sábado, 10 de janeiro de 2015

As tolices em torno do atentado ao Charlie Hebdo


Ou: eu também Não sou Charlie


Após o ato terrorista que vitimou o jornal Charlie Hebdo, naturalmente muitos se apressaram para externar suas opiniões. Depois do horror do ato terrorista justificadamente repudiado por qualquer pessoa que tenha um mínimo apreço ao humanismo, à paz ou ao simples bom senso, logo surgiram as tolices que se seguem a acontecimentos desse tipo.

A primeira tolice foi aquela segundo a qual o atentado agredia a "liberdade de expressão", a "liberdade de imprensa" de todos nós. A segunda, entre as que li (e essa é mais tola de todas), foi aquela que dizia que a “extrema esquerda” tinha sido a verdadeira vítima dos terroristas. E a terceira tolice é essa que se resume no slogan “Je suis Charlie”, que rivaliza com a segunda em ingenuidade, mas vai muito além.

A primeira tolice não é exatamente uma tolice (é tolice apenas quando reproduzida por papagaios que sequer sabem seu sentido), já que, como se sabe, a liberdade de imprensa de que falam é a liberdade das grandes corporações midiáticas ocidentais, cuja cartilha prega a democracia dos patrões, do capitalismo sem freios, da selvageria denuncista praticada, entre nós brasileiros, por exemplo, pela meia dúzia de famílias donas das comunicações, enfim, a liberdade de imprensa da mentira travestida de jornalismo.

A segunda tolice nem sequer merece comentários. Dizer que a extrema esquerda foi a vítima do atentado é de tal ordem tolo que vou poupar o leitor mais inteligente de ler algumas linhas inúteis.

E a terceira tolice, segundo a qual “Je suis Charlie”, rivaliza com a segunda, mas é mais sofisticada, pois remete a uma solidariedade humanista e de certa maneira incorpora subliminarmente o clamor pela liberdade de expressão, ou de imprensa (ocidental).

Percebo que, quando digo “tolice”, na verdade me refiro aos que reproduzem esses raciocínios e não refletem direito sobre o que estão reproduzindo, já que evidentemente aqueles que os criam ou os consensos em torno dos quais esses raciocínios se formam não são exatamente tolos ou desprovidos de intenções. Quando um monte de amigos verdadeiramente bem intencionados dão pra repetir “Je suis Charlie”, “Je suis Charlie”, “Je suis Charlie”, provavelmente nem estão pensando no significado do que dizem. Por exemplo, no fato de que o Charlie Hebdo talvez tenha ido longe demais em sua política editorial de desrespeitar as religiões e a fé.

"O Corão é uma merda", diz Charlie Hebdo: humor?
Mas principalmente não pensam num aspecto que foi muito bem observado pelo blog Descolonizações, do Zuni: “Aqueles que ostentam orgulhosos o slogan Eu sou Charlie se dizem advogar pela liberdade de expressão, porém não questionam o que significa essa liberdade de expressão nem tampouco quem tem direito a essa liberdade. Ninguém se preocupa com a censura à liberdade de expressão religiosa islâmica na França”.

Em resumo, o blog citado chama a atenção para o fato de que o Charlie Hebdo (intencionalmente ou não – nota deste Fatos Etc.) insuflou incessantemente o preconceito e a já denominada “islamofobia”, o racismo e a violência contra a perseguida cultura islâmica, que na Europa, e principalmente na França, aumenta mais e mais, e incentivou também os discursos da extrema direita francesa. Basta se informar um pouco para saber o quanto o Estado francês tem acuado a cultura muçulmana na terra de Napoleão Bonaparte.

Quando o Charlie Hebdo estampa, numa capa, a frase "O Corão é uma merda", está fazendo humor? Não, está desferindo um ataque que nada tem a ver com humor.

Em entrevista à Folha de S. Paulo nesta sexta-feira (9), Marine Le Pen, presidente da Frente Nacional, partido francês de extrema direita, disse: “O islamismo, esse totalitarismo religioso que mata todo dia centenas de inocentes no mundo, declarou guerra ao nosso país. Devemos responder sem fraquejar”.

Esse discurso insidioso quer confundir o islamismo (uma religião monoteísta surgida na Arábia no século VII, tão importante quanto o cristianismo e o judaísmo) com os fundamentalistas que, infelizmente, são talvez os maiores inimigos da religião em nome da qual matam e massacram.

Aproveitando a estupidez e violência canalha dos inimigos autoproclamados mártires de Alá que, na verdade, trabalham para a causa sionista, Marine Le Pen disse mais: “Os franceses, a partir das manifestações espontâneas que emergiram após o atentado, tomaram consciência dessa declaração de guerra”. E ainda: “Diante do terrorismo islâmico, temos que nos defender com todos os meios possíveis. Acredito que nossos compatriotas entendem isso”.

Por tudo isso, embora solidário com todos aqueles ligados ao Charlie Hebdo que sofreram e sofrem com a insanidade do ataque, mas principalmente como defensor da liberdade e autodeterminação dos povos, do Estado da Palestina (e também, como o governo do Brasil, talvez ingenuamente, da convivência pacífica da Palestina com o Estado de Israel), como defensor da paz, declaro que também Não sou Charlie, como o blog acima citado defende, e você pode ler abaixo.



6 comentários:

Zuni disse...

Excelente análise. Fico muito feliz que meu texto tenha lhe auxiliado nessa reflexão.

Dárcio Vieira disse...

Assino embaixo. Pego por exemplo aqui: pregam a liberdade de imprensa. Muitos jornalistas dizem que tem essa liberdade. Tem, mas desde que não fale nada que desagrade o dono da empresa.

Eduardo Maretti disse...

É a chamada liberdade de impren$a, que tem essa conotação financeira e também é fortemente ideológica, uma vez que, no nosso caso brasileiro, por exemplo, assume o papel de oposição política que a própria oposição não consegue, por incompetência (vide eleição de 2014).

Alexandre disse...

Muita liberdade também tem seu preço. De imprensa ou de expressão. Liberdade pode não ter limites, mas consequentemente pode ter um preço. Ou não?

Eduardo Maretti disse...

Essa é uma discussão que poderia levar uma noite inteira, ou mais...

Paulo M disse...

Ótimo post. Eu não sabia desse "O Corão é uma merda". Se for verdade o que ouvi na GloboNews, que 10% da população francesa é muçulmana, o ocorrido no dia 7 de janeiro é muito mais significativo do que imaginamos, pois então se trata de um grande centro europeu ocidental de fé islâmica que proibiu, há alguns anos, o uso da burca em escolas e locais públicos. Isso seria outra prova de que a revista não queria apenas brincar com seus leitores, e essa lei francesa certamente fere o princípio de liberdade religiosa e de imprensa que o Ocidente prega muitas vezes sob as regras da Otan, quer dizer, na marra mesmo. Mas como disse o Edu num comentário, a discussão dá pano pras mangas.