por um acidente, este desastrado blogueiro deletou sem querer o post original com comentários e tudo, publicado no domingo. O blogger não permite recuperar posts deletados, por isso reescrevi e publiquei, programando com a data do próprio domingo. Já os comentários, ao contrário do post, dá para recuperar, já que ao serem postados eles são automaticamente enviados ao meu e-mail.

Por isso os republiquei ipsis litteris acima e por isso eles estão com a data de hoje em horários próximos. Agora o meu comentário, tb recuperado:

Para mim, como santista, é bastante frustrante ter que ver Santos x Ituano quando esperava um Santos X Palmeiras, que desde que me entendo por gente nunca vi numa final. Brochante. Concordo com o Paulo sobre a violência do timinho de Itu. Lamentável. A entrada no Alan Kardec merecia vermelho. Esses timinhos são escrotos mesmo. Mas também, o Palmeiras não chutou uma bola no gol! Se chutou, não levou perigo e nem me lembro. Sinto muito, pois a final perdeu muito a graça.