sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Favoritos do cinema (10) – Paradise Now, a Palestina e a beleza misturada à dor





Revi esses dias um filme que é preciso mesmo ver, no meu caso rever. Paradise Now, dirigido pelo palestino Hany Abu-Assad (2005).

É a sensível história dos amigos de infância Khaled (Ali Suliman) e Said (interpretado por Kais Nashef). São mecânicos e trabalham em uma oficina em Nablus, cidade localizada na Cisjordânia, a cerca de 60 km de Jerusalém, com população estimada  de 200 mil habitantes.

Sob a ocupação israelense, eles cresceram com os traumas de viver numa “cidade que virou uma cadeia”, como resume a personagem Suha (protagonizada pela linda atriz Lubna Azabal), uma jovem cosmopolita, filha de família palestina tradicional, que nasceu na França e viveu no Marrocos, e que não resiste a voltar às origens e a certa altura exclama: “Não sei o que estou fazendo aqui”.

A trama das vidas de Said e Khaled subitamente sofre dramática e definitiva transformação: do cotidiano comum – até onde se pode, sem ser cínico, chamar de “comum” a vida em um território militarmente sitiado –, os dois rapazes são de repente alçados à condição de mártires palestinos, e convocados pelas lideranças a uma missão suicida em que terão que representar mais uma vez os papeis que lhe são reservados nessa terrível e interminável tragédia de dois povos. Na narrativa do filme, fica claro que eles fazem parte de uma lista, como soldados alistados à espera de serem recrutados ao teatro da guerra, em seu caso uma guerra desigual.

É impressionante a transformação operada pelo diretor nos personagens Said e Khaled, como mostram as fotos do primeiro, antes e depois de ser recrutado para a missão.

Said, o mesmo personagem, antes e depois...

Said é filho de um “colaborador”, ou seja, um palestino que se rendeu aos interesses israelenses, que entre nós chamamos “informantes”. Seu pai foi executado quando o jovem ativista era criança. Ao se dirigir ao líder que o recruta para a missão, Said justifica sua aceitação do destino, em uma fala marcante no filme:

Os crimes da ocupação são incontáveis. Mas o pior de tudo é explorar a debilidade das pessoas e convertê-las em colaboradores. Não só aniquilam a resistência, como também arruínam as famílias, sua dignidade e nosso povo. (Meu pai) era um homem bom, mas ficou frágil.”

Mas Paradise Now não propõe uma visão maniqueísta. A jovem Suha, com a experiência de ter vivido em outros contextos, por quem o jovem Said nutre uma paixão correspondida, mas impossível diante do destino histórico-fatalista que ele próprio se impõe, representa no filme a percepção de que a violência de um ataque suicida é não só inútil para a causa palestina como também a enfraquece ainda mais.

Dito assim, pode parecer que o filme de Hany Abu-Assad é baseado em um roteiro tolo e previsível. Mas não é assim. É um grande filme, que não ganhou por acaso vários prêmios, como o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro, o Anjo Azul do Festival de Berlim e um da Anistia Internacional. Foi indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2006. E também não foi por acaso que a indicação ao Oscar provocou protestos em Israel, por "humanizar" os suicidas muçulmanos denominados no Ocidente de "homens-bomba".

Paradise Now tem muitas virtudes estéticas: a construção da trama mantém o suspense até o fim; apesar de ambientado em um cenário opressivo, o filme não se rende à violência barata a que nos acostumamos a assistir sob o rótulo de Hollywood, que um certo cinema brasileiro faz questão de reproduzir; a fotografia, com a cidade de Nablus, milenar e moderna, ao fundo, é exuberante e emocionante; a delicada construção dos personagens, as amizades, as relações familiares, as cores usadas pelas mulheres (a jovem Suha ou a mãe de Said, a impressionante atriz Hiam Abbass, nascida em 1960 em Nazareth, Israel, mesma cidade onde em 1961 nasceu o próprio diretor Abu-Assad). A beleza misturada à dor.


Kais Nashef (como Said) e Lubna Azabal (Suha)

Uma associação inevitável: será por acaso que a cena inicial de Paradise Now remeta inequivocamente à cena de Eva (Eszter Balint) chegando a Nova York no filme Stranger than Paradise, de Jim Jarmusch, de 1984? Paradise Now, Stranger than Paradise. Não creio nesse acaso. Paraíso, paradise. Palestina, Nova York.

Tudo isso para dizer que Paradise Now é um filme que precisa ser visto.

Ele vai ser exibido neste sábado, 6/12, às 20h25, no canal Arte1 (que na Net é o canal 53).

Quem prefere pode assistir na íntegra, com boa qualidade (principalmente com uma tela de tamanho razoável), a qualquer hora, neste link do Youtube: Paradise Now na íntegra.


8 comentários:

Mayra disse...

Filmaço mesmo. Vc poderia me lembrar quais são as cenas iniciais dos 2 filmes?!

Eduardo Maretti disse...

Na cena inicial de Stranger than Paradise (Jarmusch) vemos Eva (Eszter Balint) de costas para a câmera, parada, olhando em direção a uma pista de aeroporto, com as malas no chão, ao seu lado. Ela pega a mala, vira-se de frente para a câmera e sai caminhando;

a cena inicial de Paradise Now mostra Suha (Lubna Azabal) de frente para a câmera, parada, numa encruzilhada de estrada, com a mala na mão. Um veículo militar passa atrás dela. Corte para um enquadramento em que se vê uma barreira militar (a cena que os olhos da personagem veem). Suha então entra na cena caminhando dirigindo-se à barreira.

Como eu disse no post, você pode conferir o filme na íntegra. O link está lá.

A íntegra de Stranger than Paradise está aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=Tq62BIu6w7I

A mim parece clara a referência feita pelo diretor Hany Abu-Assad ao filme de Jarmusch. Confira e veja o que acha.

Anselmo disse...

Excelente o filme, dê fato.

Mariana disse...

Vi esse filme. Realmente muito bom!

Roseli Costa disse...

Muito bom o filme. Do ponto de vista de dois homens-bomba, vemos que tal decisão é muito mais complexa do que jamais pensamos.

Envolve dramas e sentimentos pessoais e às vezes a decisão de ir em frente ou desistir passa muito mais por uma linha individual do que pelo aspecto religioso. O que os fez decidir foram questões políticas e pessoais. Alá foi o que menos contou... Interessante!

Gostei da frase "Ocupados, já estamos mortos." Também do contraste mortificante entre Nablus e Tel Aviv... É válido ressaltar que o mais decidido, a princípio, Khaled, desistiu (será executado?); já o menos convicto (Said) foi em frente por trazer em seu âmago a morte derrotista do pai e a sensação de, em vida, já sentir-se aprisionado e/ou morto.

Destaco também as cenas de grande suor que escorre de seus rostos e a boca seca, mostrando o grande e multifacetado conflito de tomar uma posição.

Roseli Costa disse...

O filme todo é hesitante diante da certeza religiosa. Há vários questionamentos acerca de Deus/Alá e do Paraíso. Também com relação à atitude de optar por atentados, pondo em dúvida sua real validade. Uma película curta, mas intensa. Repleta de frases e cenas que todos ou quase todos já se viram como autores frente aos questinamentos acerca da vida, da morte e de uma divindade. Ultrapassa a questão Israel/Palestina e acerta em cheio a dor da existência humana.

Eduardo Maretti disse...

É um filme muito denso, não é?

Muito bom teu comentário, Roseli.

As únicas observações que faço são:

- não, Khaled não foi executado!, graças a deus (hehe), pois ele é um irmão, o irmãozinho de Said. Mas, mais importante do que isso, Khaled não é um "colaborador".

- a questão de o filme ultrapassar a questão Israel/Palestina: acho que a causa palestina é tão, mas tão importante, que, embora eu concorde com vc nesse aspecto, é muito importante que o filme desmitifique a visão ocidental generalizadora e falsa que atribui todos os males do mundo aos muçulmanos...

Roseli Costa disse...

Verdade. Importante contribuição para o ponto de vista palestino num mundo que prioriza a ótica dos poderosos.