sábado, 3 de agosto de 2013

Vexame


Santos de Laor e São Paulo de Juvenal Juvêncio passam por dificuldades

O verbete Vexame, no dicionário Houaiss online: 1. ato ou efeito de vexar; vexação (...) 3. tudo o que causa vergonha ou afronta.

*******

Não quero parecer corneteiro, mas o Santos hoje conseguiu passar por um dos maiores vexames de sua história. Como dizia minha avó, “quem procura acha”. A humilhação já era esperada, mas foi demais para um time chamado grande. A impressão que se tinha é que era um time profissional contra um time de amadores.

Os gols do jogo estão abaixo.


Mas o que se podia esperar de uma equipe jovem, totalmente inexperiente, em reformulação, diante do poderoso Barcelona de Messi, Iniesta, Fábregas e... Neymar? A atual gestão do respeitável senhor Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro faz o Santos Futebol Clube se comportar muito aquém de sua história em alguns momentos, embora tenha sido vencedor no primeiro biênio, reconheça-se. A partir do segundo mandato, entretanto, a falta de planejamento ficou visível.

Bonachão, autointitulado modernizador, simpático santista de quatro costados, infelizmente Laor, como é conhecido, “governa” o clube entre uma internação e outra para cuidar de sua saúde. Em meio a uma visita e outra ao hospital, o mandatário ou seus subordinados venderam Neymar (ok, precisava vender mesmo, por motivos conhecidos) e marcaram a partida de hoje como parte das negociações. Resultado no Camp Nou, em Barcelona: 8 a 0, “fora o frete”, como diz um amigo. 

"Talvez não tenha sido o melhor momento para enfrentar uma equipe do nível técnico do Barcelona", disse o técnico do Santos, Claudinei Oliveira. Bingo!

Claudinei não tem culpa de nada, mas a torcida santista (e ele próprio) continua sem saber se o atual treinador é efetivo ou interino, dois meses após a saída da farsa que atende pelo nome de Muricy Ramalho e infelizmente consumiu dois anos da era Neymar com aquele futebol de quinta categoria, responsável, aliás, pelo primeiro vexame contra o Barcelona, em 2011, e, em certa medida, pior do que hoje, já que era uma partida oficial, valendo o título mundial. O time, então campeão da América do Sul, mostrou que não tinha comando e nem proposta tática aceitável.

O Santos hoje, de certo modo, também deu azar, pois pagou o pato pela acachapante derrota da seleção da Espanha na final da Copa das Confederações, em julho, quando o Brasil fez 3 a 0, fácil. O Barcelona é a base da seleção espanhola. Logo, hoje, precisava dar o troco. E deu. Com a ajuda da falta de planejamento da atual diretoria do Santos F.C.

O episódio serve para mostrar que Luis Alvaro Ribeiro, o simpático bonachão, já deu sua contribuição. O Santos não pode se apequenar como se apequenou hoje.


O Tricolor do Morumbi

O papelão do time da Vila Belmiro superou em muito o do São Paulo, que esta semana perdeu de 2 a 0 do Bayern Munique e de 1 a 0 do Milan, ficando na lanterna de um torneio de verão europeu. Perto dos 8 a 0 que o Santos levou, o pesadelo do Tricolor acabou como um pesadelo cor-de-rosa, digamos assim, com o perdão do trocadilho, que foi sem intenção. Mas o fato é que o pesadelo do Peixe foi mais tenebroso...

O problema do São Paulo é que está mergulhado em uma crise política que se reflete em campo, sem precedentes talvez em 30 anos. A crise política se dá em função da sucessão do todo poderoso Juvenal Juvêncio (que lembra os eternos Mustafá Contursi, Alberto Dualib e Marcelo Teixeira), Juvêncio com sua arrogância típica e apegado ao poder; e, dentro das quatro linhas, o retrospecto Tricolor, com Ney Franco ou Auturori, nos últimos dois meses, é uma catástrofe: pelas minhas contas, foram 14 jogos desde 2 de junho, resultando em 11 derrotas e 3 empates.

A última vitória do time de Rogério Ceni foi em 29 de maio, quando goleou o Vasco da Gama, no Morumbi, por 5 a 1, pela 2ª rodada do Brasileiro.

O time do Morumbi já disputou 11 dos 38 jogos (29%) de sua tabela no Brasileirão. Em 18° lugar, à frente apenas de Portuguesa e Náutico, já fez um ou dois jogos a mais do que todos os seus concorrentes, pois adiantou dois jogos por conta de sua viagem à Europa, onde perdeu do Milan e do Bayern.

Se a crise política persistir e o time não reagir, o rebaixamento “está logo ali”, como se diz nas Minas Gerais.

8 comentários:

Felipe Cabañas da Silva disse...

Creio que o São Paulo está pagando o preço da arrogância. Tido e havido até bem pouco tempo atrás como o paradigma da boa administração futebolística no Brasil, autointitulado "soberano" depois dos anos vitoriosos de 2005, 2006, 2007 e 2008, o clube do Jd. Leonor acreditou que surfaria para sempre na crista da onda, e que a boa administração era um fato consolidado que não exigia mais atenção ou reformulação periódica. Mergulhado na arrogância, o clube ignorou que o futebol de hoje é ainda mais cíclico e competitivo, além de, como sempre, altamente influenciado por uma série de condicionantes que vão da cultura à política econômica. Ou seja, nenhuma torre de marfim dura muito tempo. Nenhuma estatura olímpica conquistada em momento específico serve a projetar uma "soberania" eterna. Como disse o goleiro Rogério Ceni, o São Paulo "parou no tempo". Parou no tempo da arrogância. Pior para eles que hoje o time que eles têm como maior rival, o Corinthians, projeta-se como o novo paradigma da administração clubística profissional. Espero que o meu time não caia na armadilha da arrogância.

No mais, creio que o São Paulo não cai esse ano. Vai se salvar, porque está desde o começo do campeonato assumindo a faca no pescoço. Quando o time assume desde o começo que "joga para não cair", é bem provável que consiga se salvar. No entanto, essa salvação, que deve vir somente nas últimas rodadas, vai dar uma falsa impressão de tranquilidade. Provavelmente, assim, considerando-se o fato de Juvenal Juvêncio ter o apoio até de parte da torcida organizada, e do principal opositor, Marco Aurélio Cunha, ter "caído em desgraça" por aparecer em um vídeo no Youtube cantando o hino do Santos (tá aqui o vídeo rs: http://www.youtube.com/watch?v=5b7RD8BvXDw), o atual madatário conseguirá fazer seu sucessor no pleito do ano que vem, o que projeta mais anos dramáticos e vexatórios pela frente. O São Paulo caminha a passos largos para morrer no próprio veneno e verificar que sim, como Palmeiras, Corinthians, Grêmio, Atlético-MG, Botafogo ou Vasco da Gama, "time grande também cai".

Paulo M disse...

Não entendo como dirigentes não veem o óbvio, que até eu vejo: que o Santos, com uns garotos estreando no profissional e esforçando-se pra cumprir seu papel no Brasileiro, estaria exposto à própria sorte no Camp Nou contra o Barcelona de Messi e Iniesta. Achei que era jogo de compadres, só pra cumprir o acordo na transação da aquisição do Neymar pelo Barça. Mas a diretoria santista preferiu envolver os jovens em parcela da compra do craque pelo time espanhol. Lamentável.

Diga-se o mesmo (ou algo parecido) do São Paulo: pelo que sei, o time do Morumbi, que a imprensa apontava como modelo de profissionalismo até uns anos atrás, ainda vai "passear de férias" pelo Japão, com o propósito de ganhar dinheiro em amistosos por lá e decerto gastar em churrasco e whisky como fizeram depois dos vexatórios 3 a 0 pro Cruzeiro em pleno Morumbi.

Tem gente com inveja do Palmeiras rs. Tá doido!

Edu Maretti disse...

A incompetência dessa diretoria do SFC é tão escancarada que agora o tal Odílio Rodrigues, vice-presidente, disse que o time talvez não faça o segundo amistoso com o Barcelona, que faz parte do acordo, no Brasil. "É um jogo que não temos a obrigação de ser realizado", disse o cartola. "Se o Santos não puder fazer esse amistoso, o Santos fica com o dinheiro, é a garantia de contrato que temos." Quer dizer, o vexame aumenta. Agora, além de saco de pancada, vai ficar com a fama de fujão e covarde.

É inacreditável.

Notei que o Felipe parece que ficou com dó de falar alguma coisa do SFC, rsrs. Ou respeito... Pode falar, Felipe, o Santos merece ser achincalhado...



Alexandre disse...

Sinceramente, perdi até a vontade de tirar um sarro do Santos. Minha nossa, OITO!!!!
Finalmente o São Paulo ganhou uma, e do Benfica. Pena que não soma pontos pro Brasileiro.

Edu Maretti disse...

Obrigado, Alexandre, pela solidariedade, hehe.

Felipe Cabañas da Silva disse...

hahaha... Edu, não falei do Santos porque meu comentário sobre o São Paulo acabou ficando muito extenso. Claro que não vou achincalhar, por respeito, a menos que você achincalhe o Corinthians...heheh... Mas eu acho que a "crise" do Santos é menos severa que a do São Paulo. Vejo que o Santos sofre hoje por ter feito um esforço descomunal para manter o Neymar, em detrimento de outros atletas e outras necessidades. Acabou, além do mais, não suportando a pressão financeira e política que é ter um jogador altamente cobiçado por urubus como Real Madrid e Barcelona. Era óbvio que mais dia menos dia perderia a jóia, o que deixa um vácuo no time. Claro que esse amistoso contra o Barcelona foi um erro, até porque realizado com objetivos de "promoção da marca", tiro que acabou saindo pela culatra - e o Barcelona é um time encardido que não disputa amistosos, como você disse queria dar o troco da Copa das Confederações e quiçá até lavar a alma pelo fiasco na última Champions League. Mas apesar disso, vejo o Santos com um ambiente político menos conturbado que o São Paulo, mas posso estar enganado. rs

Alexandre disse...

Não tem por onde, Edu Maretti, sempre às ordens. Só espero que vcs santistas não levem outra de oito, pque aí é caso pra investigação...hahahaha. E olha, sugiro que joque no 8, no bicho, loteria, quem sabe....

Gabriel Megracko disse...

Ainda não li os comentários do post, só o post mesmo, mas venho apenas para manifestar meu luto oficial pelos dias que sucedem a lamentável ideia de jogar com o Barcelona e que antecedem a partida com o Corinthians, que, obviamente, vai querer dar uma de Barcelona. Cabe ao Santos me fazer tirar o luto ou descer a madeira de vez.
Cá entre nós, quando você tem zero ano(s) de idade, sabe intuitivamente que com certas coisas não se brinca. Pois bem, essa é mais uma prova de que o homem nasce sabendo e cresce desaprendendo. Se você educar uma criança para que ela faça o que bem entender pela vida toda, ou seja, sem lhe enfiar nenhuma ideia tosca nos miolos, ela jamais teria a ideia irracional e insensível de colocar esse time do Santos pra jogar com o Barcelona no Camp Nou. E tenho dito. Luto, lutas, luta, amos, ais e ammmm...